PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 19 de julho de 2017

AnáliseMorte: Prince of Persia - The Sands of Time - Tudo Sobre o Jogo.

Esse é um dos primeiros jogos de uma bela e reconhecida franquia, da qual aguardo muito tempo pra falar.

Prince of Persia - The Sands of Time


Tecnicamente, ele não é o primeiro da franquia, mas sim da trilogia, mas eu considero-o como o começo do arco principal, que mais destacou a mesma.

Pronto pra leitura?

Spoilers.

Boa leitura!



PoP - Sands of Time (Areias do Tempo) é um jogo originalmente lançado pra PS2 em 2003, e depois portado pros demais consoles da época, incluindo PC. No caso, a versão da qual falarei é a de PC, mas nada mudou em termos de jogabilidade ou enrendo, e o jogo é o mesmo indiferente de sua plataforma (exceto a versão de GBA que é adaptada pro portátil).

Trata-se de uma história onde um império da Pérsia conquista e escraviza um império da Índia, e por conta disso, acabam profanando algo da cultura dos indianos, e causam a própria devastação.

Brinca, se a analise terminasse aqui eu teria feito pela primeira vez, um trabalho sem spoilers... mas nah, eu preciso ir até o fim: Um cara pega uma adaga do tempo do império da Índia e a usa numa ampulheta do tempo amaldiçoada e ai, todo mundo vira monstro, menos ele, uma mina e um vilão. No fim, nada do que aconteceu realmente aconteceu, e é tudo uma história. 

Ainda ta difícil de entender... mas nem grila, até o fim garanto que você compreenderá perfeitamente toda a narrativa de Prince of Persia - Sands of Time.


Começando por... vejamos... cultura! 

Mitologia e Guerra
A base da história Hindu-Persa

PoP usa como base a mitologia hindu (indiana) misturada com a mitologia grega. É uma mistura um tanto bizarra a primeira vista, mas da pra relevar. É como se houvesse uma nova mitologia, partindo da ideia de que uma termina onde outra começa. Se bem que, o hinduísmo é algo tão amplo, tão ramificado e tão cheio de crenças e interpretações que, a lenda mostrada em PoP pode até fazer parte do panteão hindu de verdade...

Resumidamente, o hinduísmo é uma religião mista e muito antiga, influenciada ao longo dos séculos por outras religiões e culturas que de alguma forma passaram pela Índia, seja pelas várias colonizações e invasões que o país teve, ou simplesmente pela devoção compartilhada e adaptada entre estrangeiros e nativos. Isso, junto a já vasta, criativa e livre crença indiana, resultou em uma multi-religião repleta de adversidades. 

Mas, apesar do hinduísmo ser tão amplo em crenças, tudo parte de dogmas étnicos, ou seja, tudo gira em torno e se adapta à cultura e tradições indianas, no final das contas. Alias, apesar do hinduísmo ser tecnicamente politeísta, ele se foca em 3 deuses principais: Brahma (Criador),Vishnu (Preservador) e Shiva (Destruidor), e os demais deuses são personificações diferentes desses deuses centrais.



Com a variação de crenças, e entidades (demônios, anjos, deuses, etc) a ideia de que tudo não passa de personificações diferentes dos 3 deuses principais, é o melhor arranjo pra conectar todas as histórias em um mesmo plano (histórias estas que oscilam entre filosofia, misticismo, violência, crueldade e até insanidade). Além do mais, o hinduísmo em si é uma religião focada puramente no espírito universal e formas tradicionais de reverencia-lo. Alias, os 3 deuses são como uma personificação multifacetada de uma mesma entidade: A Energia Universal, ou simplesmente, "Deus", o que torna o hinduísmo uma religião potencialmente monoteísta, mesmo sendo politeísta... doidera né?! 


Sabe "Carma" (Reação provocada pelo universo às ações geradas pelo indivíduo)?  É um dos segmentos principais da crença hinduísta, que aborda também o "Darma" (Vida religiosa praticada), "Samsara" (Ciclo de Vida, Morte e Reencarnação), "Moksha" (Encerramento do Samsara, ou seja, morte permanente e assunção espiritual) e por fim, "Ioga" (Ginastiquinha).


Creio que já falei do necessário (acho que acabei indo longe de mais nas pesquisas, mas beleza) e o hinduísmo é apenas um dos lados da mitologia de PoP, afinal também há o lado da Pérsia.


Pro lado persa da história, o que se destaca nesse primeiro jogo é o considerado título de "Conquistadores" que os mesmos receberam. Eles tiveram três grandes períodos de conquistas em que invadiram e dominaram boa parte da ásia-central. Os Persas alias, eram um conjunto de diferentes culturas e povos, ligados por seus ancestrais iranianos, que juntos, expandiram seu território e império.


Pesquise por "Batalha das Termópilas" e descobrirá que a guerra do filme "300" existiu e os Persas tiveram bastante haver com isso.
Teve o período Aquemênida (550 A.C. à 330 A.C... os períodos são demarcados de forma regressiva até o D.C.... eu acho isso mó doido), onde os Persas dominaram geral mas na hora de peitar a Grécia não deram conta (chegaram até a conquistar umas terras por la, mas não deu não), surgiu Alexandre, o Grande, que era um grande conquistador da Macedônia (uma das maiores regiões da Grécia) e desbancou os Persas e seus exércitos, que perderam boa parte de seus territórios.




Teve o período Parto (70 A.C. à 217 D.C.), onde tribos persas guiadas por Partos conseguiram reconquistar boa parte do território perdido, após várias e várias batalhas travadas contra o império Selêucida (sucessor do império de Alexandre), e se aproveitando das investidas do império Romano e Egípcio, que acabaram com os Selêucidas, os Partos simplesmente herdaram os territórios e aí, foi uma conquista na base da esperteza pros Persas.


Por fim, teve o período Sassânida (217 D.C. à 651 D.C.) onde um império Persa (Sassânida) surgiu de dentro do outro império Persa (Partos) e ai se expandiu, dominando bem mais que os impérios anteriores, chegando ao Egito e expandindo seu território na Índia por exemplo. No fim, os caras caíram pros Muçulmanos e ai foi fim dos Persas.


Tudo isso foi só pra exemplificar e explicar um pouquinho do que ocorria dentro do período histórico do game, mediante a cultura dos dois povos mostrados nele. (E na real isso foi uma válvula de escape pra aprender um pouco sobre os Persas e a Índia, algo que sempre fui curioso pacas pra conhecer)



Curiosidade: Sabia que o termo "hinduísmo" nasceu de uma palavra Persa? "Indu" era o nome dado pelos Persas antigos ao rio que separava o território deles e o indiano. "Hindu" significa "Aquele que vive do outro lado do Indu" sendo posteriormente adotado como o título da religião indiana contemporânea. 

Certo, certo. Considerando que agora já expliquei tudo o que achava necessário sobre o background narrativo de PoP, bora falar dos artefatos místicos sobre o qual o jogo gira em torno:

A Ampulheta do Tempo e a Adaga do Tempo




Ambos são itens saqueados de um templo indiano durante a conquista dos Persas, a Ampulheta doTempo sendo um artefato mistificado, o qual trazia dentro de si as Areias do Tempo. 



A adaga por outro lado era uma arma com "refil de areia" na empunhadura, tida como a portadora das Areias do Tempo. Mas, ampulheta e adaga jamais poderiam ser postas juntas, pois isso liberaria as Areias do Tempo e assim, todo o mal.



Essa lenda é tecnicamente contada pela primeira vez dentro de um dos corredores pelo qual o saqueador (também o protagonista) passa pra chegar aos tesouros, durante a invasão persa. O que é contado (na verdade, mostrado através de quadros ao longo corredor) é a história da criação da adaga, ampulheta e a origem da areia do tempo, o que por si só já deixa claro o quão perigosa a areia era. E ai vem a parte da mistura de mitologias que mencionei la no começo:

Quadros

Uranus, Gaia e a Concepção dos Titãs


No primeiro quadro vemos um demônio azul, com chifres, aura de fogo azul, segurando uma bola com pequenas entidades (da pra ver um demônio vermelho nitidamente), nos braços de uma moça com aspectos indianos e asas demoníacas. Essa descrição é uma interpretação sob arte hindu de Uranos (Deus dos Céus, ou o próprio céu, da mitologia Grega) junto com Gaia (Mãe-Terra, a deusa da terra, ou a própria terra, também tida como a Titã da Terra, tudo isso na mitologia Grega) na concepção dos Titãs, seus filhos. Detalhe: Urano é filho de Gaia... mas também é seu parceiro. 



Ai vem a interpretação hindu: Mediante as entidades existentes, Gaia e Uranos não se enquadram como personificações dos deuses, logo, são demônios. A aura presente na cabeça de Uranos, representada por fogo, provavelmente simboliza a previsão que (perdoe a analogia mas na boa, acho que é isso) esquentou sua cachola: Um de seus filhos o destronaria e tomaria seu lugar. O filho em questão é o bebezinho vermelho chifrudo da bola.

Chronus matando Uranus


O quadro mostra um demônio vermelho de chifres negros, uma aura azul e uma foice ensanguentada na mão, com o demônio azul morto, e a moça indiana com asas ao fundo aparentemente espantada. Essa cena é uma interpretação hindu de Chronus (Titã do Tempo e também, deus do tempo, primeiro filho de Uranus e Gaia, da mitologia Grega, sendo aquele que destronaria o pai) dando vida à visão de Uranus. Num ligeiro desvio poético, ao invés de castrar seu pai, Chronus perfura seu coração.



A aura de fogo em sua cabeça também parece representar a visão profética, onde um de seus filhos acabaria por destrona-lo também.

Chronus devorando os filhos de Rhea


A imagem mostra o demônio vermelho devorando uma pessoa, com uma moça jogada aos seus pés em prantos. Ao fundo da pra ver um demônio de toga, escondido atrás de uma árvore. 



Essa cena é a representação hindu de Chronus devorando seus filhos, com Rhea (sua irmã e parceira nessa procriação... alias... se ele sabia que seria destronado por um de seus filhos, qual o sentido de ter os tais filhos???). O demônio de toga ao fundo representa Zeus (deus grego dos trovões, e senhor dos demais deuses da mitologia Grega), sendo o único filho não devorado por Chronus

Zeus lutando contra Chronus


No quadro vemos os dois demônios, o vermelho e o de toga, lutando nos céus. 




Essa é uma representação de Zeus enfrentando Chronus. Repare que Zeus surge como um demônio, azul e com chifres parecido com seu avô... e tio... (pensa comigo, se Uranus era esposo e filho de Gaia, e pai de Chronus, ele também era irmão de Chronus, afinal ele era filho de Gaia. Logo, ele é tanto avô de Zeus, quanto tio de Zeus... vish). Mas repare também que suas vestimentas são num estilo grego (toga branca com ornamentos dourados nas pernas e tornozelos). E bem, a forma demoníaca se deve ao fato de não serem personificações divinas dentro da mitologia hindu. 

