PesquisaMorte:

ArquivoMorte

CadastroMorte

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

domingo, 21 de janeiro de 2018

AnáliseMorte: Life is Strange - Before the Storm.

Depois de 3 previasmorte na página do facebook, chegou a hora de analisar:


Life is Strange
Before the Storm




Continuação de Life is Strange, este é um jogo também de escolha e consequência, que apesar de não contar com manipulação temporal e espacial, consegue ser misterioso e sobrenatural. Ele é totalmente voltado pra história de Chloe Price, se passando um bom tempo antes do retorno de Max e revelando quem e como era Rachel, a desaparecida do primeiro jogo.


Spoiler Alert... Amber Alert...


Boa leitura.



Life is Strange é um jogo lindo, complexo e chocante com seu encerramento (eu chorei muito com um dos finais alternativos, e nem tinha sido o que eu fiz), nele é contada a história de Max, uma mocinha que descobre o poder de manipular o tempo de várias formas, principalmente através de suas fotos, e com isso se une e salva várias vezes Chloe, uma melhor amiga antiga com quem não tinha contato a anos. Juntas, descobrem o paradeiro de Rachel Amber e desmascaram dois assassinos em série, além de testemunharem o fim da cidade inteira por um tornado em uma terrível e premeditada tempestade.

"Before the Storm" significa  "Antes da Tempestade" o que é uma referência tripla: Refere-se ao desfecho do primeiro jogo e o tornadão; Refere-se à uma peça de teatro chamada "A Tempestade" extremamente importante pro novo enredo; Refere-se ao comportamento das moças envolvidas, que por muitas vezes é imprevisível e agressivo, como uma tempestade (figurativamente falando).

Algo legal desse game é que é mostrado muito mais sobre Rachel Amber, uma personagem importante do primeiro jogo mas que nem apareceu... totalmente. No primeiro jogo, ela estava desaparecida e a única pessoa que parecia se importar era Chloe. Tinha cartazes dela por toda parte, e ela transparecia importância e significado, mas a personagem em si não chega a aparecer ou interagir. Seu paradeiro é descoberto, é algo chocante inclusive (ela tava morta e enterrada embaixo dos narizes da galera), mas a carga sentimental mais afeta a co-protagonista, Chloe, do que sua melhor amiga e protagonista Max.

Aqui, há uma total inversão de papeis: Chloe é a protagonista, Rachel é a co-protagonista e Max só é citada e referenciada por documentos e fotos, sem nem aparecer.

Ver, pela perspectiva de Chloe, como é a história, aumenta gradativamente o peso emocional do primeiro jogo, inclusive, fez me sentir mal pelo final "bom" que fiz nele, visto que alguns dos personagens sem grande choque emocional do primeiro jogo, aqui recebem tanta atenção e são tão bem desenvolvidos que, faz nos importar mais com eles.



Eu mesmo cheguei a dizer que dentre os dois finais, eu preferia deixar a cidade inteira se ferrar afinal nem gostava da galera mesmo, e ficar com Chloe (No fim do primeiro jogo, você decide se salva Chloe ou se salva a cidade). Eu sei que é um pensamento genocida, mas se parar pra pensar, nós somos levados a nos importar mais com Chloe, e não com as dezenas de coadjuvantes. Pois é, Before the Storm ta ai pra ferrar com essa decisão e mostrar que as consequências são bem mais significativas do que aparentam.

Mano, dessa vez eu cheguei a comparar a mãe de Chloe com a minha mãe! No primeiro jogo eu não tava nem ai pra personagem que só parecia uma garçonete qualquer, mas mano, em Before ela é tão explorada, seu relacionamento com Chloe é tão explorado, que me fez sentir um aperto no coração, afinal ela realmente se torna uma mãe pro jogador.

Isso não vale pra todos os personagens, pois vários do jogo original ainda nem estavam na cidade, mas os que aparecem são desenvolvidos de uma forma tão mais profunda que, me fez realmente me sentir mal pelo final que dei ao primeiro jogo (não me arrependo e faria de novo, sofrendo bem mais mas faria...).

Além disso, conhecer melhor Rachel só deixa seu inevitável final muito, mas muito mais chocante do que foi, pois nós passamos a enxergar essa garota pelos olhos de quem mais se importava com ela... e isso é tenso.

Como deu pra perceber, esse jogo funciona como um reforço emocional pro primeiro, só pra deixar tudo bem mais triste e significativo, mas com relação ao enredo supernatural de Max, isso é deixado de lado... aparentemente.

Além do relacionamento RachelxChloe, há alguns indícios sobre a grande tempestade que surgiu no primeiro jogo. Essa tempestade (um put4 furacão marítimo com uma chuva fortíssima, raios, explosões, etc) é uma consequência ao estilo Efeito Borboleta, provocada pelo simples fato de Max salvar Chloe no inicio de sua história. Isso causa uma aparente distorção quântica que gera um monte de efeitos climáticos estranhos e impossíveis de se explicar, até o tornado surgir. Mas...

Neste jogo é mostrado que provavelmente, o efeito borboleta começou bem antes de Max, por causa de Rachel e seu relacionamento com Chloe.

A ligação não é feita, mas é sugerida. Em certa parte da história, Rachel faz algo tão impactante que gera consequências sérias por toda a cidade. Ela sem querer queima uma floresta inteira, e isso faz nevar cinzas, faz pessoas se ferirem, faz pessoas perderem oportunidades, e por ai vai. Ta certo que o primeiro jogo deixou claro que o tornado surge por causa de Max salvar Chloe, tanto que não salva-la faz o mesmo jamais existir, mas o poder de Max não teve sua origem explicada, e é bem possível que tenha sido por causa do incêndio.


Mas explicarei melhor tudo isso ao falar da história.

Bem, essa análise será um pouquinho diferente do costume. Você notará mais a frente, mas não se preocupe, a qualidade é a mesma de sempre.

Jogabilidade

Comparando  ao estilo e gráficos do primeiro jogo, as coisas não mudam muito. Nós controlamos a personagem em terceira pessoa, interagimos com o cenário, em pontos específicos e destacados, e conversamos com os personagens, participando de eventos ou apenas diálogos derivados e dependentes de nossas decisões.




A primeira e mais notável diferença é com certeza a impossibilidade de mudar nossas respostas. Em jogos do estilo "Ação e Consequência", ter de aprender a lidar com as consequências de nossas decisões é algo comum, mas, o trunfo de Life is Strange era a exceção a regra. Antes a gente podia voltar no tempo, e mudar nossas respostas e só ai decidir qual caminho seguir, até que dramaticamente chegamos num impasse onde não há como trapacear, afinal, mesmo com artimanhas paranormais, a vida é estranha.




Algumas vezes, Chloe ta ainda mais ferrada com a estranheza, e precisa pensar muito, e muito rápido pois as decisões tem tempo (só as de grande importância que param pro jogador pensar bem e escolher, como aviso de que vai ser algo sério, e as de diálogo comum em sua maioria não tem tempo). Chega a ser irônico, afinal agora os jogadores precisam "lutar contra tempo", e não "contar com sua ajuda". 




Até ai, nada de mais, afinal quem curte jogos desse estilo, como The Walking Dead da Teltale, ta careca de saber que decisões podem ser cruéis. Repito que o diferencial de LiS era o esquema do tempo reversível. Mas, o sistema é ao menos bem funcional, e as decisões afetam bastante o enredo.




Mesmo cientes do destino, somos levados por uma trama profunda, complexa e surpreendente. Há novidades narrativas aos montes, sempre com o propósito de reforçar o drama do jogo original, e em jogabilidade, o diferencial de Chloe é apenas uma opção de "negociar na marra".




Durante as conversas, pode acontecer de Chloe entrar num dilema e ver uma abertura pra iniciar uma discussão, na qual ela é invasiva, agressiva e manipuladora, usando insultos e mentiras para conduzir o ouvinte ao que ela deseja. 




Nesse processo, o jogador escolhe as respostas, se baseando nas pistas que o alvo dá em seus comentários. Ele fala, e dependendo do que ele fala, é preciso responder de forma relacionada, para conduzi-lo adequadamente. 




Cada discussão tem um número de "erros máximos". Erros e acertos são simbolizados por um gráfico no centro-baixo da tela, onde em caso de uma escolhe incorreta, que não alcance o desejado, o oponente preenche uma das bolinhas. No caso oposto, uma bolinha da protagonista é preenchida até que a discussão termine, positiva ou negativamente.




Não da pra reiniciar essas discussões, mas da pra evita-las em alguns pontos. Pela natureza agressiva, as vezes eu optei por evitar, para que a situação não se tornasse desnecessariamente desconfortável, mas, na maioria das vezes esse recurso, quando surge, é uma carta na manga de Chloe.


Tirando isso, nada mais difere do jogo original. É só andar, as vezes correr, coletar itens, conversar, interagir com o cenário, e só.



Muitas conversas são opcionais, mas tudo o que é escolhido tem uma consequência, de curto ou longo prazo. Nada que o jogador escolha pode mudar o que já é conhecido no jogo principal, como por exemplo, salvar Rachel do desaparecimento, mas isso não chega a ser algo prejudicial.


Na verdade, a história nem gira em torno disso. É tudo mais voltado pro relacionamento de Chloe e Rachel do que pro que ocorrerá no futuro, apesar de que, ao meu ver, muitos elementos narrativos foram incorporados à trama que podem servir como alicerce para a real sequência de Life is Strange... mas isso eu falo depois.





Uma última coisa a acrescentar: Chloe tem péssima memória. Ela usa recados anotados na própria mão pra se lembrar onde ir e o que fazer. É o "mapa" pro jogador, que também caracteriza uma memória ruim... eu uso isso constantemente pra me lembrar das coisas, então eu sei como é.




Bora pros personagens. Farei um brevíssimo resumo, só pra refrescar a memória e também, apresentar os novatos. Ah, detalhe: Só falarei dos personagens importantes pra minha campanha. Por ser um jogo de escolhas, há vários personagens que acabam entrando ou não na história, mas boa parte é irrelevante. Os personagens que citarei são apenas aqueles que são estritamente importantes pra trama, a minha trama, a que eu joguei. 

Personagens 


Chloe Price

A protagonista, é aquela moça rebelde que no futuro, salvará a pele de Max com sua caminhonete, depois de Max salvar a pele dela com seus poderes.



Ela ainda não ta exatamente como no outro jogo. Seu cabelo é castanho ainda, suas roupas são radicais mas não tanto, ela ainda não tem seu carro de assinatura, ainda não ta traficando drogas na universidade, e principalmente, ela ainda não foi expulsa.