Zeus, o corpo de Chronus e as Areias



Nesse quadro é mostrado o demônio azul chifrudo extraindo areia das entranhas do demônio vermelho, passando-as pra uma ampulheta.



Na mitologia grega, Zeus não chega a matar Chronus, e sim exila-lo. Com isso, o poder do tempo (imortalidade) passa pros deuses (alias, Zeus consegue tirar seus irmãos do estômago de Chronus ao estilo Chapeuzinho Vermelho... ou quase... ele vomita geral.). Na representação hindu, Zeus não só mata seu pai, como também estripa ele e retira as areias do tempo de dentro do deus do tempo e as transfere pra ampulheta do tempo. Repare que no caminho até a ampulheta, tem uma mancha centralizada na rachadura da arte, seria isto uma adaga, usada pra abrir o estômago de Chronus, a qual se converteu na Adaga do Tempo.

Kaali, a deusa hindu do Tempo




Por fim, tem o quadro com uma figura feminina azul de quatro braços, com a língua de fora, um cinto de cabeças penduradas pelos cabelos, uma espada em uma mão, uma cabeça de demônio azul com chifres brancos na outra, e uma ampulheta acima da cabeça.

Esta é Kaali, ou Kali, a deusa do tempo, entre outras coisas. Kali seria a esposa de Shiva (deus da destruição central) ou apenas uma ramificação dele (uma de suas personificações, neste caso como a destruição do mal). No quadro ela esta praticamente idêntica a suas muitas representações artísticas, onde as vezes enfiam mais uns braços nela, ou colocam um cinturão de braços como saia. Na verdade há muitas descrições com detalhes a mais, mas no geral, é assim que ela é. Alias, também é dito que ela dança acima do corpo de Shiva (que fica de boa com tal...). 



Agora vem a parte interessante: Kali foi a única deusa que conseguiu eliminar um terrível demônio, que pra cada gota de seu sangue, dava vida a um novo demônio. A solução que ela encontrou foi lamber as gotas de sangue das cabeças decapitadas. Por isso ela aparece com várias cabeças como acessórios e uma em especial pendurada em suas mãos, e claro, a enorme língua pra fora.

Repare que a cabeça pendurada é azul com chifres brancos... lembrando um pouco a cabeça do demônio Zeus das outras artes. Claro, há cabelo (e ele aparece careca anteriormente) e várias rugas, além de uma face bem mais diabólica (lembra até um ogro). Na minha interpretação, Kali matou Zeus quando este estava mais velho (daí a cabeleira e rugas) e tomou posse da Ampulheta do Tempo com as areias de Chronus.

Doido né? 

Então, isso é tudo. 

Obrigado pela leitura e até a próx... pera... caramba nem falei do jogo ainda! 

Bora pro jogo...


Jogabilidade

Prince of Persia é um jogo no estilo Aventura e Ação, feito pela Ubisoft, com uma mistura de pseudo-hack&slash (pseudo pois é um estilo de jogo mais voltado pra ataque e contra-ataque com espadas, sem necessidade de combar), Parkour com Escaladas e uma pitada de Viagem no Tempo. Na verdade, a característica temporal é um grande diferencial no game, pois é justamente isso que deixa tudo mais, interessante.



O jogo é em terceira pessoa, mas é possível colocar a câmera em primeira pessoa pra observar a paisagem, ou ter uma visão panorâmica fixa. 



Dependendo da situação, um modo de câmera se sobressai melhor do que o outro, porém o padrão mesmo é em terceira pessoa.



A trilha sonora é meio ausente, costuma tocar em momentos de luta, e é uma mistura de música árabe com rock, com uma guitarra ao fundo, mas nada muito estrondoso. 



Inicialmente, o parkour é o grande destaque, com o personagem escalando, pulando de um lado pro outro, correndo nas paredes, se equilibrando. 




É um verdadeiro praticante da arte de bancar o ninja suburbano.




E as vezes banca o ginasta se pendurando e balançando...



Seus movimentos padrões consistem em andar, pular, puxar, empurrar e quebrar objetos, e praticar seu parkour quando bem entender...



Desde que não tenha água no solo, pois o cara escorrega fácil se tiver um tiquinho encharcado. 



Falando de água, o personagem regenera sua vitalidade ao beber água, seja de fontes, pias, e até do chão mesmo (sede é fogo... detalhe que sempre que você vê ele bebendo, da vontade de beber também! Não sei se sou só eu, mas eu bebi litros de água ao jogar).



Existe a possibilidade de aumentar a barra de energia, encontrando umas fontes sagradas secretas. Elas desaparecem após entrar, e ocorre um tipo de possessão estranha quando o protagonista toma da fonte... depois falo melhor disso.



Na hora de lutar, ele parte pra uma esgrima de ataques diretos e rodopiantes, facilmente combinada ao parkour e saltos, como por exemplo o pulo por cima dos inimigos, seguido de um corte pelas costas.

Da pra defender e contra-atacar dando uma investida rápida no momento que atacam (tem que ser no time certo).

E da pra pular na parede e fazer uma investida que derruba a maioria dos inimigos de uma vez só. Todo o inimigo no chão pode ser finalizado com a adaga.



Todos estes movimentos são fáceis de reproduzir, apenas usando combinações com o botão de pulo (no pc, o Space) e de ataque (no pc, botão esquerdo do mouse). Mas, quando a adaga do tempo é conquistada (logo no comecinho) as coisas ficam ligeiramente mais complexas, pois ai surge a possibilidade de atacar com duas armas, e manipular o tempo.

O personagem passa a desenvolver habilidades especiais conforme progride, como o poder de paralisar os inimigos (transformando-os em "estátuas de areia" temporariamente, ao custo de uma "Barra Temporal" representada por uma barrinha branca ao lado das "Bolas Temporais")



O poder de desacelerar o tempo (mas consequentemente desacelerando o personagem também... isso é bom pra fazer movimentos mais precisos, e também consome uma "Barra Temporal" e dura pelo tempo que o círculo de estamina permanecer verde)...



Acelerar o tempo enquanto paralisa os inimigos (é um especial difícil de fazer, pois precisa estar com as barras temporais completas e os círculos temporais também completos, além de durar com base no círculo de estamina, que fica esverdeado).



E finalizar os inimigos usando a adaga temporal, pra absorver a areia do tempo deles. 



Essa areia absorvida é que preenche as "Bolas Temporais", que ficam na empunhadura da adaga (que podem ter a capacidade máxima aumentada conforme um tipo de "energia do tempo" é recolhida).



Além disso, tem uma barra temporal pra cada bola temporal completa, e essa barra é consumida ao se usar habilidades, e preenchida ao recolher areia dos inimigos nas finalizações, caso as bolas já estejam completas (cada 2 inimigos preenchem uma barrinha, que é totalmente gasta a cada especial simples).




Mas tudo isso é bobeira perto do poder mais forte da adaga: Reverter o Tempo. 


É possível voltar no tempo ao custo de uma "Bola do Tempo", desde que haja estamina suficiente pra isso. Na verdade, há um círculo de estamina que determina a quantidade de tempo que da pra reverter. Só que essa mesma barrinha de estamina é consumida no caso de se usar um ataque especial da adaga (gastando não só a Barra Temporal, mas ela é zerada também). 


Esse círculo de estamina se regenera sozinho com o tempo, mas se por alguma razão o jogador usar um especial da adaga e morrer logo em seguida, é impossível reverter pra antes da morte pois o círculo é zerado (e ai é game-over). Após uma morte também há uma tolerância de tempo pra que a ocasião seja revertida, o que causa o consumo do círculo de estamina e ai, é game-over também. 



No caso de game-over, a história volta do último ponto salvo, afinal não foi assim que a história aconteceu, e sim, tudo não passa de um conto.




Tudo não passa do personagem principal narrando o que houve pra mocinha da história. Tudo o que acontece, faz parte da narrativa e ele o tempo inteiro comenta sobre os eventos, além de dizer coisas como "Não, não, não, não foi assim que aconteceu..." quando da game-over, ou dizendo "Certo, começarei a história daqui na próxima vez." quando o jogador grava o jogo. 



Detalhe: Gravações só podem ser feitas em pilares de areia que surgem hora ou outra, os quais também geram umas visões do futuro pro protagonista, visões estas que são um baita de um spoiler, mostrando soluções pra puzzles e enigmas futuros, e também, mostrando partes da história.




Então, se parar pra pensar, apesar de controlarmos os movimentos do personagem e interagirmos por ele, estamos praticamente controlando a imaginação da moça pra quem o protagonista está contando sua história... ou as memórias dele. Enfim, o que importa é que tudo o que é dito é plenamente confiável, afinal ele afirma isso dizendo "O que to contando é verdade verdadeira!".

Eu queria ter isso por escrito só que lamentavelmente, o jogo não tem legendas! É tudo narrado, e as vezes as conversas são longe da câmera e ficam baixíssimas. Além de ser tudo em inglês, com um sotaque britânico com israelita. É meio complicado de entender viu, tanto que to escrevendo isso às pressas pra não esquecer o enredo... rs...

Alias, preciso falar dos personagens antes que me esqueça o que eles disseram, ou quem eles eram...

Personagens

O Príncipe da Pérsia
Kakolukia


O protagonista, é o Príncipe da Pérsia, de nome não revelado, mas que faz uma piada no final do jogo com seu nome sendo essa palavra esquisita do título então, resolvi chama-lo assim mesmo.



Então, ele é um príncipe bem articulado e cheio de peripécias, que toma a frente nas batalhas e prefere agir sozinho, e por conta própria, escalando, chegando onde os outros soldados não conseguem chegar, e mandando ver nos ataques surpresas.



"Prince" (significa "Príncipe" em inglês, mas por necessidade, é a forma como os fans costumam chama-lo) participa da invasão persa ao lado de seu pai, à um templo Indiano, e ele quem encontra a Ampulheta e a Adaga do Tempo. Ele recolhe a adaga e até oferece ao seu pai, mas o mesmo deixa para ele como sua conquista. Depois disso ele enfia a adaga na Ampulheta do Tempo e ai, da ruim.



Em sua história, ele é praticamente um vilão, que escraviza um povo indiano, saqueia seus tesouros, rindo atoa, e no fim ainda liberta uma legião de demônios sobre a terra. 



Depois disso ele decide ser bonzinho, em uma jornada estranhamente confusa em que ele simplesmente persegue uma das escravas, com a adaga do tempo nas mãos (acho que inicialmente ele queria esfaqueá-la) e no fim, acaba se apaixonando por ela, é enganado por ela, flechado por ela, seduzido por ela (rola uns momentos inapropriados pra menores em uma fonte e outra ainda pior no escurinho), e bem, ela morre. 


Com a morte dela, o príncipe se vinga, rebobinando o tempo.

A pessoa pra quem a história está sendo contada é justamente essa moça...

Farah
A Princesa da Índia



Essa moça é uma princesa da índia, pelo que da pra se entender. Seu reino acaba sendo conquistado, dominado, saqueado e escravizado pelos malditos persas, mas ela fica preocupada mesmo não é nem com o fato de ter sido escravizada, mas com o fato deles estarem brincando com as Areias do Tempo.



A Ampulheta do Tempo carregava em si as areias do tempo, e as areias eram a personificação de um maligno demônio. 



Enquanto as areias se mantivessem trancadas na ampulheta, tudo correria bem, mas a princesa acaba testemunhando a liberação delas, e após escapar, ela tenta desfazer a burrice dos persas, e é ai que seu encontro com "Prince" ocorre.



Ele estava com a Adaga do Tempo, e ela era a chave da ampulheta. Ela quem havia liberado as areias, e só ela podia reverter isso. Farah convence o príncipe a ajuda-la, e ambos lutam, lado a lado, pra chegar até a ampulheta e desfazer o mal.



Farah é arqueira, e ela acompanha o protagonista boa parte do jogo. Apesar dela não ser parkouseira, ela tem uns pulos enormes e passa por certos obstáculos assim. Ela também tem um corpo magro e esbelto, o que a permite entrar facilmente em rachaduras e assim, abrir portões pro príncipe.



Ela da suporte nas lutas, mas ela pode acertar o protagonista, o que rende um sonoro "Foi mal!"... Mas em contrapartida também da pra ataca-la, o que pode gerar um contra-ataque se forem ataques de mais.



Ela sofre dano, e se ela morrer, é game-over. Sua energia vital é representada por um arco vermelho que aparece quando ela sofre dano, no canto direito da tela.



E bem, é isso. Farah é a primeira a demonstrar interesse amoroso pelo príncipe, chamando ele de "meu amor" numa estranha e desconcertante cena, em que ele desmaia por conta de um dos pilares de areia, e acorda do lado dela. É algo meio forçado, e a interação de ambos não é tão grande até aquele momento o que torna tudo muito artificial. Como ela disfarça em seguida, fica claro que ela disse aquilo de verdade, e não pra tentar seduzir e tapear o príncipe... mas repito que tudo ocorre rápido de mais, e eles passaram no máximo 1 dia juntos... isso pela narração do príncipe é claro.



Como é uma história contada, é de se esperar que ele tenha pulado partes ou se esquecido de alguns eventos, o que contribuiu pra agilidade da relação. Fato é que desde o primeiro pilar de areia, Farah demonstra preocupação com o Príncipe, pedindo pra ele tomar cuidado e tal. Provavelmente por acreditar que as areias são malignas (também pudera, vieram das tripas de um demônio em sua crença).



Mas depois ela se acostuma e para de se preocupar, ao mesmo tempo que começa a se importar mais com as peripécias do príncipe, se assustando quando ele se pendura, pula ou cai.

A palavra "Kakolukia" é ensinada pela princesa ao príncipe, num momento que eles tão presos no escurinho e o Príncipe fica com medinho. Ela diz que sua mãe lhe ensinou essa "palavra mágica" pra protegê-la em momentos tensos e revelar as saídas pra ela. O príncipe zomba, dizendo que é a coisa mais infantil que ele já ouviu... mas no fim ele usa isso pra deixar a princesa boquiaberta.




Obs.: Farah carrega consigo um amuleto reluzente que é focado as vezes, mas não é mencionado ou explicado. 


Ao que parece, o que a protege da maldição da areia é justamente esse acessório.

Rei da Persia
Sharaman



Esse cara é o pai do príncipe, que o apoia em suas loucuras parkounescas, o respeita e confia.



O rei deixa o príncipe ficar com a adaga sem fazer a menor cerimônia, mesmo com um certo cara exigindo e declarando a importância da mesma. 



Então, o rei leva a Ampulheta do Tempo e a da de presente pra um outro rei, em meio a passagem pelo império aliado dele. Mas ai, na hora que o tal rei pede pra ver as areias de perto e toca-las, orientado pelo "certo cara", o Príncipe coloca a adaga na base e ai, todo mundo vira monstro.



O Rei é o primeiro chefão enfrentado do jogo, e apesar de não ser forte, é meio tocante ver o filho forçado a matar o próprio pai, este estando completamente possuído e transformado pelas areias.



Por sorte tudo se desfaz no fim... com o "certo cara" sendo desmascarado.

Feiticeiro (Vizir)
"certo cara"


Esse maldito é um esquisito que não só traiu a Princesa da Índia como o Rei da Pérsia. 



Ele era vizir do maraja da Índia, pai da princesa, e traiu ele ajudando os Persas na invasão e roubo dos artefatos do tempo. Seu objetivo com isso era simples: Pegar a imortalidade para si (ele tava morrendo, chega a ter uma crise de tuberculose).



Mas o Príncipe entrou no meio e deu tudo errado pra ele, então ele resolveu enganar o rei também, fazendo o príncipe liberar as areias e amaldiçoar todo mundo. 




Curiosamente, o próprio Príncipe não caiu na maldição das areias (por conta da adaga que o protegeu). 

A princesa também não caiu (protegida pelo amuleto que carregava) e ai... o feiticeiro tentou manipular a situação e tomar o controle sobre as criaturas, a ampulheta e tomar a adaga à força.



Mas no fim, o príncipe tranca a ampulheta, volta no tempo, e conta pra princesa os planos do vizir.

O Sultão




Esse cara é o tal presenteado com a Ampulheta... mó presente de grego esse afinal, sem saberem é claro, os Persas liberam uma maldição que mata todo mundo do castelo do cara.



Tudo vira um enorme e perigoso calabouço, graças a curiosidade/ganancia do sultão, e a ignorância dos persas.


Eu, inicialmente, jurava que era o castelo do próprio Príncipe Persa pois ele faz comentários sobre os locais pelo qual passa, mencionando como eram no passado e sobre lendas que seu pai contava, mas era a terra do sultão mesmo.



No final, como tudo é desfeito, todos que morreram, deixam de estarem mortos... mas ainda assim, imagina se a adaga não rebobinasse toda a história!? O Príncipe da Pérsia seria sem dúvidas o maior vilão da história... não... já tiveram piores... mas ainda assim, tem que ser mó sínico pra bancar o herói depois de tamanha matança.

E é isso. Esses são os personagens mais importantes do PoP - Sands of Time.

Inimigos

Não são muitos e nem há chefões, na verdade só inimigos normais porém em hordas (de 3 em 3 geralmente) e bem, porque não falar deles? Eis os inimigos do jogo, alias repito, não há "chefões", tirando o pai que tem seu designe original e o Vizir, que apela pra magia. Então, vou falar de todos eles:

Soldados Indianos

Durante o ataque do príncipe e os Persas, rola mó guerra e um monte de soldados aparecem. São vários tipos mas todos são basicamente a mesma coisa em termos de luta.


Todos morrem, e os que não morrem provavelmente foram escravizados.

Soldados de Areia de Vermelho

Depois que a areia é liberada, surgem os soldados de areia, vestidos de vermelho, fortinhos e que precisam de um pouco mais de desenvoltura pra serem derrotados. A melhor tática é pulando sobre suas cabeças e atacando por trás.


Eles eram soldados do palácio, convertidos em monstros de areia por conta da areia do tempo. A roupa é idêntica à dos soldados da Pérsia, só que vermelha. Sabendo que não são soldados persas, deduz-se que eles são soldados comuns do Sultão, que faziam a ronda pelo palácio... entretanto, nas cultscenes todos os soldados que aparecem (ainda humanos) são de armaduras azuis, logo, todos eles eram soldados persas. 


Ou o sultão invadiu o palácio Persa ao aguardo do rei e seu exército, esperando por seu presente, ou ele usava soldados persas pra sua defesa pessoal.


Ai durante a praga da areia, alguns soldados ficaram manchados de sangue e o sangue se espalhou pela armadura... daí a cor vermelha ressaltada.

Aldeões de Areia com Adagas

São o tipo mais comum dos inimigos monstruosos, sendo conversões de caras comuns que estavam no palácio. Eu jurava que eram soldados, mas os soldados usam armaduras, então tudo leva a crer que eram convidados do Sultão ou algo do tipo, amaldiçoados com a areia do tempo (também podem ser os escravos do exército indiano, mas não creio que eles tenham levado a caravana inteira pro palácio do gordinho).


Eles são fracos, caem pra qualquer tipo de ataque, desde que consiga pegar fora da defesa deles.

Concubinas de Areia

Um pouco mais a frente nas lutas surgem umas mulheres com areia no ventre. Elas são fortinhas, mas também podem ser derrotadas com o pulo sobre a cabeça e facada atrás.


O diferencial delas são seus ataques duplos. Ao que parece, eram as mulheres do palácio que foram amaldiçoadas pela areia do tempo.

Gordinhos de Areia

Esses são um pouco mais fortinhos, apesar de serem pequenos. Eles defendem bastante, e o pulo sobre a cabeça é funcional, porém melhor que isso é pular na parede e dar uma investida, o que derruba eles numa tacada só.


Creio que eles eram convidados do palácio, que se converteram em monstros por causa da areia. Da pra ver alguns convidados correndo no meio da devastação, e eles eram meio gordinhos. Possivelmente isso se ressaltou neles.

Ferreiros de Areia

São monstros humanoides de areia com martelos e barbudos. Provavelmente são ramificações amaldiçoadas de simples ferreiros do palácio. 


Não chega a aparecer nem ser mencionado tais personagens, mas é de se esperar que hajam ferreiros e armeiros nos palácios dos conquistadores. O local onde eles são vistos pela primeira vez também parece ser um grande armazém, lotado de caixotes. Provavelmente eram armas encaixotadas.


Também aparecem vários na parte da prisão, o que também pode significar que eles (em forma humana) também serviam como carcereiros, ou algo do tipo. Os mais fortes e barbudos sempre ficam com as profissões intimidadoras.

Soldados de Areia de Azul

Esses são praticamente idênticos aos soldados de areia vermelhos, porém eles vestem azul, logo, são mais fortes. Eles resistem mais, e defendem o pulo sobre a cabeça (não da, eles empurram).


Pra derrota-los só na base da esgrima, ou pulando na parede e dando uma investida. Eles são soldados Persas, amaldiçoados pela areia.


Da pra saber que são persas não só por serem mais fortes na hora de lutar (eram peritos em batalha em vida, por que não quando viraram zumbis de areia?), mas pelo fato deles vestirem o uniforme dos soldados que aparecem no exército da Pérsia.


Da pra ver isso bem nas cutscenes iniciais.