Tudo isso, nós acompanharemos! Ela pinta o cabelo, passa a se vestir de forma bem mais irada (ela já vestia bem, mas fica melhor), ela mesma monta seu carro, e apesar de já começar com baseados, ela consegue ser expulsa da escola, não por causa de drogas, mas por cabular aula.



Chloe mantém um diário, algo que ela não chega a mostrar no jogo principal, mas é exatamente igual ao diário que sua amiga usa, com direito a desenhos, imagens coladas, e atualização constante. Detalhe: Tudo nele é destinado à Max.



Ela tem saudades de sua amiga, que foi pra outra cidade, e mesmo depois de ser ignorada pelo celular, mantém a esperança de um dia revê-la, fazendo de seu diário um dossiê pro dia que se encontrarem. Algo que não chega a acontecer (por isso achei que ela queimaria o livro, mas não).



Sua personalidade é a mesma de sempre, ela só vai se tornando mais "livre" conforme avança na história. Mas, o mais interessante, é assistir a fragilidade dela.



Ela é apenas uma garota, com problemas familiares, depressão após a morte do pai, que lida com a vida da forma que pode. Ela é inteligentíssima, razão pela qual ta na Academia Blackwell. Sua mãe é garçonete e viúva, precisando dar conta das contas dos custos da vida sozinha, logo, sua família não tem dinheiro pra bancar Blackwell, que é uma escola particular renomada. Mas, ela tem uma bolsa de estudos, por sua inteligência acentuada, a qual vai sendo ofuscada por sua rebeldia até sua expulsão (que é também um corte de gastos oportunista).

E bem, é isso.

Ah, Chloe não mata ninguém, pelo menos não diretamente.

Mãe de Chloe

Como mencionei, a mãe de Chloe é uma garçonete que não ganha muito bem, e perdeu o marido recentemente pra um acidente de carro, o que a deixou em péssimos lençóis. 


Ela tenta lidar com a rebeldia da filha como pode, sempre se preocupando muito com ela e fazendo de tudo pra não perde-la. 

Ela é preocupada, vive mandando mensagens pra filha, afinal Chloe quase não fica em casa, sempre tenta mostrar que ta à disposição, sem nunca extrapolar. Ela respeita a filha, confia nela, mas não esconde a preocupação.



Essa é a parte que me faz lembrar a minha mãe. Ela sempre ta do meu lado, mesmo quando sou um estúpido. Ela nunca me repreende severamente, nunca grita ou incita violência, sempre está disposta a se sacrificar pra ver o meu bem estar. Ela rala pra caramba pra tocar a vida, e mesmo quando cansada, da um jeito de apoiar a minha vida, dos meus irmãos e do meu pai. Sempre com um sorriso, mesmo com os olhos refletindo sua exaustão, ela ta la, firme e forte, de pé e batalhando.



Quando saio, se for voltar tarde sem avisar, ela fica no portão esperando, preocupada, mas preparada pra sair mundo a fora pra me procurar se necessário. Mãe é assim, ela ta comigo, sempre... a mãe de Chloe é dessa mesma forma. Pode as vezes soar como fraqueza, ou ingenuidade, mas ela faz tudo pela filha que ama. 



O engraçado, é que algo que notei só me fez respeitar ainda mais minha mãe: Ela nunca chora, mesmo sentindo as mesmas dores da filha, as vezes até maiores, ela não derrama uma lágrima, pois precisa ficar forte pra filha ter em quem se apoiar. 

Enfim, na história ela chora sim, mas nunca na frente da filha.

Padrasto de Chloe



O cara é desempregado, é odiado por Chloe pois é rígido (afinal é ex-militar) e ta com sua mãe, tentando "tomar" o lugar do pai dela. 



É assim que Chloe a vê, e ela não o suporta, pois o enxerga como um aproveitador. Mas, eu sei como ele é e suas razões, por causa de sua versão do futuro, também bastante menosprezada até a máscara cai e ele é vislumbrado como um herói.



Fato é que, Chloe precisa manter seu "ódio" fervendo, já que esse é um dos fatores principais da história do jogo original, mas, eu tentei fazer o contrário, tentei ser mais afetiva e compreensiva com ele.



Lembra que mencionei que tem discussões que podem ser evitadas? Então, eu evitei a maioria das com ele. Meu objetivo era simplesmente compensar tudo o que fiz com ele no futuro... e o pior é que, funciona.



Chloe não passa a ama-lo, ou respeita-lo, onde mesmo quando a conversa termina positivamente, ambos acabam se encarando e destratando, mas, ela foi um pouco mais sensível com ele, menos ríspida, ainda afastada, mas pelo menos não o xingava mais.



No começo, o jogo te faz querer odiá-lo, Chloe o odeia, a personagem repete isso o tempo todo, mas... o cara não é nenhum monstro.



Além de fazer a mãe de Chloe feliz, num momento em que ela precisa muito disso (problemas financeiros e luto), ele tenta assumir a figura paterna, para ajudar também a moça rebelde. Ele só não sabe ser flexível como a mãe dela, mas ele tenta manter a menina no caminho correto, e por seu passado militar, acaba se descontrolando, e sendo rigoroso de mais as vezes.

Agora, algo que me fez sentir um aperto no coração foi quando, depois de tantas briguinhas e conflitos, Chloe parou pra escuta-lo, e ele contou a história de seu amigo do exército.



O cara tinha um amigão, praticamente seu irmão, que morreu na sua frente durante seu serviço. Ele foi afastado justamente por ter se acidentado ou algo do tipo, mas o que importa é que ele sabia, e disse que sabia, o quanto Chloe e sua mãe estavam sofrendo pela perda do pai e marido. Ele sabia a dor que era, perder alguém querido, e estava apenas tentando confortar ambas, dar a elas aquilo que ele sabia que precisavam, ficar ao lado delas, enfrentar isso com elas. 

Mano... 

Pai de Chloe

Ele aparece muito mais que na história original, mas ele já está morto nessa história.


Pelo que entendi, essa campanha se passa 1 ano antes da original, e ele já havia morrido fazia alguns anos, quando Chloe e Max ainda estavam juntas, pequenas. Da pra ver isso no jogo original, quando Max volta no tempo pra salvar a vida dele, e aqui, nada sobre as circunstâncias da morte dele é revelado, afinal não tem mais o que se acrescentar...

Ele morreu num acidente de carro, quando saiu pra buscar a esposa no mercado, em cima da hora. 



No máximo, o que da pra ver é que um caminhão bateu no carro dele, mas o estrago não foi tão grande no carro, o qual pode ser visto no ferro velho.



Pois é, o carro do pai de Chloe tava la no ferro velho, o mesmo local em que ela montou seu "forte". Reparou que cada coisinha ta forçando o emocional? Tudo é meio que pra te fazer chorar só de pensar... 

Chloe encontra o carro do pai quando ta irritada, chorando e quebrando tudo, e é algo tenso de se ver. 



Porém, as aparições de seu pai estão mais pra inquietantes do que emotivas.



Ele aparece em sonhos, conversando com ela no carro, enquanto dirige, como se ela estivesse la com ele pouco antes do acidente. Nessas viagens, ele fala em enigmas, metaforicamente, enquanto conversa de forma casual mesmo.



Um corvo sempre aparece junto com ele, e os detalhes da visão vão variando, conforme o avanço de Chloe. É estranho e até parece que Chloe é capaz de premeditar o que ocorrerá em sua vida, pois tudo o que ela enxerga nos sonhos parece uma versão abstrata do que já ocorreu, mesclado ao que ainda vai acontecer, à curto prazo.



O corvo, como é explicado no próprio jogo, é uma criatura que simboliza sabedoria, porém desconfiança. "Apesar de uma criatura sábia, jamais deve-se confiar nos corvos".

Curiosamente, o pai de Chloe simboliza sabedoria também, mas com segurança. Ele é seu grande guia (razão pela qual é visto dirigindo, em contraste com sua situação final em vida), e também seu melhor conselheiro. Ela espera, confiante, que seu pai lhe dê as respostas pros seus problemas, e em seus sonhos, é basicamente isso que ele faz. 

Claro que é sempre de forma bem abstrata, mas no final das contas, o que mais vale pra ela é o conforto que ele oferece. No final, ela chega a pedir pro seu pai fantasma a acompanhar, sonhando acordada, só pra deixa-la segura e preparada pra batalha final.

Rachel Amber

A co-protagonista, a misteriosa e tão mencionada Rachel.





Ela conhece Chloe no inicio do jogo, quando Chloe ta num show e é atacada por uns caras, é Rachel que a salva, pra surpresa de Chloe.



Rachel é a estrela da escola, em todos os sentidos. É filha de um promotor, é respeitada, é inteligente, é bonita, faz parte do grupo de Artes Cênicas, dentre vários outros méritos que tornam ela a última pessoa imaginável na cabeça de Chloe pra se envolver.



Elas curtem o show juntas, e depois disso, a união só vai se fortalecendo. Rachel vira segunda melhor amiga de Chloe, colocando Max quase em segundo lugar...



Na verdade, dentro do jogo que eu fiz, elas se tornam bem mais que amigas...



Mas enfim, Rachel é uma atriz magnífica, tem um monte de qualidades que fazem qualquer um se apaixonar. Ela é interessante e misteriosa, e no final das contas, é uma verdadeira tempestade... linda, reluzente, barulhenta e bem perigosa e desastrosa.



Ela faz que faz a vida de Chloe mudar, e no final das contas, ela foi uma boa influência afinal, a Chloe por quem Max se apaixona é resultado dessa influência.



O maior desejo de Rachel é ir embora, se mudar da pequena Arcadia Bay, seguir carreira de atriz, e por pouco, não fugiu com Chloe. Ela teve todos os motivos pra fazer tal escolha, provavelmente o que a segurou na cidade foi Chloe... e bem... isso não é tão bom no primeiro jogo...



O desaparecimento de Rachel inclusive é uma grande incógnita por causa desse desejo que ela tinha, de jogar tudo pro ar e ir embora. Chloe mesma já chegou a pensar que tinha sido esse o destino da sua parceira, mas, ela sabia, la no fundo, que Rachel jamais partiria sem ela. E isso é alimentado e mostrado pro jogador.



Rachel protagoniza alguns momentos sobrenaturais também... não chega a ser nada explícito mas é são um pouco estranhos, como o momento do incêndio, que ela provoca. Depois falo melhor disso, mas pela forma como acontece, graficamente falando, é como se ela tivesse expandido o fogo com seu ódio, gritando.