Soldados Grandes de Areia

Esses são soldados que defendem bastante e são imunes ao pulo sobre a cabeça. Eles são quase chefões, seguindo a mesma linha de batalha do pai do príncipe, mas vem vários juntos.


Eles são fortes, mas podem ser derrotados facilmente com pulos da parede com investida, ou simplesmente paralisados com a Adaga e cortados ao meio.


Eles eram os soldados Persas mais fortes, e como ninguém além dos principais escapou da maldição da areia, surgem eles pra atrapalhar.


Da pra ver um deles ainda humano, no começo do jogo. São como os generais, e todo mundo tem praticamente a mesma cara, então, não são importantes.

Condenados de Areia

São guerreiros de areia que carregam correntes. Ao que parece eram criminosos do palácio, amaldiçoados pela areia do tempo.


Eles são fortinhos, tem alguns ataques diferentes, mas perdem como qualquer outro soldado de areia.

Escaravelhos Gigantes de Areia

Escaravelhos na ásia é bem comum, mas enormes, maiores que cachorros, isso não deve ser normal. Logo, os escaravelhos enormes que surgem são insetos amaldiçoados pela Areia do Tempo, convertidos em monstros letais.


Eles não são nada fortes, aparecem em cores diferentes mas todos morrem com 3 ataques simples.

Aves de Areia

Tem uns abutres enormes que adoram atacar quando o príncipe ta se equilibrando. Eles são derrotados facilmente com 1 único ataque (e as flechadas da Farah são muito boas nessas horas) e costumam ficar vulneráveis após atacar.


Pra derrota-los é só defender e atacar em seguida. Eles são aves que pegaram a maldição da Areia. Se levar em consideração o tamanho dos bichos afetados... se essa areia fosse solta num zoológico nós estaríamos tudo fud...

Morcegos de Areia

Tem uns morcegos que vem em bando e geralmente atacam quando o príncipe ta se equilibrando. Da pra derrota-los, mas sempre sobra 3 que fogem. 


São apenas morcegos, mas nem da pra dizer se estão ou não infectados por areia pois, apesar deles virarem pó quando mortos, eles fogem... e também não são gigantescos.

O Rei

Deixei ele pro final apesar de ser o primeiro chefão. Ele é o rei, pai do príncipe, mas tudo que tem de especial é isso mesmo.


Ele tem designe próprio, mas seus ataques equivalem ao de um Soldado Grande de Areia. 


Ao lado de Farah, Kakalukia precisa derrotar seu pai pra avançar na história, e transforma-lo em refil de adaga.

O Feiticeiro

O vizir é o último inimigo enfrentado, no inicio de tudo.


A luta contra ele ocorre na frente da princesa, em seu quarto (o príncipe tava tentando contar a história de tudo o que aconteceu... depois ele explica) mas ele apela pra sua magia, fica escondido enquanto manda cópias suas pra lutarem.

Sim, ele acha que engana muito ficando ali.
A batalha é complicada, só sendo efetiva com contra-ataques (algo inspirado no primeiro PoP).


Ele tem tipo uma barreira mágica tanto em si, quanto nos clones, mas os clones baixam a guarda na hora de atacar.


Daí contra-ataques acertam, o que enfraquece o verdeiro feiticeiro.


O Vizir precisa ser derrotado umas 3 vezes até ele mesmo entrar na luta, e ai sim ele morre.


Na real ele quase derrota o príncipe, mas ele tava bem fraco e o príncipe vira o jogo.


E só depois disso, a princesa vai acreditar na história do cara... 


E beleza, é agora a hora da história...

História

Prince of Persia: The Sands of Time


Oi, meu nome não importa mas hoje vou contar minha aventura através do tempo.


Então, estava eu um dia la, invadindo o palácio alheio, quando achei uma adaga de responsa. A adaga era linda, nunca vi igual, e pra variar ela ainda me ajudava a corrigir minhas cagadas! Pensa, com uma coisa dessa eu podia fazer tanto...


Papai e eu fomos na casa do tio Sultão, e ai tava tudo legal, papai deu a ampulheta grandona que achamos pra ele, mas eu inventei de ouvir o estranho amigo do papai e abri a ampulhetona com a adaga, meu... 


Deu tudo muito errado. Saiu areia pra todo lado, geral correu, gritou, e apareceram uns monstros... velho, foi muito tenso.


A areia matou todo mundo... menos aquele amigo estranho do papai, e ele ainda queria a daga de mim, mas eu fugi dele.  


Ai uma mina maluca apareceu e começou a me xingar e eu tentei esfaquear ela.


Mas ela era legal, então dei uma chance e a gente começou a andar junto, matar uns monstros juntos, só não passávamos por umas rachaduras juntos porque eu sou gordo de mais... mas ta...


Um dia, tipo no mesmo dia alias, rolou um clima (ela que começou!) e tipo, eu queria me casar com ela...


Odeio mangas.


Eu comecei a ter umas visões dela me traindo, não com outro cara, não é isso. Ela me traiu roubando a adaga mano! A ADAGA! Eu adoro essa adaga... daí tive de escolher entre ela ou a adaga... claro que escolhi a adaga...


Odeio camisas sem mangas.


A gente chegou la na ampulhetona, e a mina ficou tipo "Vai, enfia logo essa adaga na ampulheta!" mas eu fiquei na dúvida se era certo seguir o que a mina queria que eu fizesse porque mano, ela tava de olho na minha adaga! (Isso soou estranho? Que seja...) Só que eu vacilei muito, demorei demais pra me decidir...


Ai o cara esquisito que andava com meu pai (alias eu matei meu pai) apareceu e fez uns vendaval maluco, eu voei mano, eu VOEI MANO! O cara quase pegou minha adaga por causa disso, mas eu recuperei na última hora... e sai literalmente voando!


E tipo, fui parar num quarto escuro com a mina... ela tocou em mim! E ai falou uma palavra maluca.


Ai a luz voltou, mas a mina sumiu. Foi estranho... tinha uma saída embaixo do caixão que a gente tava, dai pulei dentro.


E eu cheguei numa sala cheia de portas que me faziam sair no mesmo lugar (mó doidera... mas eu não tava drogado), com ela sussurrando por todas as partes. 


Eu juro que tinha uma estátua dela no meio da sala... meu parecia as horas que eu briso com umas fontes de água que me deixam doidão... (eu amo água)


Isso acontece direto comigo, é normal, ontem mesmo eu entrei numa sala dessas com uma entrada saindo do meu banheiro... a entrada sumiu depois quando eu tinha bebido água... quem nunca né!?


Beleza... eu tava perdido. Mas fui mó esperto, percebi que tinha barulho de água na frente de algumas portas (mano, eu disse que amo água? Velho, água é melhor que a adaga! Ta na minha lista de coisas preferíveis) e ai cheguei na mina... e ela tava nua mano!


Depois disso só lembro que a gente foi parar numa piscina e fizemos coisas. Rolou mano... daí eu esqueci da adaga... quem não ia esquecer, a mina era mó gata e me deu mó mole... eu não tenho certeza se era real ou alucinação, mas foi real pra mim, isso que importa.


Só que no dia seguinte (uma ova que foi dia seguinte foi no mesmo dia... eu acho) eu acordei la na sala de onde eu tinha saído, e tanto a mina, quanto a entrada la pro local estranho, quanto a adaga e uma espada daora que eu tinha achado (alias, eu tinha achado outras duas espadas daora que quebravam tudo... poxa to esquecendo um monte de coisa, foi mal, minha memória é ruim, mas acredite, é tudo verdade!)


Daí tipo, eu fui atrás da mina, e eu tava desarmado, e apareceram um monte de caras com o demo no corpo querendo me matar! Por sorte eu achei uma tumba com uns espelhos e consegui pegar uma espada que matava tudo com 1 golpe! Sério, eu passei a cortar a cabeça de geral com ela!


Aí eu achei a mina, ela tava longe pacas, mas eu alcancei, só pra ver ela morrer. Não, não fui eu que matou ela não. Eu até tentei salvar, peguei a adaga pela lâmina mano! Pensa, nunca vi meu sangue mais vermelho. Mas ela gritou a palavra esquisita e caiu, morreu la no chão.


Fiquei putaço, ela tinha gasto toda a areia da adaga, nem dava pra voltar e salvar a infeliz, mas eu fui e matei um monte de gorduchos que apareceram.


Depois fui ver a mina (vai que ela tivesse sobrevivido) mas nah, ela tava morta mesmo (fiquei malzão).


Daí o maguinho la apareceu, mandei ele à merda...


Tentei matar ele mas ele era fortinho... daí vi a ampulheta la no fundo...


Fui nela e enfiei a adaga no buraco do seu... zoera! Enfiei na ampulheta. Dai mano, mano... mano! VOLTOU TUDO!


Eu acharia que foi tudo sonho mas a adaga tava na minha mão, então eu sai do acampamento onde o exército do papai tava e fui la na casa da mina sozinho... 


Eu manjo muito de parkou ta ligado!? Ai cheguei la e contei tudo isso pra ela...


Ela não acreditou. Daí eu matei o mago na frente dela e ai sim, ela acreditou (ou ficou com medo de mim, sei la, o que importa é que matei o desgraçado e salvei a pátria tudo) mas ai tive de devolver a adaga...


Claro que antes eu dei um beijo nela, tomei mó empurrão, mas rebobinei a bagaça e fingi que nada aconteceu. 


Sai vazado...


Ah, antes de eu ir embora, agora sem minha adaga, e sem a mina (sabe, eu me arrependo disso as vezes, eu realmente amava aquela adaga) a mina me perguntou o nome. Há... eu mandei a palavra esquisita que ela falava e piquei a mula.


Se liga na cara que ela fez:


E é isso, valeu ai pela paciência, e lembre-se, essa história é real. Duvida? To nem ai.


Fim.

É, a história é essa ai mesmo...

Enfim, o que faltou falar? Ah, tem fontes especiais que aumentam a vitalidade correto? 

As Misteriosas Fontes


Mencionei elas acima. Ao que parece, apenas o Príncipe as vê. Elas surgem como entradas com sons encantadores (são como harpas angelicais massageando nossos ouvidos.) 


Mas depois que o príncipe entra, passa pelos corredores estranhos, pelas pontes estranhas no meio do nada e bebe da água, ele fica possuído com uns sussurros e acorda do lado de fora, na frente de onde a entrada deveria estar mas, sem entrada alguma.


Na verdade, perto do fim, Farah e o Príncipe encontram uma dessas fontes juntos, elas aparecem em corredores que, depois de atravessados desaparecem. 



O príncipe chega a convidar ela pra entrar e a princesa diz que não, é melhor ele ir sozinho.


Depois de passar pela fonte e beber do néctar proibido, o cara acorda do lado de fora, e a sala nem existe, daí quando ele pergunta pra Farah, ela diz que ele nem saiu do lugar e não viu corredor algum.


Ou a mina queria deixar ele maluco, ou ele já estava maluco, ou algo tinha nessa água que ele tanto bebe. Na real, futuramente isso tudo é explicado, em outros jogos... mas isso deixo pra outra análise.

O primeiro Prince of Persia

Então, tem um truque que da pra ser feito no começo do jogo, quando o príncipe é mostrado na varanda do quarto da princesa (que é o momento que ele chega la e começa a contar sua história). Fazendo alguns movimentos, (tem que segurar X, pular, dar rasteira, uns dois socos, dançar break, fazer o moonwalker, dar três piruetas, e mais algumas coisas que envolvem uns rituais macabros... Na dúvida veja na net). Daí o príncipe cai da varanda e bate com a cabeça, e começa a brisar com o primeiro jogo!


Daí ele surge na primeira fase do primeiro Prince of Pérsia, o clássico, original, de Snes (tem pra outras plataformas, mas eu conheço pelo Super Nintendo)...


O gameplay é um pouco diferente, se passando numa fase visualmente parecida, mas que é uma repaginada da primeira fase original. 


Não há fim pra ela, e coisas como o inimigo que protege o corredor foram removidas (a fase original termina após derrotar um inimigo num corredor e passar pela porta que ele guardava). 


Mas é legal ver uma referência jogável desse tipo.


Detalhe, o próprio jogo já faz uma referência quando o Príncipe cai na prisão, uma parte em que ele simplesmente não consegue prosseguir por uma ponte, escorrega e vai parar nos cafundós de uma prisão macabra lotada de puzzle. Ele faz comentários sobre ela, e é visivelmente uma referência à prisão do primeiro jogo.


Mas ainda tem essa, com direito a adaptações e, no lugar onde ficaria o primeiro inimigo do jogo...


Que pra ser derrotado precisa que pegue uma espada...


Espada essa que é encontrada nessa adaptação easter egg, quase no mesmo lugar que a original (Quase... pois é o mesmo caminho, mas boa parte dele foi removido. E a espada não serve pra nada)...


Há apenas um corredor, com a porta e o acionador... 


Alias, é mais fácil ver o botão na versão adaptada, pois na original ele tem apenas um pequeno relevo, sendo esse um dos desafios do jogo original.


Atrás dela, tem uma sala com um quadro enorme da equipe de desenvolvimento, numa homenagem easter egg que você não encontra nos jogos de hoje em dia. É algo muito interessante e que mostra que o príncipe tem uma imaginação pós trauma bem alucinada.


Eu até pensei em falar do jogo original, mas pra isso terei de re-joga-lo e eu odeio a fase do inferno, que curiosamente, equivale a fase da prisão desse PoP. 


É algo no meio do jogo, com uma queda que não da pra evitar, e mano, é muito chato. 


Ps.: Até hoje eu não consegui derrotar o Vizir do jogo original, que também é o vilão alias, num enredo que passa muito longe dessa nova versão vista em Sands of Times... e faz lembrar mais a história de Aladdin... enfim, futuramente faço uma análise completinha sobre os dois primeiros jogos da franquia... vale a pena... mas fica pra outra análise.

Simbolos

Tem um símbolo circular que aparece em tudo quanto é parte do jogo: Portas, Alavancas, Paredes...


Ele sempre ta ligado a algum puzzle, direcionando o príncipe e indicando de certa forma o que deve ser feito.


Os brancos demarcam locais em que o efeito será temporário (tipo, eles abrem uma porta, ou levantam uma plataforma, mas por pouco tempo)


E tem os amarelos que parecem ter efeitos mais contínuos (porém as vezes eles também funcionam com contagem regressiva).


Agora o que ele significa? Não faço ideia. Eu achei que era um simbolo mágico, mas não vi ele na adaga nem na ampulheta (difícil ver com tanta luz kkk) e pensei que poderia ser o símbolo da bandeira da Pérsia, mas não tem nada haver. Alias, a bandeira levantada pelo exército durante o jogo mostra um simbolo que difere da bandeira da Pérsia... talvez seja uma reimaginação do mundo real em que a bandeira é outra... ou talvez não seja um exército da Pérsia... nah... nos outros jogos isso é reafirmado... mas isso fica (adivinha!?) pra próxima analise.

Lua grande


Tecnicamente, o jogo se passa em dias diferentes, começa numa madrugada, e durante o dia ocorre a guerra (e provavelmente, também ocorre a viagem pro palácio do gordinho) e depois, anoitece e amanhece mais uma vez. Tudo termina no final do dia, voltando pro começo do dia. Mas algo que me perguntei foi: "Porque a Lua é tão grande?" E alias, venho me fazendo essa pergunta a muito tempo, pois em tudo quanto é filme e jogo, a lua é retratada de uma forma absurdamente enorme.

Mas, eu nunca (quase nunca... explico daqui a pouco) vi a lua assim... pra mim ela aparece pequena la longe, e mesmo quando vi a "Super Lua" ela não pareceu tão grande, só alguns poucos centímetros. Eu sei que pode ser algo da minha região mas, eu pesquisei, inclusive em sites com outros idiomas, pra ver se tinha alguma explicação pra lua "mudar de tamanho" dependendo do local do qual era observada. E tipo, todo mundo que vi mencionou a mesma coisa "Eu vejo ela pequena". 

Vi explicações dizendo que quando a lua e o sol estão no horizonte, eles parecem maiores do que o normal devido ilusão de ótica, mas o caso visto em jogos e filmes, não retrata essa ilusão, mas sim ela la grandona no meio do céu. Daí vi algumas explicações dizendo que isso é "photoshop" e exageram no tamanho propositalmente, pra deixar ela mais bonita e marcante... e isso não existe no mundo real... porém...

Quando eu era pequeno, estava com minha família em Minas Gerais (Capelinha, minha mãe é de la, eu sou paulista xD) e me lembro muito bem de ter parado no meio da rua durante a noite e vislumbrado a lua enorme, e eu nem usava óculos na época. Não sei se é um exagero da minha memória, mas fiquei com essa dúvida... e qual a resposta? Bem, eu falo na próxima analise. 


AnaliseEXTRA

Prince of Persia: The Sands of Time 
Versão Game Boy Advance



Depois de terminar essa análise eu decidi dar uma olhada nas demais versões de PoP Sands of Time, de outras plataformas, pra confirmar que não há nenhuma diferença, e ai voltei meus olhos pra versão de GBA. Alias, a razão por eu "buscar diferenças" é algo que acontece ao longo da franquia, algo que explicarei apenas em futuras análises... mas continuando...


PoP - The Sands of Time de GBA é outro jogo, que conta quase a mesma história (é tipo, um super resumo da história das versões originais) mas tem jogabilidade, trilha sonora e eventos totalmente diferentes. Na verdade, as coisas do gameplay mal se encaixam na trama contada através de Fotos das CGIs originais, com Conversas por Chat (bom que da pra confirmar as declarações do príncipe, como o fato dele ser um príncipe).


É de se esperar algo mais compartimentado, com cortes e adaptações, pra que caiba num portátil, mas os caras removeram tudo da versão original, e criaram coisas como inimigos (todos, são novos!), habilidades (sim, eles deram habilidades de domínio temporal e físico diversificado pro príncipe), chefes (na real, tem apenas um, mas é tão original que na boa, nem faz sentido), cenários (o jogo deveria se passar no palácio do gordinho, mas é visualmente um local totalmente diferente) e por fim, jogabilidade.



Vamos por parte, mas irei resumir afinal, a análise já terminou, isso aqui é só um adendo.

O jogo mostra o príncipe (já sem camiseta desde o início, alias não sei se ficou claro, mas o príncipe retira partes de sua camiseta ao longo do jogo original, sem razão alguma - ta ela rasga) contando sua história pra princesa, e ai ele aparece já pegando a adaga do tempo, colocando na ampulheta, usando o poder do tempo, recolhendo areia de um corpo caído e entregando a ampulheta pro seu pai, no castelo do gordinho, tudo no MESMO PLANO!


Daí vira bagunça, pois em seguida o principe ta em um templo cheio de morcegos de areia, besouros de areia, e um LAGARTO DE AREIA ENORME (eu falei que os bichos ficariam gigantescos quando comecem a areia, a prova ta no GBA). 


Rola até um TIGRE GIGANTESCO DE AREIA, o que repito, comprova que a areia tava batizada com fermento. 


Detalhe, não há os abutres, e os morcegos e besouros que aparecem são os únicos inimigos em comum com a versão original, e ainda assim são diferentes: Os Morcegos voam sozinhos, e ATIRAM ENERGIA (congelante ou de fogo ainda por cima)


E os besouros SE DIVIDEM POR OSMOSE (ou botam besouros menores).


Daí tem uma penca de inimigos humanoides diferentes dos já citados na análise. Tem uma listinha com todos eles, e eu não vou descreve-los pois, não há significado pra eles. São seres de areia em forma humana que aparecem armados pra manter portas do palácio fechado. Como eu disse, deveria ser o palácio, mas parece mais um Templo Antigo Protegido Pelo Mal. 


Tem até CABEÇAS DE ESTÁTUAS QUE COSPEM FOGO! Nessa parte é impossível não pensar em Castlevânia. Alias, é como um Castlevânia clássico se passando na arábia. 


O jogo é de Ação Lateral e Plataforma, totalmente em 2D, com mapa único e plenamente explorável, o que faz impossível não comparar com o primogênito do gênero... mas continuando... o príncipe pode pular, andar, se pendurar, morrer se cair de muito alto, e por fim, pode usar habilidades mágicas.


Alguns inimigos morrem após derrotados (os animais, as estátuas, algumas armadilhas e alguns humanoides específicos) exceto os humanoides, que ressuscitam após caídos a menos que o príncipe recolha a areia.


Pra que serve essa areia? Pra abastecer a ÚNICA BARRA DE ENERGIA. Sim, ao invés de 3 barras distintas, há somente uma, circular, que determina o tanto de poder mágico temporal que o príncipe possui, o que é consumido pra cada habilidade usada, e são várias.


Na real, a Adaga do Tempo é apenas um dos muitos itens do tempo que o príncipe recolhe. Tem dois Anéis do Tempo, um Paralisa o Tempo, o outro Desacelera o Tempo, e precisam ser equipados pra mudar o efeito que o botão especial faz. Detalhe: Toda a barra é consumida usando eles, então é preciso ser sábio ao utiliza-los (mas também tem itens que são recolhidos e ficam no inventário que servem pra restaurar energia e areia). 


Outra coisa é que, apesar da adaga reverter o tempo, é algo tão rápido e limitado, que é praticamente inútil. Eu quase não usei, e quando usei não serviu de nada. 