Pai de Rachel



Todo esse ódio parte do promotor, seu pai, que da o maior desgosto de sua vida.






Após fazer Chloe cabular (boa influência), as moças viajam de trem como clandestinas e no fim, vão pra um mirante, e assistem as pessoas de longe, imaginando e caçoando de suas vidas, até que Rachel vê seu próprio pai, beijando uma estranha.


Seu pai era seu herói, e vê-lo fazendo aquilo, traindo sua mãe, pega ela em cheio. Com isso ela fica irritada, destrata Chloe, o que gera a raiva de Chloe (afinal, até ela estourar, nada é explicado, tudo tava super bem e do nada, a moça mais maravilhosa do mundo se converte na mais estúpida e agressiva), sendo esse o momento que Chloe destrói tudo no ferro velho.


Posteriormente as moças se reencontram, aparentemente mais calmas, e Rachel queima a foto do pai, de raiva, jogando num cesto ao lado da árvore mais antiga da cidade, e chutando o cesto de lixo em seguida, causando o grande incêndio.



Esse incêndio se alastra e dura por dias, até o final do jogo, mas o importante mesmo é o relacionamento de Rachel com sua família, que fica bem abalado. Seu pai era um monstro, mas não da forma como ela imaginava.



O cara explica isso, dizendo que a "estranha" era a mãe biológica de Rachel, e que o beijo era um tipo de despedida, mas, pra piorar, ele contrata alguém pra matar essa mulher, e isso só causa mais dor, pra todos.

Ele era um mentiroso nato, e independente de suas razões (ele explica que a mãe biológica era drogada e colocava a filha em risco, levando traficantes pra casa quando ela ainda era bebê, dentre outras coisas) mas, nada justifica suas ações.

Mãe de Rachel





A Mãe de Rachel não é importante. Ela sabia da verdade, e apoiava o marido na enganação, ao ponto de ser uma mãe e dona de casa exemplar, o que era muito suspeito desde o inicio.



No fim, ela fica do lado do cara mas, não há nada de importante pra falar sobre ela.




Sera, a Mulher de Branco



A mulher de branco, se chama Sera, e é a mãe biológica de Rachel.






Como é revelado por um flashback interativo... 



Sera era a mãe de Rachel, que cresceu tendo um lindo romance, mas que acabou entrando no mundo das drogas e colocou a vida de sua filha em risco, arruinando seu relacionamento.



Posteriormente, ela escolheu as drogas e seu marido afastou a criança, cortando qualquer contato e mantendo ela distante.



Mas, depois de um tempo, Sera tomou vergonha e começou a lutar contra as drogas, se recuperou, e tentou encontrar e conhecer sua filha, já crescida. Mas, o promotor passou a paga-la pra se manter longe, e quando o dinheiro não servia mais, ele passou a ameaça-la pra isso. 



Mas ela fez todos os meios legais pra reaver a filha, o que só foi prejudicado pela posição do ex-marido, e no fim, se tornou uma estranha na vida de Rachel.



Ela aparece no desfecho dos 3 episódios desse jogo, e o mistério só acaba mesmo no terceiro episódio, onde Sera conversa pessoalmente com Chloe, deixando a última decisão em suas mãos.



Eu, fiz uma pequena bobagem no meu gameplay e por causa disso, Rachel jamais conheceu Sera, porém, tem uma forma de fazer ambas se encontrarem bem no final, ao custo de outro "grande momento" (explico depois).



Ainda assim, esse final não faria sentido, considerando que Sera nem soou como uma opção na cabeça de Chloe, para o sumiço repentino de Rachel no futuro, afinal, com os problemas familiares, Rachel poderia ter fugido com a mãe biológica pra começar um nova vida, sendo bem egoísta, mas enfim... 




Continuando... 

Frank

O traficante de Chloe já ta vendendo baseado pra ela, e a gente conhece e acompanha a associação que ambos se formando.



No jogo original, Chloe morre pela primeira vez, na frente de Max, cobrando uma dívida de Frank pra um aluno da academia. Esse trabalho de cobradora é iniciado aqui, com ela tentando compensar suas dívidas prestando esse favor.



O primeiro trabalho dela, já é bem impactante e relacionado a outros personagens, onde o vilão desse jogo é apresentado.



E sim, tem vilão, apesar de não haver lutas... pelo menos não controláveis.



Frank tem seu trailer, e não demonstra nenhum envolvimento com Rachel ainda (pra quem lembra, ele e Rachel tiveram um caso que Chloe desconhecia, talvez por isso nada tenha sido nem insinuado aqui), mas ele chega a conhece-la.



Bem, o cara tem seu filhotinho, que até se da bem com Chloe quando ela vai começar seu trabalho com ele, e no fim, ele acaba sendo um grande aliado da moça.



Ele, diferente dela, acaba matando alguém, seu melhor amigo, que é o vilão.

Parceiro de Frank



Esse cara é um traficante que ao que parece, é amigo de longa data de Frank, e também seu principal associado, se é que não é seu chefe (age como se fosse). Ele é um traficante violento, que quase mata Rachel, quase mata um cara da academia, quase mata Chloe, quase mata todo mundo, por causa de sua mercadoria.



Ele é agressivo, repulsivo, e sua participação destaca a fragilidade de Chloe.



Em uma parte da história, ele esfaqueia Rachel, e Chloe paralisa de medo, mesmo com sua amiga morrendo na sua frente e precisando de ajuda.



Isso difere muito de como ela se apresenta pra Max em seu retorno, mas fato é que Chloe aprendeu a ser durona, depois desse jogo, já que no final ela toma uma surra desse cara e quase morre.



Ela é salva por Frank, que não vê alternativa além de matar o cara, que já tava indo longe de mais. Ele tava prestando serviço de sequestrador e matador, além de traficante... foi a ele quem o promotor recorreu para se livrar de Sera.



Diretor da Escola



O diretor da Academia Blackwell de Arcadia Bay é o cara mais babaca da história.





Ele é um babaca no futuro, e é um babaca agora, fazendo de tudo por capitalismo. O cara expulsa Chloe só porque ela é pobre (tem outros motivos também, muitos outros, mas ele fez por causa disso e ponto), e é um idiota.



Só cito ele pois é um personagem, querendo ou não, de importância, pois ele é o grande gestor, que deixa garotinhos ricos atirarem em garotinhas pobres sem consequências.

Segurança da Escola


Mais importante que ele, temos outro personagem da escola que é importantíssimo, o segurança, antes do padrasto de Chloe assumir.



Ele era legal pacas, era roqueiro, tinha uma banda, era até amigo de Chloe (se dava hiper bem com ela) mas, acaba sendo demitido, por "facilitar" um pequeno ato de vandalismo da mocinha, quando ela é expulsa. 



Claro que o diretor babaca arranjou outros pretextos, pra justificar a demissão do guarda legal e reforçar com um mais militarizado, dando emprego pro padrasto de Chloe, porém, o cara não merecia ter sido mandado embora, ele era gente boa.



Ainda assim, ele segue em frente, e num programa num rádio da pra ouvir ele seguindo carreira na música com sua fita demo. Da pra ouvir até ele em entrevista enquanto Chloe arruma seu carro.

Victoria


Essa é aquela moça loira irritante e mimada que ficava no pé de Max, e aqui, fica no pé de Chloe. Apesar de eu saber que ela não fazia nada disso por mau, eu não peguei leve, fiz Chloe atrapalhar ela em provas e apresentações, e só lasquei com a vida dela.



No fim, ela decide se matricular na nova matéria da escola, Fotografia, abrindo margem pro primeiro jogo. Se não me engano até o Clube Vortex é formado nesse momento, nesse caso eu não prestei atenção mesmo.

Garoto do Fora




Só citando, esse cara é uma possibilidade de relacionamento pra Chloe, mas que dispensei afinal, já tinha Rachel no alvo. 



Infelizmente, o cara é legal, e dar o fora nele não é legal, o que faz ele se tornar quase um vilão no final.



Mas, tudo acaba bem... ele desiste da escola, provavelmente pediu transferência ou abandonou, mas tudo terminou bem, pra Chloe.

Sério, eu senti pena dele. 



O cara convida ela pra uma peça de teatro, "A Tempestade" e Chloe fala que não vai, que odeia teatro, que tem coisas melhores pra fazer, daí vai ela e aparece estrelando a bagaça, na maior melação com Rachel, tudo ali na cara dele. Depois ele tenta ajudar e a moça rebelde ainda da um monte de patadas, é triste.

Mas, fazer o quê...


Nerds


Dois personagens novos que são legais, são o garoto negro de óculos e a mocinha ruiva, que diga-se de passagem, tem uma queda por Rachel. 



Eles são nerds da escola, que jogam RPG de mesa, e da pra jogar com eles, em dois episódios.



No primeiro, Chloe ganha uma personagem que acaba morrendo no fim...



E no segundo, ressuscita seu personagem só pra morrer heroicamente de novo.



Detalhe, o garoto nerd acaba sendo internado num hospital, que acaba se tornando importante na rodada final, onde inclusive rola a segunda partida de RPG. 



A moça nerd, amigona dele, faz questão de ficar com ele o máximo possível, e se não fosse por sua queda por Rachel, até torceria por ambos.



Eles são apenas, novatos do elenco que achei legal mencionar.

Jogador de Futebol





O jogador é irmão mais velho do garoto nerd, e ambos são pobres, na real nem tem onde morar. Eles tem o pai apenas, e ele é desempregado, e ambos vivem na escola, com dormitório e tal, graças a bolsa de estudos que o jogador tem.



Os dormitórios só são pra quem ta no último ano, por isso Chloe não tem um quarto la.






Esse jogador é importante pois conecta Chloe ao traficante vilão. Ela vai pegar o dinheiro que ele deve ao Frank, invadindo seu quarto na escola, e até consegue, mas, no meio do processo, o traficante aparece pra cobrar também, e rola muita ameaça. 



Por causa disso, o irmão do jogador acaba quebrando o braço, o que o leva pro hospital, e o jogador acaba ficando mais irritado com Chloe, principalmente por ela entregar o dinheiro pro traficante na frente dele (foi minha escolha) que era um dinheiro que o cara tava escondendo, pra dar ao pai e ajuda-lo.



Ele conseguiu o dinheiro vendendo oxy para seus colegas de esporte, ou algo assim. Mas ele não queria lidar com os traficantes e pagar, então, ele quase se deu muito mal. Alias, o pai dele aparece no hospital...



Esse jogador também é visto praticando bullying com Nathan Prescott, e ao que tudo indica, ele sabia que o moleque não prestava, falando inclusive das bizarras fotos que ele já colecionava em seu livro...