A adaga também pode reconstruir determinados objetos do cenário (como Pontes destruídas ou plataformas) e por fim, ela pode ACELERAR O TEMPO DESACELERADO.


Isso ocorre nas lutas dos chefões... que são apenas 2: O GRIFO e o mago.

O Grifo é uma adição completamente ilógica que confirma que esse game é outro. Ele é encontrado como um tipo de Estátua, em uma sala desprovida do Tempo, que após entrar em contato com a Adaga do Tempo, ganha vida e passa a voar pelo Castelo, se alojando em câmaras desprovidas de Tempo. Detalhe, sabe Quantum Break e aquele esquema de ponto onde o tempo morreu? Então, o Grifo mata o tempo.


A adaga é a única coisa capaz de reanimar o tempo, assim permitindo que o Grifo seja ferido. Quando o tempo ta desabilitado, tudo fica preto e branco, quando ta habilitado volta a ter cores, e tipo, os Anéis junto com a Adaga também afetam o Grifo e sua realidade.


O que o grifo significa? Ele surge em várias mitologias, e na persa, ele é vinculado ao zoroastrismo, (uma religião criada pelos persas, que eu nem citei na parte "Religião e Guerra" pois a parte da religião se aplica apenas a indiana e a respectiva parte no jogo, exceto na versão de GBA) o qual simboliza os Magos dessa religião. E sim, eles converteram o Vizir em uma entidade Persa da religião persa, que tem o poder sobre o tempo.


O grifo é morto no jogo, depois de vários encontros, e no final, o Vizir domina o mesmo poder do Grifo, com a habilidade de matar o tempo. 


O Vizir é o chefão final, e rolam duas lutas: A primeira, depois que Farah morre (daqui a pouco falo da princesa)... onde o Vizir se divide em vários, e só pode ser ferido com o tempo "acelerando" pela adaga (mesmo esquema do grifo). 


Detalhe: O Vizir dá areia do tempo quando sofre dano no "tempo morto". O que é o mesmo que ocorre com monstros de areia e com o grifo. Logo, o Vizir é agora uma das criaturas da Areia do Tempo!


A outra luta ocorre depois que o Príncipe volta no tempo e conta a história de tudo pra Farah, com o Vizir usando magia pra se defender e também bugando o tempo. Além disso, ele agora INVOCA CRIATURAS DE AREIA!


O detalhe mais bizarro é que, a luta física mesmo ocorre no mesmo Castelo... sendo que o príncipe teria voltado no tempo pra contar pra princesa sobre a invasão persa e roubo das areias...


Indiferente da linha do tempo (e alias, eu me perdi na hora de ir encontra-lo na segunda luta e andei O MAPA INTEIRO pela segunda vez, o que deixou bem claro que o jogo se passa NO TEMPLO INDIANO e não no Palácio do gordinho, e em uma posição atemporal!!! Não tente entender, não da).


Derrotando o Vizir, fotos da CGI final do jogo original são mostradas (ligeiramente alteradas), com o príncipe derrotando ele na varanda de Farah (sendo que a luta ocorre dentro do templo, em uma câmara secreta) e por fim, se despedindo.


É algo sem sentido... mas o jogo até que é divertido. Sem contar que em uma parte dele, da pra jogar completamente com a Farah!


Em uma parte do jogo, do começo à metade, Farah é encontrada e se torna jogável, em um co-protagonismo. O jogador precisa alternar entre Príncipe e Princesa e avançar com ambos, cada um tendo habilidades próprias. Farah não entra mais em buracos, mas ela tem seu arco e com isso, atira ué (o que é útil as vezes, mais útil que os ataques corpo-a-corpo) e ela não é ninja como o príncipe, mas consegue ao menos escalar vigas.


Mas em uma parte do jogo, não da pra prosseguir com ela, e ela fica abandonada, daí rola toda a segunda metade, e ela aparece na câmara da Ampulheta do Tempo (que fica exatamente no mesmo local visualmente, do início do jogo, reforçando a ideia de que se passa no templo indiano) e aí ela morre. 


Bem, sobre o príncipe, ele é ninja. Da pulo duplo, anda pelas paredes, salta feito macaco, da piruetas, se equilibra, joga shurikens, invoca sapos gigantes e usa um megazord (eu inventei esses últimos poderes, mas ficaria mó legal se fossem reais).


Enfim, o jogo paralelo é isso, e apesar dele ser algo completamente diferente, é divertido, e consome boas horas de gameplay... se você não se perder pelo castelo é claro.


Mas, coisas "cânones" não existem nele. Bandeiras com os símbolos misterios, fontes de Água Secretas em que Farah aparece junto ao Príncipe, ligações que ignoram as leis tempo-espaciais. Tudo isso é descartável, e o jogo não acrescenta nada ao título (nem deve ser considerado). É praticamente um spin-off. No máximo, da pra aproveitar as legendas das cutscenes printadas... só.


Okay, agora sim, fim!

Sr ou moça, eu agradeço muito por sua leitura. Atualmente eu to com pouco feedback nas analises, será que é porque tão ruins??? Bem, eu to curtindo digitar então não vou parar agora rs. Mas seguindo as "Leis da Morte", vou dar uma maneirada até perceber uma movimentação (e exigência) maior.

De qualquer forma, eu agradeço, e até a próxima.

Ah, se percebeu algum erro, repetição, edição errada, falta de imagem ou sei la, qualquer coisa que te incomode, por favor me dê um toque, comenta, que eu corrijo. Se curtiu, deixe seu like, não se esqueça de se inscrever, clique no sininho pra receber notificações e... pera isso é texto não vídeo. Tem nada disso não, apenas comenta mesmo, eu responderei em ações e palavras.

See yah!

26 comentários:

  1. Primeiramente, gostaria de agradecer e te parabenizar pela análise. Nostalgia pura ao lembrar desta saga que marcou pra caramba minha infância. Foi um dos primeiros que joguei no ps2 junto com Shadow of the colossus.

    Cara, adorei a forma que contou a historia pela visão do Principe ASHUASHUA ficou resumido, leve, bem explicado e muito divertido.
    Acho fascinante as mitologias, e conhecia pouco sobre a Indiana, então agradeço por agregar conhecimento. E estranho que depois de se conhecer várias, tem alguns pontos que sempre se repetem na maioria delas. Como ter sempre uma das divindades que é "Pai" das outras, ou é considerada a maior entre elas. A coisa de um filho se voltar contra o pai também se repete em várias mitologias. Coisas assim me fazem imaginar, e sem querer discutir religião, a possibilidade de todas falarem sobre a mesma coisa. Porém com nomes e interpretações de povos diferentes.
    A mais brisada sem dúvida é a Nórdica, onde o primeiro deus surgiu de uma vaca lambendo gelo. ASHAUSHUASA

    Engraçado que o calendário cristão, atualmente usado por quase todo o mundo, é contado pelo nascimento de Cristo (Antes de Cristo, A.C, e Depois de Cristo, D.C) sendo que ninguem sabe ao certo o ano em que Cristo nasceu. Fizeram uns calculos loucos lá baseado na morte de Herodes e ficou por isso mesmo. Mas hoje em dia é quase unanime que ele nasceu pelo menos uns 5 anos antes do que se acha. Mas bem, ja era tarde demais para corrigir isso, melhor deixar como está.

    Sr Shady Morte, não desista do blog. Sei que se tiver só eu lendo deve ser muito paia continuar ashuashua mas agora gostaria de ver as análises dos outros jogos, pincipalmente do Warrior Within que fiquei meio confuso na época em que joguei.
    Eu tenho umas idéias e dicas do que voce pode fazer para deixar as coisas mais movimentadas por aqui. aproposito... como anda a divulgação do blog?

    Abraços!

    Chaos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Chaos, obrigado. Te dizer que eu nem lembrava da história de PoP quando re-joguei, eu tinha uma ideia de analise e ela mudou completamente quando revi. Muita coisa que eu lembrava não tava claro, por isso eu pesquisei horrores e joguei de forma bem atenta, e sr, esse é um dos textos mais simples e mais divertidos que eu fiz. Eu amei... e fico muito feliz por você ter curtido também (detalhe, ele ainda não ta 100%. Faltou falar da versão de GBA, que eu já to digitando, e apesar de não mudar nada do texto, vai ser uma adição importante, já que "Diferenças de Plataformas" é o meu foco real com as análises de PoP. Se vai entender la pro final da franquia...)

      O sr curtiu... eu também achei bem engraçado a história por esse ângulo. Nem sei o que me deu, durante a digitação achei que seria interessante escrever assim pra ilustrar o espírito do jogo, e no final funcionou. Eu adoro quando os jogos me empolgam assim...

      Particularismo e Comparativismo, há outro termo pra definir (mas eu não lembro) aqueles que defendem as religiões como sendo únicas e incomparáveis umas com as as outras, e aqueles que acreditam e defendem que todas partem de um mesmo eixo, pelas semelhanças entre as crenças (respectivamente). Eu mesmo, durante a infância, questionei a religião (me tornando ateísta, depois deísta, e hoje prefiro não usar títulos ou termos pra definir o que acredito) e enxerguei as semelhanças entre muito do que diziam, em diferentes templos, igrejas e santuários. No final, é como se todos seguissem cegamente as coisas... Tem algo, isso é um fato pois desde o início dos registros históricos, por desenhos, muita coisa já era mostrada e cultuada. Daí eu vejo que o mesmo vale pra ufologia, e ai eu lembro do caso "Jogos Vorazes vs Battle Royale". Em resumo, a moça que criou Jogos Vorazes não conhecia Battle Royale, que trata exatamente do mesmo assunto, contexto e tem praticamente o mesmo desfecho, sendo ambas histórias culturalmente diferentes (Battle é nipônico, Jogos é ocidental). todas as semelhanças vistas no universo proto mitológico me faz pensar que talvez, tudo não passa de uma profunda e antiga capacidade criativa humana. Religião é complicado... mas eu vejo da mesma forma que você sr, tudo parece ser a mesma coisa, com nomes diferentes (e uma pitada cultural).

      As pessoas sempre curtiram surpreender através do absurdo, difícil é entender como os caras descobriram que o primeiro deus surgiu assim. Mano, já pensou se na verdade, a origem das coisas partiu de um viajante ufólogo do tempo que queria zoar a galera e começou a contar a primeira e mais bizarra coisa que saia da sua mente? Seria tipo, a trolada mais longa, prejudicial e épica da história.

      Se parar pra pensar nós vivemos uma grande bagunça histórica, tudo por causa de interpretações. Por isso eu acredito no poder da visão além da visão, da imaginação, da criatividade, percepção e teorização. É algo que moveu o mundo até os tempos atuais.

      Sr Chaos, eu amo esse blog, jamais desistirei. Mesmo se só tiver 1 leitor, eu fico feliz pois significa que alguém ta me ouvindo, e absorvendo o que eu disponibilizo. Pode ser algo simples, indiferente ou sei la... chato. Mas tem gente que gosta, eu gosto, então vou sempre continuar. Só fiquei meio pra baixo pois, apesar dos views não estarem ruins (não pro meu formato de postagens, longas e que levam um tempo pra serem publicadas), não tem tantos comentários (quanto eu gostaria), eu adoro comentários. Gosto de falar com os leitores, gosto de ver suas ideias e ouvi-los, da mesma forma que fazem comigo. Gosto de retribuir o favor, afinal se eu me sinto tão bem por algo assim, acredito que os leitores também se sentem. Mas não se preocupe, PoP WW é a próxima análise da franquia PoP. Eu to expandindo as franquias, fazendo uma análise de títulos diferentes. Como terminei SH, MM e DMC, preciso mostrar que ainda tenho muito a mostrar... rs...

      Excluir
    2. Ideias... eu aceito. Desde que não seja algo muito complicado, pois eu gosto de ir num ritmo próprio. Eu to mudando o layout das coisas pouco a pouco, to estudando como mexer com photoshop (o sultão fui eu que photoshopei... foi minha primeira tentativa... ficou uma bost4... mas valeu a experiência kkkk) e também to mexendo um pouco com o Vegas (alias, se recebeu o áudio?).

      Quanto a divulgação... ainda não faço ou fiz nenhuma. Tentei falar com uns blogueiros que eu curto muito, mas eles recusaram educadamente qualquer suporte. Ainda assim não me sinto pronto. Quero ter um acervo grande de posts pra não me sentir "pressionado". E por hora, to nos 200 ainda... falta muito. Quero criar uns 500 posts no mínimo pra só ai pensar em divulgar (o nome do blog é algo que me faz lembrar dessa meta diariamente). Mas alguns leitores compartilham comentando postagens de outros sites, fazendo vídeos (eu vi um que fez um vídeo de SH2, fiquei lisonjeado pacas, e o cara ta começando ainda) e também recomendando pra amigos. Amigos... eu tenho um pequeno círculo de amigos extremamente próximos, mas eles mesmos não costumam ler meu trabalho, a menos que eu insista muito. Nenhum deles gosta de spoilers... e poxa, eu sou uma metralhadora a base de de spoilers! Cheguei a pensar em tirar os spoilers das postagens mas ai eu não sentiria que meu trabalho foi completo. Minha ideia é registrar o que descubro, sem cerimônias.

      Enfim, sr Chaos, muito obrigado pela leitura, e o sr confirmou o que eu imaginei e mais adorei nesse texto... valeu!!!

      Seh yah!

      Excluir
  2. Sempre tenho uma enorme dificuldade em saber por onde começar a responder seus comentários kkk mais vamos lá.

    Também passei por uma transição parecida com a sua em relação a religião, porém é um tópico que não pretendo discutir. Pois isso rende viu, mesmo sabendo que temos ideias bem parecidos. Mas gostaria de comentar que eu iria achar massa se a ideia do viajante ufólogo do tempo acontecesse com provas reais e não simplesmente especulatórias haha. Acho que o mundo se tornaria mais unido. ou não né, poderia se tornar o caos completo. há quem diga que o ser humano não consegue viver sem acreditar que há algo maior que ele, que há um sentido oculto para tudo.

    Enfim...
    Eu gosto do conteúdo do seu blog. Vejo nele um nível de detalhes que nunca vi em nenhum outro, um grande potencial de crescimento e essa interação entre você e os leitores tornam as coisas ainda mais legais. E pretendo sim continuar acompanhando enquanto a internet existir.
    Vejo que o Sr tem pensamentos muito sólidos quanto ao blog, fico feliz por isso.
    Você chegou justamente no ponto que eu ia citar. Hoje em dia o que dá mais visualizações são blogs rápidos, e de humor de preferencia. Com uma imagem apenas por post. O que claramente não é o objetivo do DM. Mas existem coisas que podem ser feitas para aumentar os leitores. Que pela internet estão cada vez mais exigentes.
    Vi que já tem um plano de fazer divulgação forte só após os 500 posts (que para mim já é um número impressionante, muitos blogs não tem nem isso. é conteúdo pra caramba. Você me surpreendendo sempre) Mas até lá uma coisa que você poderia fazer é justamente melhorar o Layout. Aparência conta se um leitor vai parar no seu blog ou não. Além da facilidade de chegar até os posts. Com menus organizadinhos e tal.
    Eu pensei se iria deixar isso aqui, mas acabei por fazer, eis o link do meu vergonhoso antigo blog, ignore os posts, por favor. Veja apenas a construção dele, se isso lhe for de alguma utilidade. Claro, é apenas um dos inúmeros tipos de layouts existentes.

    http://traveller-chaos.blogspot.com.br/

    (creio que o slider de divulgação dos posts em destaque nem funcione mais dps das atualizações de navegadores)

    AH e não tire os spoilers, no máximo faça 2 posts irmãos, um com spoiler e outro sem.
    No mais, eu gostaria de te ajudar com isso, pois acredito no seu trabalho.
    Falarei sobre o áudio no outro post.

    Abraços!

    Chaos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma vez um leitor tentou me ajudar a organizar minhas respostas, recomendando que eu fizesse comentários novos ao invés de simplesmente responder, mas eu me senti perdido assim. Desculpe pelas longas respostas, eu me deixo levar facilmente... mas tento separar as coisas. O sr faz o mesmo, logo, somos parecidos pra caramba.

      Religião... realmente é algo que rende, mas também evito falar. Mas como você disse, seria um choque tremendo pra humanidade e poderia uni-la ou destruí-la numa tacada só. Mas que seria algo interessante seria.

      "Enquanto a internet existir" isso me da um medo. Eu amo os posts, e adoro meu trabalho. Um dos meus maiores medos é perdê-lo assim, do nada. Se a net terminasse eu os perderia, e isso seria horrível... mas provavelmente eu descobriria outra coisa pra fazer e me orgulhar... enfim, eu agradeço seu suporte e parceria sr.

      Ideias não me faltam, nem tempo. Só que para por em prática tudo o que desejo, preciso trabalhar muito ainda. Mas, eu adorei seu blog. O layout do traveller é simplesmente simples. Ele é claro, fácil de navegar e limpo. Eu realmente curti. No DM eu procuro simplificar e ao mesmo tempo, oferecer múltiplas opções pra um mesmo fim. Eu uso e ofereço tags, barra de procura, menus de atalho, sugestões de post, links internos, e qualquer outra ferramenta que eu possa encontrar e disponibilizar, pra facilitar a navegação pelo blog. Faço isso pois, existem muitos formatos de blogs por ai, todos tendo um padrão, e as pessoas podem se confundir ao encontrar o meu (eu mesmo me confundia...). Acabei criando uma certa "poluição visual" que me desagradou e estou arrumando isso lentamente. O que não quero fazer é de alguma forma prejudicar os leitores.

      Eu cheguei a tentar fazer um post no formato "slideshow", seguindo um model oque o site da IGN usa... mas ficou super esquisito e o blogger não da um suporte legal pra esse formato. Eu queria muito, deixar tudo mais simples e nítido... mas é complicado. Não quero deixar o blog estranho ou confuso de mais, por isso adotei cores padrão e também, um fundo simples. Mas to adaptando tudo com o tempo.

      Algo que foi horrível foi quando eu resolvi aumentar o tamanho das colunas... todos meus posts saíram de formatação e eu tive de rever um a um, pra corrigir todos os erros. Eu odeio por exemplo quando palavras ficam "centralizadas" sem ocupar completamente o parágrafo... da mesma forma odeio quando o texto fica muito no canto e não preenche a linha toda... é tipo, algo idiota mas que eu me esforço muito pra manter, e sempre que invento de mexer no layout alguma coisa teima em desalinhar.

      Mas enfim, eu to aprendendo sr... e algo que o sr me disse e me deixou bem intrigado: "Eu gostaria de te ajudar com isso". Eu ficaria grato. Sabe algo que eu tava pensando em fazer? Criar duas páginas pro blog, uma principal, com postagens rápidas, e outra com as análises.

      A ideia existe, mas eu não sei fazer postagens rápidas decentes. Sempre que invento fica meio... chato. Eu to estudando isso, vendo possibilidades e ideias. A muito tempo, um leitor (sinto falta dele) fez um post pro DM sobre Sonic. Eu fiquei muito empolgado com isso e pensei "Seria daora abrir um espaço pros leitores criarem posts..." mas a ideia não vingou, pois não vi praticidade nisso (sem contar que seria tipo, abuso da minha parte). Mas eu também vi que em alguns blogs (por exemplo, um blog de humor que eu adoro chamado Ah Negão!) o grande número de posts ganha um suporte tremendo dos próprios leitores, com envios por e-mail e tudo mais. Eu sei la, deve existir uma forma de fazer algo assim no blogger...

      Excluir
    2. Inicialmente, eu criei o blog só pra expor meu trabalho que outros sites não queriam expor (sim, enviei pra vários sites, e foruns, e no fim ninguém quis postar). Eu creio que outras pessoas passam por isso, e eu poderia ao mesmo tempo que abro espaço pra eles divulgarem seu trabalho, eu divulgo o meu com as análises e críticas, da mesma forma que sempre foi (além de defender as postagens tanto minhas quanto dos "aliados", formatando, corrigindo e respondendo).

      Mas tudo isso são coisas que estou pensando em fazer a longo prazo. Por hora, to focando nos meus textos mesmo, pois como o sr disse, é material pra dar e vender kkk.

      Sr Chaos, gostei do seu blog, pena que descontinuou. Fiquei atraído por alguns tópicos mas não naveguei pois o sr me pediu pra não navegar... mas repito que gostei dele, ao menos em apresentação ele me prendeu. Queria que o meu fosse tão atrativo assim. Ah, eu sei desenhar, então pretendo fazer um desenho grandão do mascote do blog e ilustrar em alguma parte do layout. Também to vendo um estilo pro título mais... interessante.

      Sobre os posts irmãos... é uma ótima ideia.

      See yah sr Chaos... e obrigado.

      Excluir
    3. Boa tarde!
      Olha eu sumindo de novo, como te disse da ultima vez a vida está bem corrida, irei me casar em setembro, estou trabalhando como louco para arrumar grana pra pagar as coisas e nesse meio tempo continuar os estudos. Ultimamente tenho estudado sobre pintura digital, meu sonho é trabalhar com arte conceitual para filmes ou jogos, mas tenho um caminho muito longo até lá. próximo passo (após o casamento) é comprar uma mesa digitalizadora.
      Vi seus desenhos no blog, fiquei bastante interessado. o Se tem um traço bem legal. Mas ainda não pude ler os quadrinhos que postou. a proposito, qual seria este mascote do blog?