À primeira vista, parece bullying, mas na verdade o cara tava irritado pelo fato de Nathan ter a vida tão facilitada na escola, por causa de seu dinheiro.




Nathan Prescott





O garoto mimado, fotografo, riquinho, membro da família que mais tem grana em Arcadia Bay, que praticamente fundou o curso de fotografia na escola por causa de dele, eis o desgraçado que matou Rachel.



Ele não mata aqui, na verdade ele não mata ninguém, ainda, mas eu sei quem ele é. Ele mata Rachel, e Chloe, se Max não impedisse.

Ele é problemático, tem deficiência mental ou algo do tipo, o que é piorado por seu tratamento em casa, mas que, não chega a ter um tratamento pra corrigir isso, e acaba fazendo muita merd4.



Chloe salva ele do valentão da escola (foi um erro meu).




Chloe encoraja uma garota que adorava ele, a investir no relacionamento (erro meu).




O que, no fim, abre espaço pra ele ter sua primeira vítima.





No hospital, da pra ouvir ambos conversando em uma das salas reservadas. 


Não lembro o que fez Nathan ir pra la, mas eles tavam quase se pegando pelo pouco que ouvi.

Pai de Nathan

Ele xinga o filho, trata ele feito lixo, e da pra ver ele fazendo isso no teatro.






Nathan era um dos atores que iria se apresentar, e o pai dele tava investindo o máximo pro filho ter uma vida acadêmica confortável mesmo sendo um esquisito de merd4.



Todo o investimento da academia tava sendo direcionado pra artes, futuramente pra Fotografia, por causa do pai de Nathan, e do desgraçado do Nathan.



Eu odeio o moleque, sei que no outro jogo, em outras linhas de tempo, ele é doente e acaba revelando seu mentor, entregando ele à justiça, o que salva muita gente e tal, mas, nada muda o fato dele ter encarcerado Rachel, despido ela inteira, tirado fotos dela depois de dopa-la, e causar uma overdose, matando-a, e tirando fotos do corpo pra sua coleção pessoal, despachando ela no ferro velho, bem embaixo do nariz de Chloe mano... não da pra gostar de um lixo deles, ou simpatizar, ou ao menos compreender.





Doente ou não, Nathan é um reflexo de seu pai, um resultado de como o desgraçado que arruinou a cidade pesqueira, tirando empregos e privatizando tudo, tratava a própria prole. 



O pai é ainda pior que o filho, e o pior é que ele sai impude de tudo isso.


Max





Ela é citada no diário, tem mensagens que não responde mais no celular, e é a melhor amiga antiga de Chloe. 



Infelizmente, ela nunca chega a conhecer Rachel, viva.



Ambas brincavam de ser piratas quando crianças.


Menção Honrosa: Cara Bizarro dos Esquilos

Ele aparece, como zelador da escola, e faz suas poéticas reflexões pra Chloe, num momento bem parecido com o do jogo original, com a Max.



Só isso, ele é esquisitão, e sei la porque, ele chama minha atenção.



História

Previas Morte: Enquanto eu jogava os episódios, conforme eram lançados, eu postava "PreviasMorte" na página do facebook. Essas prévias são resumos de cada um dos episódios, e uma rápida analise do jogo em si. Fiz isso por duas razões: 1 - Manter a emoção do momento viva. 2 - Manter os leitores atualizados.

No caso de manter a emoção viva, é principalmente pelo jogo ser episódio de longo prazo, e eu ter o péssimo costume de esquecer o que joguei, caso não digite. Com as préviasmorte, foi possível registar tudo o que eu queria, sempre precisar ficar postando no blog coisas incompletas (como foi, lamentavelmente, o caso de The Walking Dead - Temporada 2, que só postei o primeiro episódio e por causa do feedback ruim, cancelei as postagens da forma prevista).

Gostei tanto do resultado, que vou usar as previas pra resumir o jogo! Pra quem leu elas na página do facebook, nem grila, eu fiz algumas pequenas alterações e adaptações pro texto ficar bem enquadrado. Também, antes de cada parte, vou mencionar os personagens importantes do episódio pra que fique tudo muito claro.


Então, bora la!

Episódio 1

O episódio 1 é o Despertar, quando joguei minha visão sobre o jogo ainda tava bem bruta, mas fui pego de surpresa. Eu imaginava que esse game, que se passa antes do primeiro (Antes da Tempestade, tem múltiplos significados, dentre eles a referência ao final do primeiro jogo) seria apenas uma história pra mostrar como Chloe é legal e nos fazer sentir ainda mais a possível perda no primeiro jogo... mas não... ele vai muito além disso, só no primeiro episódio!


Chloe é a protagonista agora, mas ela toda hora faz referências ou comentários sobre a Max, a qual ela sente falta pra caramba, e julga pelo sumiço. Alias, ela nem ta toda radical ainda, mas ta no caminho pra isso, se rebelando aos poucos (o cabelo dela ainda ta quase normal).


No começo, ela vai pra um show de rock num armazém no meio do nada, e o objetivo é fazer ela entrar no show, sem ter convite.


O sistema do jogo é aquele mesmo de perguntas e escolhas, mas agora tem uma opção exclusiva de Chloe onde ela tenta obter o que quer, na base do insulto. As vezes é estranho apelar pra isso... mas até que é divertido, e dinamiza bastante as coisas. Algo que me pegou de surpresa foi a consequência dessas ações, pois tudo volta só no final do episódio... e tipo... eu fiquei chocado.


Ela consegue entrar, fazendo a social com o brutamontes na porta, que é gente boa. Mas, por Chloe passar por ele, ela quase se machuca muito no show, por causa dos desgraçados que aparecem pra ataca-la.


Eu imaginava que vários dos personagens do primeiro jogo apareceriam e seriam explorados, e desenvolvidos um pouco mais... como Frank... e até me arriscava em prever alguns eventos que poderiam ser mostrados de boa, como aquele em que Frank salva um cachorro e tal.


La dentro ela encontra Frank, que até cobra a grana que ela deve das drogas, mas não é violento nem nada. Eles não eram amigos, mas não tinham nenhum conflito. Não fica muito claro, mas o cachorro de Frank de fato é sobrevivente da queimada que tomou o armazém, junto com toda a floresta. No jogo original, é dado a entender que ele salvou os cães de um matadouro ou de uma rinha de cães com apostas, mas, talvez tenha tirado daqui, não fica tão claro.


Rachel Amber... o nome tanto citado no primeiro jogo, agora ganha uma forma, e que forma... ela ta incrível mas, eu não consigo deixar de lembrar do final que ela teve... tipo... eu sei o destino dela, e isso é horrível. Cada segundo jogando e conhecendo ela é meio torturante... eu sei que vai chegar aquela hora das lágrimas e não sei se to preparado... enfim... é legal ver Rachel salvando Chloe, pois é uma referência ao que Chloe faz com Max... quase como se ela estivesse "imitando" sua nova futura amiga (elas nem se conheciam pessoalmente, e Chloe meio que admirava Rachel de longe, mas logo no inicio o universo de ambas se choca).


Aparecem dois caras e tentam atacar Chloe, por curtição, mas Rachel aparece e salva o dia, toda irada.


Algo que me deixou meio preocupado foi a mudança de desenvolvedor... agora é a DeckNine, e não a Dontnod... e tipo... não sei até que ponto isso pode influenciar no universo LiS. Porém... até o momento, estou admirado pois ficou uma experiência incrível...

Chloe em seu quarto, por DeckNine.



"Experiência" é a melhor palavra pra descrever esse game. Por vários momentos me vi parado, ouvindo a música, admirando os detalhes do cenário, pensando, tipo, o jogo te faz isso. Before the Storm consegue te fazer gastar mais tempo no gameplay do que gastaria assistindo um filme, e é algo bem profundo. Haviam esses momentos no primeiro jogo... a trilha sonora sempre foi incrível... mas agora, eu sei la, é mais intenso.


Chloe escreve um diário de eventos, todos destinados à Max, porém esse diário não chega a ser encontrado no primeiro jogo então eu fiquei imaginando como que ele teria seu fim (que não teve). Ainda assim, é incrível observar o tamanho da consideração que Chloe tem por sua amiga ausente, ela sente mesmo falta dela, e poxa, Max esquece dela, como é mostrado no primeiro jogo. Isso quase me faz sentir raiva da Max...


Chloe também ta passando pela dor da perda de seu pai, e os rolos da mãe... e sua rebeldia é justificável. Ela amava muito o pai dela, e isso é mostrado muito mais agora. É legal poder ouvir os pensamentos de Chloe e ver que ela não é fria, nem insensível, e chega a ser até mais emocional e sentimental que Max, algo que sua impulsividade e rebeldia mascara muito bem no futuro...


A relação dela com o padastro... eu sei o quanto ele é importante pra história do futuro mas, eu entendo como ela se sente. Tive de tentar conciliar as duas coisas e não ser nem bruto(a) de mais, nem bonzinho(a) de mais, mas é complicado... por exemplo, eu evitei usar a "discussão por xingamentos" com ele, e ouvi o que ele tinha a dizer, e cara, ele é bem sensato, algo observado (mentalmente) pela própria Chloe...


Eu achei que esse jogo seria menos... místico... considerando que Chloe não tem os poderes do tempo de Max, porém... Chloe parece ter visões abstratas do futuro, através do passado. É meio confuso... mas ela tem sonhos constantes com seu pai e o acidente dele, e tipo, na primeira vez soa apenas como um trauma pra ela, uma dor que não vai embora... mas na outra visão fica tudo mais estranho... daqui a pouco falo dela.


Novos personagens surgiram, e eu fiquei curioso pra conhecer o fim deles, já que não me recordo de nenhum no primeiro jogo. Esse segurança, que futuramente dará lugar ao padastro de Chloe, é um cara muito, muito gente boa... e a música dele também... eu fiz questão de ouvir até o fim, não só pela experiência, mas pelo fato de ser boa mesmo. (ele pede pra Chloe avaliar a música da banda dele e deixa ela escutar a demo).


Sei como essa moça (Victoria) vai sofrer no futuro, mas também sei o quanto ela é... odiável... por isso acabei fazendo Chloe ferrar com o trabalho dela, dando respostas falsas... isso depois gera uma consequência (parte do motivo da expulsão de Chloe é por ter tentado sabotar Victoria), já tinha certeza disso... mas não consegui evitar... ela é detestável.


Levei um dia inteiro nesse game, e só no primeiro episódio, e por mais que eu quisesse terminar logo, eu fui pego pelas inúmeras "experiências" que ele proporciona. Meu deus, tem um jogo de RPG de mesa no meio do game, e você escolhe se vai jogar ou não, já ciente que demorará mais de 20 minutos... e demora mesmo! E É DIVERTIDO! Tipo... eu gostei... minha personagem morreu... mas eu gostei! (E Chloe também... ela tem um lado nerd)


Acho que o pior momento foi esse... onde Chloe precisa escolher se vai salvar Nathan Prescott (yep, o fdp que mata ela no futuro... além de Rachel... eu odeio esse demente) e tipo, sabendo quem ele é, eu senti vontade de deixar ele tomar uma surra, como fiz no primeiro jogo... mas tipo, ele tava sofrendo bully (provavelmente com razão, pois o cara que tava ferrando ele tinha visto o álbum de fotos dele... e vai saber que fotos ele tinha) e, uma mina chata pede pra ajudar, acabei salvando ele... me arrependi, mas no final fiquei surpreso pois isso gera uma consequência impensável... Nathan reforça sua raiva pelo mundo e transtornos mentais, protegido pela família que tem.


Rachel Amber, de novo. Ela é linda... tipo, ela demonstra um interesse por Chloe que, chega a deixar a própria toda confusa. Rachel é artista, de uma peça, e ela puxa Chloe do nada, faz perguntas que até eu não soube responder, e tipo... é muito estranho... eu sei do gosto de Chloe (tem uma parte no jogo que Chloe pensa em sua atração por moças) e tipo, não estranhei por isso, estranhei pelo interesse tão repentino da linda Rachel que, do nada, passou a andar com Chloe...


Essa cena... eu fiz questão de levar Chloe até o máximo que dava e ver o que rolava... e mano, ela tava muito, muito envergonhada. Rachel Amber é tipo uma lenda, e Chloe é a rebeldona que não vai pra escola... as duas juntas é incomum, improvável, e Chloe sabe disso... ela demonstra saber disso em seu nervosismo constante, só de ta perto da moça... imagina nessa cena... onde ela precisa levar as roupas de Rachel para que ela se trocasse após o ensaio (A gente escolhe se vai até la, joga as roupas ou apenas deixa elas ali mesmo, saindo de fininho, eu escolhi entrar com tudo).


Outro momento que fiquei parado junto com as personagens, ouvindo a boa música que o jogo oferece... que experiência linda. Rachel cabula a aula junto com Chloe (na verdade, Chloe faria isso de boa, mas é Rachel que arrasta ela pra fora da escola... e tipo, leva ela pra um trem! Ela é muito impulsiva, e isso é espelhado na Chloe do futuro).


Precisava por essa foto pois, eu disse "Eca, ela nem tomou banho" quando Chloe saiu de casa pra ir pra escola, obrigada pela mãe e guiada pelo padastro... e tipo, nessa cena elas ficam bem próximas e eu pensei exatamente o mesmo que Chloe... foi engraçado...


Depois dessa cena, Rachel fica estranha, irritada, diferente de como ela estava durante toda a aventura com sua nova amiga... e eu achei, que a moça de branco era alguma ex dela... sei la... mas fui pego de surpresa (costume né)!


Chloe e Rachel brigam feio no lixão, aquele mesmo local que Chloe apresenta pra Max no futuro, como o ponto de encontro dela com a amiga desaparecida, e tipo... eu achei que rolaria tudo, menos uma briga, não nesse primeiro encontro... era pra ser algo... mágico... sei la... algo que justificasse o fato de Chloe gostar tanto desse lugar, mas Rachel destrói o momento, com sua agressividade repentina, e pior, ela insulta o local... mas algo muito pior ocorre em seguida...


Chloe começa a quebrar tudo, de raiva, e tipo, ela tava mal de mais... Rachel tinha ido embora, deixou ela no vácuo, isso depois de Chloe declarar o que sentia (Yep, não aguentei, eu precisava fazer ela desabafar. Rasgaram seda de mais o tempo todo, alguém tinha de dizer algo!)


Aí do nada a realidade da um soco com pregos enferrujados como soqueira, bem na fuça do jogador e de Chloe... mano, o carro do pai dela tava la no lixão... se fud3r... eu não chorei... eu juro que não chorei... ta cedo, sei que o jogo ainda vai fazer algo muito pior... meu deus Rachel é achada nesse mesmo local no futuro, tipo... Chloe sofreu muito mano!


O pai dela... o Corvo... na segunda visão que ela tem, após achar o carro, tudo começa a ficar mais... místico. Tem um totem que ela encontra, com uma placa dizendo "O Corvo é um ser místico, que merece respeito, mas jamais confiança" e tipo, eu to achando, que esse é o "poder" de Chloe... ver as coisas, de forma abstrata... e ser guiada por esse corvo... mas tipo, tudo fica mais bizarro no final...


Ela vê Rachel queimando, do lado de fora do carro, com o pai mencionando que ela precisa de uma amiga... e tipo, isso casa com o futuro já conhecido pra quem jogou o primeiro game, com o final desse episódio em particular... eu juro que isso é muito, muito estranho...


Um corvo guia Chloe até um Salgueiro de mais de 450 anos (eu li a plaquinha dele) e tipo, Rachel ta la chorando (foi onde o cara beijou a mina de branco) e ela revela que o cara, era seu pai, e a mina não era sua mãe (ou seja, tava de amante). Ela fica put4 e queima uma foto dela com o pai, quando pequena, e logo em seguida joga num cesto de lixo... e ai... do nada, ela grita e tudo começa a ventar forte...


E ela chuta o cesto, o fogo se alastra imediatamente pelo salgueiro e depois por toda a floresta. Durante o jogo tem algumas placas, jornais e avisos de que ta rolando queimada com facilidade, e cara, ela gera uma queimada, partindo de um salgueiro milenar e inestimável, praticamente um marco turístico da cidade... é algo tão repentino e grave que eu fiquei espantado. E o vento... pode ser apenas coincidência, depois de ter jogado Zelda Breath of The Wild eu descobri que fogo faz ventar, é natural, mas sempre sopra mó vento quando Rachel grita, e ela grita duas vezes... sei la, sabendo do tornado e da tempestade, eu tenho minhas dúvidas quanto ao significado de Rachel nisso tudo.


Talvez, o incêndio foi o verdadeiro estopim do efeito borboleta, e não a morte/vida de Chloe... Como eu disse, esse jogo me surpreendeu, e me fez repensar nas teorias do primeiro jogo. E se as coisas vão além de Max e Chloe?!


O final é semelhante ao do primeiro jogo, com a galera que apareceu vislumbrando um evento incomum, ao longe... dessa vez é o incêndio florestal.


E pela quantidade de fumaça e fogo, eu achei que Rachel e Chloe teriam problemas pra sair dali... mas não, elas saem "tranquilas", tanto que nem é mostrado.


Lembro que no final do primeiro jogo, após todos os personagens olharem pro evento, os "Álbuns Nomeados" apareciam, o que deixava aquele ar misterioso... Mas achei que algo do mesmo tipo não ocorreria... porém...


Depois do pai de Rachel ter o incêndio refletido nos olhos...


A mulher de branco, a misteriosa mulher de branco, a fdm da mulher de branco, aparece fumando um cigarrinho, observando Chloe e Rachel, e rindo! Mano... tinha certeza que ela era o demo!


Enfim, é isso. O jogo terminou pra mim, vou jogar o segundo episódio depois e depois comento. Por hora... é isso. See yah!


Episódio 2

Entre jogos e filmes, acabei jogando o segundo capítulo apenas um bom tempo depois então, fiz o preview. Lembrando que a análise só saiu no blog, quando o jogo ficou completo, mas isso serviu pra adiantar algumas coisas... tanto que to "repostando" do face aqui.


Pelo que vi, existem 4 grandes decisões que movem os episódios, e várias decisões de impacto menor. Por praticidade, acho legal mencionar as grandes decisões e as consequências imediatas...


A primeira grande decisão gira em torno das besteiras que Chloe fez na escola, mas tudo se foca no ultimo incidente, onde ela arrastou a estrela (Rachel Amber) pro buraco com ela. Eu optei por assumir a culpa, mas no meio do diálogo, Rachel começa a puxar a culpa pra ela, e no fim, acabei fazendo Chloe recuperar a culpa e agravar sua punição, pois se isso não fosse feito, Rachel não poderia participar da peça de teatro chamada "A Tempestade" que seria no mesmo dia (era a punição dela). Ao fazer isso e salvar ela, Chloe é expulsa e perde a bolsa de estudos...


Mas a saideira dela é com certeza a mais daora de todas! Ela literalmente deixa claro que não vai voltar pra quele local... pichando o banheiro feminino de forma histórica, e assinando a sentença do pobre segurança roqueiro, que ela despista pra fazer o vandalismo. Ele tinha de escolta-la pra fora da escola.


A segunda grande decisão é sobre esvaziar os bolsos pro bigodudo que ta pegando a mãe de Chloe, ou não. Ao sair da escola ele pede pra garota esvaziar os bolsos e provar que não tem drogas, ou nada a esconder (eu mostrei mesmo!). Isso não se trata do que ela tem a esconder ou não, mas sim do quanto o relacionamento da mãe dela afetará sua vida. Tipo, a privacidade já era, e dai pra frente as coisas só vão piorando. Creio que essa decisão é grande pois abre margem pro cenário do primeiro jogo.


Daí Chloe vai pro ferro velho, prum encontro marcado com Rachel, e la ela encontra mais um carro, dessa vez a caminhonete, aquela mesma que ela dirige no primeiro jogo ao estilo "cavalaria" e ela começa a restaura-la.


Ela chega a dormir dentro do carro parcialmente consertado, e vê seu pai assando marchimelow numa fogueira improvisada em seu carro acidentado, com um corvo se alimentando de seu rosto, e o incêndio florestal ao fundo. Ele filosofa sobre o fogo ser lindo, porém ciumento, e ai Chloe acorda. Isso entra pra lista estranha de visões da possível garota paranormal, e alias, a floresta ainda tava pegando fogo! Ninguém sabe que foi Rachel quem iniciou, mas o negócio não apagou ainda.


Quando ela acorda, rola um momento carinhoso entre Rachel e Chloe, dentro da caminhonete, e ai ambas meio que decidem usa-lo na fuga que planejam, juntas, de Arcadia Bay pro mundo.


No ferro velho ainda ocorre outra coisa importante, pois Chloe marca encontro com aquele traficante chamado Frank, e além do trailer, ele leva aquela mulher de vestido branco estranha, que Chloe vê saindo do trailer antes de falar com Frank. Detalhe: Rachel não viu pois já tinha ido embora.


O encontro com Frank é pra receber a ordem que levará para o próximo grande evento, mas é interessante não só conhecer mais sobre o traficante, mas ver coisas como o cachorrinho recém adotado dele (o mesmo do primeiro jogo, só que ainda filhote). Ou seja: Chloe já tinha estado no trailer antes... mas Rachel e o traficante não tinham a relação descoberta no primeiro jogo... pelo menos não havia nenhum vestígio disso no trailer dele.


Chloe precisa ir pra escola e coletar dinheiro pra Frank, como parte de seu trabalho pra quitar suas dívidas, e no caminho, ela encontra aquele Zelador bizarro do primeiro jogo, que eu jurava que era o vilão mas não era. Detalhe: Ele ainda é bem bizarro. Alias, Chloe usa as chaves dele pra entrar nos dormitórios e pegar o dinheiro de um dos devedores de Frank, o que lembra muito um evento semelhante ocorrido futuramente com Max pra acessar os dormitórios. É tipo, uma situação bem parecida, sendo resolvida por duas pessoas diferentes...


Ah, mas tem também um pouco daquela conversa agressiva de Chloe (tiveram outras oportunidades mas eu achei melhor não usar essas técnicas pra não comprometer alguns diálogos) e infelizmente, é justamente com aquele segurança legal e amigo de Chloe. Ele tenta fazer o trabalho dele mas, no fim, as coisas não terminam tão mal. Ele não se ofende, mas também não cede... tudo se resolve naturalmente (chamam ele pra outro lugar bem na hora) e ai sim, Chloe entra nos dormitórios (mas, ele é demitido).


Ela vai direito pro devedor, pega a grana do quarto dele e ai, ele aparece. E quem era? Aquele jogador de futebol americano, o mesmo que praticou bullying com o Nathan Prescott e Chloe enfrentou. Pois é, ele é irmão do garoto nerd do RPG de mesa, que é amigo de Chloe, e apesar dele ser academicamente seguro (por ser um fod3ndo jogador) ele passa por uma situação tensa, o pai dele vive na rua, o irmão dorme no dormitório dele (apenas os alunos do último ano vivem no campus da escola) e tipo, apesar dele dever grana pra traficantes (ele revendia drogas pros jogadores) ele não era gente má, o que quase me fez falhar na missão de ajuda-lo. Pois é... rouba-lo é a forma pra ajuda-lo!


Pois no meio do roubo, o colega de Frank aparece, espancando o jogador em troca de seu pagament o e tipo, se Chloe não interferisse, o futuro do jogador poderia ter sido comprometido. Alias, ele quebra o pulso do irmão dele (o nerd), o que deixa evidente quais seriam as consequências se o jogador mantivesse o dinheiro escondido (provavelmente ele que quebraria o braço, deixando o esporte e perdendo a bolsa). Alias, "Consequências" é algo constante nesse jogo, o que me deixa mais animado pra analisa-lo, por exemplo, esse traficante só ta putaço e coletando dinheiro com urgência pois seu segundo negócio pegou fogo... literalmente. O incêndio da floresta chegou até seu armazém... então, tudo ta rolando por causa das ações de Rachel e Chloe...


Mas bem, depois desse desastroso evento, o jogador leva seu maninho pro hospital e Chloe vai até os bastidores da peça "A Tempestade" se encontrar com Rachel. La, ela testemunha Victoria tentando dopar sua amiga disfarçadamente, pra assumir o papel principal (ela era a reserva). Mas poxa, Chloe foi expulsa pra manter a atuação de Rachel, nunca que eu permitiria que isso se comprometesse então, fiz Victoria beber do próprio veneno (ela só acaba bebendo o chá drogado e desmaia, depois de ser confrontada). Mas, isso gera consequências...


Ninguém nem liga pra Victoria desmaiada, mas tipo, outras pessoas não puderam participar da peça, como a amiga nerd do garoto nerd que preferiu ir ao hospital dar suporte pra ele, deixando o controle das luzes, cortinas e afins sem um controlador (era sua responsabilidade)... e uma das atrizes, do papel do Corvo, tava atrasada pelo transito ferrado por causa do incêndio florestal, e tipo, não tinha ninguém pra substituí-la, logo... Rachel deu um jeito de Chloe fazer tal papel.


Eu até me esforcei pra usar as falas corretas, mas do nada Rachel improvisa propositalmente, e usa a peça pra entrar num acordo com Chloe: Ambas fugiriam juntas.


Mas a peça foi daora, deu tudo certo, e tipo, no fim, a moça de branco aparece la longe assistindo... o que é muito suspeito.


Chloe e Rachel saem a noite pra comemorar, em plena madrugada, riem, conversam, se beijam. Pois é...


Eu não aguentei, precisava ver se funcionava e funcionou, da pra fazer ambas se beijarem e essa é a última grande decisão. Foi legal... mas... depois do beijo começa a nevar cinzas. Tipo, é uma consequência óbvia e perfeitamente natural por causa do incêndio duradouro da floresta, mas serve pra encerrar a trama ao estilo LiS. Alias, as coisas não acabam aqui, mas eu percebi um padrão: Sempre rola uma conversa que de alguma forma repassa todos os eventos do episódio, e pelo que vi é sempre com Rachel. No primeiro episódio eu fiquei surpreso por ela ter observado as boas ações de Chloe, e novamente, as ações ganham espaço no dialogo final das duas garotas, e eu jurava que tudo terminaria nesse ponto, com as cinzas e tal... mas depois de decidirem fugir naquela mesma noite, Chloe e Rachel vão até a casa dela (depois de se beijarem).


La elas acabam forçadas a participar de um amistoso e familiar jantar, só que Rachel perde o controle e começa a discutir com seu pai, fala toda a verdade e tudo que viu, e é bem tenso. Ela tinha pedido pra Chloe se controlar, e eu até tentei, mas quem perdeu o controle foi justo ela.


Mas mano, rola a revelação que encerra o capítulo, o pai tosco de Rachel diz que a moça de vestido branco é sua verdadeira mãe, do lado da suposta mãe de Rachel, que nem esboça reação (e ela era bem legal).


Dai todos os personagens importantes desse episódio aparecem. começando pelo jogador e a nerd, no hospital, mas o carinha nerd só tinha quebrado o pulso, ele tava de boa. Alias, o jogador chegou a agradecer posteriormente por mensagem de texto à Chloe.


Frank e seu amigo, trocando a grana recebida e riscando o jogador da lista de devedores (Chloe também foi riscada).


Victoria 100% putaça por ter sido cortada da peça.


Os pais de Chloe se pegando no quarto dela. Tipo, eles não se pegam de fato (e o bigodudo é "merdastro") mas, eles se abraçam la, pois Chloe não voltou pra casa ainda.


Nathan Prescott também aparece, indo falar com a garota que ta muito na dele, e provavelmente seria sua primeira vítima (e acabei levando ela pra esse destino ao falar pra ela ajudar Nathan).


E por fim, a moça de branco, no mesmo local onde Rachel e Chloe se beijaram. Ou seja, ao que tudo indica, essa moça esquisita tava só de olho... e agora eu fiquei bem curioso pra entender o que ela realmente era.


E é isso. A legenda travou nas cenas finais e disse "E aquela mulher com certeza não era minha mãe" o que acho que é do preview, ou iria ser, mas bugou.


O preview do episódio 3 só mostra Chloe dizendo "merda!" e correndo pra caminhonete, aparentemente desesperada.


Enfim, agora sim é isso. Alias,eu já sei qual será o formato da análise. Dessa vez eu vou usar as palavras de Chloe na análise, em toda ela... e acho que vai ser legal. Mas irei fazer algo além de "ctrl+v ctrl+c", então, prepare-se pois o texto vai ser daora... alias usei "daora" várias vezes aqui, e ta ficando rosa... não faço ideia do porquê (abandonei essa ideia, pois minhas próprias palavras soaram melhores).


Life is Strange: Before The Storme - Episódio 3: Inferno Vazio, tava sem previsão de lançamento então, foi osso esperar... eu realmente tava empolgado, e ao que tudo indicava, esse game terminaria a narrativa no encontro de Chloe e Max (o que não ocorreu =/). O espaço de tempo até esse evento é longo ainda, mas muita coisa já tinha sido explicada (de onde o Jipe veio e a razão dele ser tão, sucateado; o gorro de Chloe, ela acha um no lixão, e também ganha um de Rachel; o sumiço repentino de Rachel, se Nathan começou pela sua fan, Rachel é a próxima; e por ai vai), daí minha previsão (falha).


Mas foi bom esperar... pelo menos a intro mudou, mostrando a floresta após o incêndio. Imaginei que ocorreria um salto temporal no próximo episódio, mas não...


Episodio 3

Assim que saiu, terminei... então fui resumir pra depois postar! (tinha rimado na frase original) Enfim, terminei o terceiro capítulo, mas até pensei em re-jogar por motivos que explicarei a seguir... vamos la...


Eu tava ansioso pra ver o terceiro capítulo. Muita expectativa pode causar grandes decepções, e apesar de não ter sido o caso, eu também não fiquei tão... animado. Não há nada de sobrenatural nesse desfecho. Apenas da-se a entender que as ações de Rachel foram os reais percursores do Tornado que atinge Arcadia Bay no futuro...


O terceiro capítulo começa onde o primeiro parou, com os pais de Rachel contando a verdade. A moça de branco, se chamava Sera e era a mãe biológica de Rachel.


O pai dela conta toda a história, assistida por Rachel e Chloe (elas imaginam). O cara fala como conheceu Sera, diz que eles eram felizes, mas que depois que Rachel nasceu, Sera passou a se drogar. Daí ele teve de afasta-la pra manter a filha em segurança, e ele o fez, por 15 anos, sem contar a verdade nunca.


O dia do beijo, na verdade era ele se despedindo dela, negando acesso à filha e tal. A esposa atual dele nem ligou pra isso.. mas Rachel ficou bem triste.


Ela ficou confusa por sua vida ser uma mentira, e apesar do que o pai disse (ele disse que Sera nem procurava por ela) ela queria conhecer a mãe verdadeira, e montou um plano com Chloe. Depois disso elas dormiram juntas.


Em sonho, Chloe vê varias pessoas assistindo ela e seu pai, em um "carro de teatro", simulando uma peça. Até o corvo místico ta la assistindo. Esse sonho é curioso pois parece prever o que viria a acontecer, novamente. Chole sai do "carro imaginário" e vai consertar, daí o pai é atropelado e o sonho/pesadelo acaba, com mó poça de sangue no chão (yep, violento).


Chloe acorda, vai pra casa, toma banho, pinta uma mecha do cabelo, e ai vai pro ferro velho. Seu plano era consertar o carro definitivamente, e depois se encontrar com seu traficante pra tentar obter o paradeiro de Sera. Ela liga pro cara inclusive, e ele aceita o encontro.


Perto de sair de casa rola uma conversa com o padrasto, e ele pede desculpas pelas bobagens que fez. Mas também é mostrado que ele de fato ta morando na casa. Eu tentei ser simpático, mas Chloe tem muito desprezo pelo cara, e mesmo ele sendo até que bem legal, contando sua história com seu passado trágico no exército e perda do melhor amigo, Chloe não pega leve. O máximo que consegui foi isso.


Alias, esqueci de mencionar algo que não posso esquecer na postagem (e eu quase esqueci!), que são os momentos de troca de roupa. Esses momentos, Chloe pode selecionar entre várias roupas, algumas especiais, que nada influenciam no jogo, mas as vezes geram comentários ou diálogos extras. Eu escolhi essa, pois a camiseta foi pega na casa de Rachel, só que esse visual num gerou nada novo. Na real, a mecha do cabelo chamou mais a atenção da galera. Essa roupa que Chloe veste é a definitiva, o visual final, onde ela pega coisas da mãe e do pai pra montar seu luque.


Chloe vai pro ferro velho, arruma o carro (e olha que a mecânica nem suja a roupa). É legal ver o quanto esse carro significa pra ela e é importante pra história.


No encontro com os traficantes (Rachel também vai, o plano era descobrir mais da "Sera") surge Frank e o seu colega (aquele que tinha machucado o braço do amigo nerd de Chloe) e tipo, não fica uma situação legal. Ele se recusa a falar de seus clientes, e rola até ameaças. Mas tudo piora quando Rachel é descoberta como filha do Promotor (Chloe chama ela de Rachel e o cara junta as pontas).


Ele esfaqueia ela, no braço e corta uma artéria. O traficante de Chloe segura ele pra evitar que tudo piorasse e Chloe leva ela pro hospital no carro novo (o traficante achava que conseguiria uma vantagem contra o promotor, atacando Rachel e descobrindo algum podre)


La, o tempo passa. Da pra ver bombeiros no hospital, o que reforça o quanto as ações de Rachel influenciam o mundo ao redor. A floresta ainda tava dando problemas e até uma ala do hospital tinha sido reservada só pros bombeiros. Também tem um casal com quem Rachel e Chloe interagiram e roubaram vinho no primeiro episódio, que aparece. 



Eles estavam brigando na primeira vista, mas agora, eles tão la fazendo pré-natal! Se Chloe não tivesse ajudado eles a se reconciliarem, acidentalmente, eles não estariam felizes.


Por opção, decidi em apenas contar a verdade nesse capítulo. Chloe revela tudo  o que aconteceu, sobre o encontro com os traficantes pra conhecer Sera, pro pai de Rachel, e ele é compreensível. A raiva deu lugar à confusão e solidariedade... mas o cara ainda era um merd4 (descobri isso depois).


Chloe visita Rachel, que não tinha desistido do encontro, e recebe um pedido para que invadisse o escritório de seu pai, na casa dela (Rachel diz como ela conseguiria a senha do alarme e as chaves) para encontrar algo sobre Sera, pois ela ainda queria ver a mãe.


Antes alias, Chloe joga uma partida com o amigo nerd (que ficou internado por causa de um bracinho quebrado). É legal...


Ela também encontra o carinha que decidi dar um fora sempre, e dá um fora de novo... tentei ser educada.


Na casa de Rachel, Chloe revira e fuça tudo, acha documentos aos montes, e descobre que na verdade Sera tava desesperada pra conhecer a filha, a anos! Ela mandava cartas, ela entrava em contato, mas o Promotor escondia tudo da filha e esposa. Pra ferrar ainda mais, Chloe descobre que o cara tava em contato constante com o mesmo filha da mãe que esfaqueou Rachel! E ele tinha montado todo um complô pra tirar Sera do jogo.


Chloe descobre isso tudo enquanto conversa com o cara num celular descartável encontrado no escritório do promotor, para descobrir onde Sera estava ou morava, mas ai ela descobre que Sera ta sequestrada, posta numa cadeira, e que o traficante tava quase matando ela, esperando só a grana pra fazer isso.


Ela tenta ir salvar Sera quando descobre que eles estão naquele mesmo local do show no primeiro episódio, o armazém incendiado, mas pouco antes de sair, o carinha dos foras aparece, puto da vida, chama Rachel de falsa, fala que ela é manipuladora, acha que Chloe ta roubando os Amber, e decide atrapalhar... mas ele é tão violento que Chloe tenta chamar a polícia, e no fim aciona o alarme da casa e foge. Eu tentei, juro que tentei fazer ele ficar de boa e entender, mas o cara ficou putaço por ter tomado tantos foras!


No caminho, Chloe conversa com seu pai, acordada! Eu imaginei na hora que ela tinha alguma doença séria, pois ela vê ele ali, de pé... mas isso não influencia nada... aparentemente.


Chloe encontra o traficante quase matando Sera, e decide intervir.


Só que já da pra saber que vai dar merd4. Chloe não é tão destemida ainda... e já chega apanhando. Tentei conversar e esfaquear depois, mas ele derruba a mina no chão e da um monte de chutes... ai já era.


Mas aquele outro traficante (Frank) aparece, com um machucado também no braço, da briga que teve no lixão (ele foi esfaqueado mas ta de boa pois não pegou na artéria), e ai ele luta contra o cara, enquanto Chloe desmaia.


Quando ela acorda, a Sera ta desamarrada, porém drogada (mas até que de boa) pois o traficante tinha injetado coisas nela. Rola uma conversa (eu achei que era alucinação mas não, era ela mesma) e Sera diz que desiste de tentar entrar na vida da filha. E pior, ela diz que Chloe não deveria contar o que ocorreu pra Rachel, para manter o Promotor como o herói paterno que ele precisava ser pra mocinha ser feliz. Ela diz que não merece a filha, e que ta disposta a tal sacrifício pra ela viver bem. Claro que Chloe (e eu) foi totalmente contra toda essa asneira, mas no fim a moça apenas vai embora.


No hospital eu contei tudo. E ai rola gritaria (mas no mudo, só toca música) e Rachel xinga o Promotor e sua mãe de criação pra caramba, ficando só com Chloe. E aí é fim.


É mostrado Frank velando por seu amigo. (ele matou o cara).


O padrasto pedindo a mãe de Chloe em casamento. Ela não curte, mas pelo menos não estraga o momento pra mãe dela.


O carinha dos foras esvazia seu quarto na escola, enraivecido, depois de rasgar uma foto dele com Chloe (tadinho).


O irmão jogador, que tinha se desculpado com Chloe pelo que disse no passado, joga RPG de mesa com os amigos nerds de Chloe.


Nathan Prescott faz sua primeira vítima, a mina que eu ajudei a se relacionar com ele (eu sabia!) ele se aproxima muito dela e bem, o futuro é morte.


Victoria decide entrar pro curso de fotografia, desiste do teatro e tal, e busca por aceitação nesse novo ramo.


Chloe, pra ira do diretor babaca, vai buscar sua amiga Rachel pra cabularem aula juntas.


E ai elas vão pro Farol, conversam, e Sera não aparece. Na real, eu descobri que da pra fazer a mãe de Rachel, aparecer nessa parte. Mas eu cometi um errinho que me privou desse momento... sabe o beijo do segundo episódio? Então, eu deveria ter escolhido pegar a pulseira (era uma das opções pra comprovar a seriedade do acordo de fuga)... ai sim daria certo. 



A pulseira era a única coisa que Sera tinha deixado com a filha, algo que ela usou por anos sem saber o real valor, e que se Sera vê com Chloe, e recebe de presente na cena final de sua conversa drogada, ela opta por encontrar Rachel no fim de tudo, na cena do farol.


Chloe pinta o cabelo completamente, e fica felizona com sua melhor amiga substituta de Maxes.


Leva ela pro ferro velho, monta o "forte" das moças, obriga Rachel a escrever a mensagem na parede (a mesma que Max escreve no futuro)...


Ambas fazem tatuagens e é isso. Aquela tatuagem no braço de Chloe foi por causa da tatuagem na perna de Rachel.


Depois dos créditos, ambas tiram várias fotos felizes...


Essas são as fotos que Max encontra no primeiro jogo, que até gera ciuminho pois ambas eram bem felizes juntas...


Mas pra estragar o momento, o celular de Rachel, com essa foto na chamada de Chloe, ta na 17º chamada perdida, enquanto Rachel ta dopada, ou morta já, sendo fotografada por Nathan na sala de fotos dos Prescott...


Vai ter um episodio extra chamado "Despedida" que talvez explique em detalhes como Rachel e Nathan chegaram a ficar próximos o suficiente pra ela ser capturada e fotografada... mas de resto, é isso. Se bobear já faço acrescento à analise em breve. 


Eu to com 4 postagens em rascunho atualmente, essa é a 5º... mas paciência, logo estarão todas prontas. Eu vou tentar jogar tudo de novo pra pegar o final legalzinho com Rachel encontrando Sera... mas sei la... o que vale é o primeiro, sempre. Se bem que, Chloe no primeiro jogo ta espalhando cartazes de procura-se por Rachel, e tipo, Sera nem passa por sua cabeça... tecnicamente falando, Chloe deveria pensar que Sera sequestrou a filha, ou que Rachel decidiu ir embora atrás de sua mãe, ou com a sua mãe... mas tipo, nah.








Chloe pode prever o futuro sem saber?


Então, preciso mencionar uma parte do jogo, bem icônica e intrigante: A Pichação.



Chloe pode pichar em vários lugares, é como uma opção especial pra curtir, mas tem uma parte da história que só de raiva, ela picha o banheiro feminino inteiro...




Ela tinha sido expulsa mesmo, o único que sofre por isso é o segurança legal, mas o mais interessante é uma parte, em que ela picha perto do alarme de emergência do banheiro...




Ela picha várias frases, e coloca o nome de quem disse em seguida, mas curiosamente, as frases da mãe dela "Haverá consequências - Mãe" e a frase de Max, que é cortada no enquadramento, fazem uma junção bem incomum: "Max, haverão consequências", essas palavras próximas ao alarme fazem alusão ao futuro, afinal, Max salva Chloe exatamente nesse local.





Pode ser só coincidência, provavelmente é... mas que é interessante é. O close da câmera é suspeito de mais.



ATUALIZAÇÃO 12/03/2018


A Despedida (Farewell)


Errei feio na minha previsão, na verdade esse capítulo extra se passa antes de tudo... então bora la.

Esse capítulo se passa bem antes dos eventos do primeiro e do segundo jogo, quando Max e Chloe ainda estavam juntas, especificamente 3 dias antes de Max ir embora. O protagonismo agora retorna pra Max, e o grande conflito é o simples fato de contar ou não pra Chloe que ela irá embora, isso no que seria o última dia de ambas juntas... mas as coisas ficam bem piores...



Max ajuda Chloe a limpar o quarto enquanto se decide se vai dar a noticia da partida ou não... e pra ser sincero eu fiquei preocupado, afinal, conhecendo Chloe (do futuro) sei que ela não é boa com noticias ruins então, tenteis segurar ao máximo. Pior que me surpreendi ao descobrir que esse "não é boa com noticias ruins" seria explicado...




Alias, com Max de volta ao protagonismo, o esquema de viagem temporal não retorna (afinal ela não tinha esse poder na época) mas, da pra tirar fotos, o que me fez pensar logo de cara "E se ela, futuramente, usasse essas fotos pra voltar???"...




Bem, enquanto Chloe pede pra Max encontrar coisas pra ela se livrar e jogar fora, e recusa todas as escolhas que Max faz, uma das escolhas de Chloe chama a atenção de Max, que é sua blusa favorita, só porque é velha e rasgada. Isso não seria tão importante se, não mostrasse um ponto chave da personalidade e conflito de Chloe, mas depois falo disso...





O esquema de sentar e pensar na vida ainda rola, mas não é tão viajante quanto nos capítulos anteriores...



No momento da decisão de contar ou não, eu optei por não contar, pra não estragar o dia. Chloe tava animada pois tinha planos para o resto do dia...




Os planos eram brincar de Piratas, revivendo o passado de quando eram ainda mais jovens, e gravaram uma fita para suas versões do futuro, falando de um tesouro escondido.




Daí, elas começam a caçar o tesouro que esconderam quando crianças, seguindo as pistas que elas mesmas deixaram para suas versões mais velhas.




Alias, junto aos documentos encontrados com a fita, tem um livro feito pra burlar um trabalho de escola, em que Max conta uma história interativa, ao estilo LiS, mas de uma forma simples, em que se lê um texto, e dependendo da escolha, você avança pra uma página específica. Da pra trapacear lendo todas as páginas, mas, lendo na ordem é divertido.




O menu agora é o mapa das piratas, que ilustra a casa de Chloe. Alias, a casa dela agora é melhor explorada, com alguns cômodos que antes, tanto no primeiro quando nesse jogo, ainda não tinha sido nem se quer vistos, sendo abertos pra investigação.




Max já começa indo atrás de um "Amuleto Pirata" para rastrear o tesouro, que estava no porão, a "Caverna Sombria". Sempre quis saber o que tinha atrás dessa porta.





La, ela encontra o amuleto, e também o set de pirata de sua eu mais jovem. É opcional equipa-lo, mas eu equipei.



Curiosamente, Chloe também tinha equipado o set dela, e ambas viram piratas completas novamente, com direito a navio e tudo mais. O navio pirata delas era o parquinho, um balanço e gangorra no quintal da casa dela.




Usando o amuleto, com desenhos mapeando a casa, surge a localização exata do tesouro... só é preciso encontrar a posição correta.




Depois Chloe precisa se localizar. É engraçado pois ocorre aquele momento de "sua direita ou minha direita" e no final a Max apenas aponta pro local e pronto.





Dai elas cavam, e sei la... me lembrei da Rachel...




Mas elas não encontram o que tinham enterrado quando crianças. Elas encontram uma Capsula do Tempo.


Sem saber o que era, elas ficam espantadas, e o jogo começa a ficar bem misterioso... mas não era nada de mais...



O pai de Chloe, entrando na brincadeira como um Pirata, pegou o que elas enterraram e colocou numa Capsula do Tempo para proteger melhor. Elas tinha colocado numa lancheira e isso deterioraria com o tempo. Ele ainda deixou uma fita pra elas...




Na fita ele diz que sente muito orgulho delas, fala que fez isso para proteger o tesouro e também, faz uma piada sobre o mais importante na vida ser uma boa faculdade. Mas na boa... escorreu uma lágrima... pois ele fala isso quase como se fosse uma despedida, com seriedade e numa mensagem tocante... e pior... é que realmente era...




Depois de ver o conteúdo da Cápsula do Tempo, um monte de tranqueiras infantis, cartas, brinquedos e fotos, e ficarem um tempo juntas...





Surge a opção de contar ou não, novamente, sobre a partida de Max pra Seatle.



Eu até fiz backup do save com medo do resultado, e como essa era provavelmente a última oportunidade, pois os pais de Chloe estavam pra voltar, eu decidi contar, e pra minha surpresa, Chloe já sabia.




E foi super atenciosa, diferente de tudo o que eu esperaria da Chloe do futuro... ela deu suporte a Max, disse que elas ficariam juntas sempre e superariam isso, e tipo, seriam sempre Max e Chloe... e ai...




A mãe de Chloe chega do acidente. Era o maldito dia, em que o pai dela tinha ido busca a esposa no mercado e bateu o carro...





Chloe entra em choque...


Max entra em choque...




3 dias depois, rola o velório, Max vai prestar condolências... mas é o mesmo dia de sua partida...



Ela é obrigada a ir embora com a família pra outra cidade, deixando a melhor amiga sozinha logo após ela perder o pai... mano... eu não sabia que tinha acontecido tudo ao mesmo tempo... não dessa forma... e eu chorei pra caramba.




Chloe vai pra casa desolada, sua mãe também, e ambas já começam a se afastar. A vida tinha mudado pras duas... e agora pra variar Max nem tava la.




Max a fotografa deixou uma mensagem gravada no toca fitas, pedindo desculpas, se despedindo e dando pêsames pra amiga... e também, declarando seu amor por ela... Chloe chora pra caramba com isso.





E termina abraçada com o toca fitas.



E é isso. Curiosamente, da pra entender a razão de Chloe ter se tornado tão, péssima pra noticias, considerando que sua vida desandou da noite pro dia em questão de segundos, e tipo, ela tava passando por momentos tensos. Lembra da camiseta? Então, ela jogou fora pois na escola, Blackweel que ela tinha sido aceita, ela tava sofrendo bullying por ser pobre, e se sentia sozinha, sem a Max junto (Max era 1 ano mais nova e não tava no colégio ainda) e ainda assim, ela tava se esforçando pra se manter bem, manter suas notas e tal, e daí, bum, tudo vira uma merd4. 





Eu chorei cara, muito.... e olha que esse episódio é bem curto, mas é emotivo...

E bem, é isso.

O que achou? Curtiu? Se sim, comenta, se não, comenta também. Eu amo comentários, e farei questão de responder.

Futuramente, talvez eu faça mudanças nessa análise, adicione coisas, como o episódio extra, mas por hora, deu.

Agradeço muito por sua leitura, ainda mais se comentar, mas de qualquer forma, obrigado.

E see yah!

12 comentários:

  1. Cara, vc foi minha inspiração para criar meu blog, porque eu vi o seu e vi que um blog bem simples pode ter um ótimo conteúdo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Green Man, te desejo boa sorte! E tipo, se quiser, e puder, me manda seu link e banner. Farei questão de ler seu conteúdo e se for legal, eu coloco como um dos parceiros, se quiser é claro (num rola nada, só fica seu banner pros leitores acessarem e conhecerem na parte de baixo do blog).

      E, obrigado por comentar, justamente aqui... eu tava esperando ansioso por um feedback dessa analise pra continuar... vou pra próxima agora.

      Obrigado, e bem vindo ao DM.

      Excluir
  2. Cara, vc é foda, comecei meu blog agora. Leio seu blog algum tempo,encontrei quando eu procurava uma análise completa dos jogos de silent

    https://thegreennman.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio sr Green.

      Snuff... um tema bem tenso hein... começou bem com seu blog, eu curti.

      Repito, boa sorte sr, e vou acompanha-lo de perto.

      See yah!

      Excluir
  3. Eu amo o seu blog,tô viciado, pelamor posta algo novo logo n tô mais aguentando esperar, todo dia eu entro e n tem nada novo kkkkkkkkkk, tem algum trabalho parecido com o seu pra me recomendar?🙂

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Jose, obrigado por curtir e pela paciência, peço perdão pela demora, esse mês ta meio complicado, pois dediquei ele à pesquisas. O próximo post, que sai amanhã, está riquíssimo e tipo, eu meio que me deixei levar na digitação.

      Mas, não se preocupe, Fevereiro foi fraco pacas por causa desse artigo, mas março já tem inúmeros trabalhos programados. Pra não passar batido vou publicar algo hoje, e amanhã trarei o grande artigo que eu to realmente empolgado.

      Ah, sobre sites e trabalhos parecidos... vou dar uma pesquisada mas eu não me recordo de nada... mas paciência que em breve vai ter muita coisa nova no blog.

      Repito, vlw pela parceria e pela paciência sr, e sempre seja bem vindo ao DM...

      Desculpe pela demora... rs...

      Excluir
    2. 😍😍😍 tô muito ancioso para essas novas postagens kkkk

      Excluir
    3. Acabei de publicar uma, sobre filme, simples só pra quebrar o gelo. Mas, depois da próxima que será sobre Assassin's Creed, eu vou publicar uam sobre um jogo indie de terror psicológico que me deixou perplexo, e uma sobre Brutal Legends! To jogando Chrono Trigger ainda então a dele pode demorar, mas nesse meio tempo vão ter muitos posts. Garanto que trarei o máximo em Março.

      Vlw mesmo sr Jose e, sua cobrança me fez empolgar aqui rs... estou agilizando meu trabalho agora.

      Excluir
    4. Vlw cara, seu blog faz meus dias mais interessantes kkkkkk, tô ancioso pra todas essas novas publicações

      Excluir
    5. Repito que seu comentário me animou. Estou revisando o texto de AC, assim que eu chegar em casa irei colocar as últimas imagens e publicar. Hoje a noite tem leitura rs.

      Alias, obrigado sr... tipo, é importante pacas ver que meu trabalho é tão bem recebido. Quero ver o que vai achar do próximo texto...

      Excluir
    6. Só to esperando ele sair kkkkkk, mas tenho certeza que vou gostar muito

      Excluir
    7. To me esforçando pra deixar pelo menos completa.

      Excluir

Seguidores do Google+