      Por esses dias abri o seu blog em casa (normalmente acesso do trabalho) e minha esposa passou por mim e disse "ainda usam estes layouts básicos no blogger?" ela é bastante crítica, principalmente quanto a aparência. Mas é assim mesmo Sr. Mexer no layout é complicado, a formatação de alguns posts, se não de todos, sempre acaba ficando estranha. Lembro o terror que era quando eu administrava o Traveller. É bom entender de photoshop, para personalizar os banners e botões. Criar sua própria identidade visual. Devagarinho, as coisas vão se ajeitando. E os novos posts já vem lindos na nova formatação e layout. Eu acabei pegando experiencia com isso criando foruns de RPG. Onde as pessoas basicamente jogam o clássico RPG de mesa só que pela internet. O que mais me lembro com carinho de ter participado da criação foi o https://www.rpghogwarts.org/

      Gostaria de saber sua opinião sobre as imagens que usa nos posts. Elas contribuem para fazer seus textos parecerem maiores do que já são. Já considerou diminuir o tamanho delas, e deixá-las de um lado e o texto do outro? pode fazer gente que tem medo de posts grandes se interessarem a ler, e caso queiram ver a imagem em tamanho maior basta clicar nelas.

      Agradeço os elogios ao Traveller, tenho boas lembranças deste blog, foi na época que eu tava pegando gostinho por escrever. Bem, se quiser pode ver os posts, mas te aviso que para um blog de informações gerais são bem amadores.

      To me enrolando nos assuntos de novo kkk

      Como disse, eu ouvi o áudio que me enviou. e Tenho algumas considerações a fazer.

      Primeiro, tive uma surpresa ao achar sua voz muito familiar... ela me lembra muito a voz do dublador do Goku, Wendel Bezerra. Mostrei para minha esposa e ela pensou o mesmo. Não sei se era distorção pelo equipamento de gravação, sei lá kkk minha voz no telefone por exemplo, parece de uma criança. Bom, sua voz e seu tom de voz são bem agradáveis. já é um ponto positivo enorme para fazer conteúdo áudio-visual.

      Segundo, achei muito boa a dinâmica entre você e seu irmão. Porém fiquei esperando que ele falasse mais kkk acho que esse formato meio "pod cast" daria certo para vocês. Ele é tímido? fiquei ansioso para saber sua opinião sobre a ultima temporada do HXH, e vocês terminam o áudio justo aí kkk

      Por ultimo, achei bem informativo. Você citou detalhes bem interessantes sobre o anime. Mas é importante escolher o tipo de formato que você quer adotar. o Estilo "pod cast" vai mais como uma conversa informal mesmo, onde você fala sobre o que quiser e como quiser. sem ordem e necessidade de muitos detalhes. Mas se for fazer uma análise séria, recomendo a fazer com um roteiro, onde antes de gravar você escreve sobre tudo que quer falar na ordem cronológica das temporadas e organizado. Não que você vá ler o roteiro na gravação, mas serve para você não esquecer de mencionar algo antes de passar para a próxima temporada, por exemplo. Claro que isso poderia ser corrigido gravando o que faltou depois e inserindo no meio através da edição. Mas fica a seu critério.

      Excluir
    4. Não tenho como por muitas críticas pois entendi o propósito, era apenas um teste, e como teste eu achei muito bom. Estou brincando um pouco na edição do áudio, removendo muitos "haaaaaaaammmmm....eeerrr.....", removendo as falhas da gravação, informações repetidas, segundos de silencio, etc. Quando eu finalizar, envio para você o áudio e vou ver se consigo fazer a parte em vídeo também. Para mim não é complicado, nesse mês meu único problema é tempo mesmo. Passado o mês de setembro as coisas vão ficar mais suaves.

      ---------------------

      Aproveitando que ainda estamos no post do Prince of Persia. Esqueci de comentar que eu sempre achei que a série Assassins Creed tinha surgido do Prince of Pércia. Lembro de ver o primeiro trailer do primeiro jogo e pensar "Nossa, esse Prince of Percia deve ser muito legal" Mas não era haha, acho que pelo menos algumas fortes inspirações deve ter rolado. sei lá...

      Enfim, como o Sr sabe, tenho me dedicado bastante ao Hobby de escrever. Se o Sr puder ler algum de meus contos, gostaria de saber da opinião de alguém analítico como o Sr. e fora do meu círculo de amigos próximos e familiares.

      Se precisar de algo, ajuda no Layout, dicas de photoshop, ou sei lá.... ficarei feliz em ajudar como puder e como o Sr permitir. dentro do meu tempo disponível. Prometo que estarei bem mais presente a partir de setembro.

      Abraços!

      Chaos.

      Excluir
    5. Antes de tudo, parabéns sr Chaos, casamento é uma ótima conquista. Desejo felicidades pra vocês.

      Sobre meus desenhos, obrigado!!! Acredita que eu nunca "estudei"? É tipo meu dom natural, e tenho mó orgulho disso... se bem que acho que se eu cursasse algo mais técnico provavelmente eu seria reconhecido mais facilmente, mas também gosto da ideia de ser independente nesse assunto. Sr, obrigado mesmo por ter visto (eu tenho certa vergonha em mescla com orgulho... mó doidera). Hoje eu tava fazendo uns esboços pra um logo pro blog, e pensei em incluir o mascote nele. Alias, ele seria a morte, mas de uma forma cartunesca e animada... no esboço que fiz (eu fiz vários, minimalistas) fiz o D com a Foice caída pro lado em cima de uma poça de sangue e o M sendo a morte dando oi com uma das mãos... ficou muito fofo... eu vou postar na página do face, da uma olhada e me diz se ficou legal... eu ainda vou refinar o conceito mas minha ideia é caracterizar mais o blog com desenhos... mas não quero pesar ele.

      Sobre a crítica de sua esposa... é, é meio triste admitir mas eu uso um modelo simples de mais... eu preferi fazer assim no início pra ir crescendo, e sem poluir muito. Mas como o sr disse, a gente desenvolve e evolui nosso trabalho pouco a pouco, assim tudo vai melhorando.

      Sobre as imagens... por um lado concordo, elas fazem os textos parecerem ainda maiores do que são, mas eu optei por coloca-las grandes justamente pra servirem de descanso visual. Eu pesquisei pacas, e pelo que entendi, a visão fica turva e cansada quando a leitura é constante de mais, as ilustrações e variações de cores contribuem também pro repouso ocular... mas no final, tudo fica meio grande de mais. Antigamente meus posts eram mais simples, com menos imagens, e eram legais. Eu meio que me empolguei e passei a entupir de fotos... e preciso regular isso. A ideia de colocar imagens dos lados é válida, e eu tentei fazer isso algumas vezes... tem o post de Mega Man ZX por exemplo em que eu fiz uma edição paralela de imagens que ficou, incrível... mas o risco que corri foi gigantesco. Como eu costumo fuçar o layout as vezes, uma pequena formatação destrói qualquer postagem e edição... eu tive de rever 1 a 1 de todos os posts, pois tudo desregulou. Ainda acho que tem artigos com esses erros de simetria, e isso me deixou assustado. Mas estou buscando um meio termo, como da pra ver na análise de Guitar Hero, nas partes musicais... eu tentei destacar as músicas principais e deixar as secundárias no cantinho.

      Enfim, obrigado pela dica e eu to já estudando formas de colocar todas as fotos que quero, e todas as palavras que quero, organizadas de uma forma simples, resumida e receptiva.

      Minha voz... heh, eu amo minha voz... e ela já me fez passar muita vergonha. Ao telefone parece de mulher, mas muita gente diz que tenho uma voz de anime. E já recebi comparações com a do dublador do Goku. Eu até pensei em tentar dublar algumas coisas mas... eu sou péssimo ator... e precisa saber atuar pra poder dublar... se bem que uma vez no cursinho eu interpretei uma Policial com raiva, e fui muito ovacionado. Sim, eu interpretei uma mulher... policial... agressiva... tipo de tpm. Foi vergonhoso, mas satisfatório kkk. Enfim, eu fico feliz por ter curtido... você foi a primeira pessoa que ouviu o áudio. Confio no sr, e eu to animado com a edição xD.

      Eu to gravando um gameplay com meu irmão de jogos de terror... o primeiro será sobre Obscure. A dinâmica manteve-se a mesma... mas ainda há o problema de edição. Sr, eu não quero consumir ou abusar do sr, mas, eu realmente fico extremamente grato com sua parceria. Mas não tenha pressa, foque suas tarefas e prepare-se pro casamento (setembro é meu mês também, niver rs). Sobre seu sonho... a vida é longa e somos capazes de nos tornar quem quisermos, é só questão de esforço. Então, eu tenho certeza que o sr vai conseguir. Eu também to afim de comprar uma mesa digitalizadora, mas eu acho que vou investir num tablet mesmo, pra fazer esboços digitais apenas... sei la.



      Excluir
    6. Sr Chaos, será uma honra ler seu trabalho. Algum conto específico? Um que o sr curta muito???

      Sobre o tempo livre... nem grila sr, faça tudo ao seu tempo... e dê prioridade a esposa rs. Mas, não me esqueça! Gosto do seu apoio sr.

      Prince of Persia e Assassin's Creed são irmãos de criação. A Ubisoft nem tentou disfarçar isso kkk, e enquanto o Assassin's continuou, o Prince estagnou. Na franquia Chronicles eles misturaram o gameplay clássico de PoP com Assassin's, e ai sim fica praticamente idêntico, mas mesmo na franquia PoP, há referências a AC, como no Fogoten Sands, que da pra liberar uma skin do Ezio se não me engano.

      Sendo sincero alias, eu amaria analisar a franquia Assassin's Creed. Acho linda, perfeita em jogabilidade e profunda em enredo, mesmo muita gente dizendo que a franquia ficou cansativa e repetitiva... eu amei. Mas nunca joguei... nenhum... kkk... Eu comprei todos os jogos pro meu irmão do meio, pra que ele estudasse história enquanto se divertia... deu certo, ele adorou, zerou quase todos, e eu observei... deus, o Assassin's Creed 4 é lindo (perguntei pro meu irmão menor se era nesse que tinha piratas, e meu irmão do meio gritou la do outro quarto "É!!!", e ele vive de fone ouvindo músicas... só pra ver o quanto ele ama a série). Enfim, eu pirei nos piratas, nas músicas, e eu queria muito jogar, mas... sei la... ainda tenho muitas franquias pra analisar. Tudo a seu tempo né...

      Sobre filmes, isso nem foi assunto mas... eu to preparando uma análise ao nível daquela sobre o filme de SH em comparação com o jogo... e PoP é um dos fragmentos dessa grande análise... digo isso por pura curiosidade mesmo... eu me perdi na resposta já kkk.

      Sr Chaos, eu to bem feliz pelo sr ter descoberto meu blog e estar tão disposto a me ajudar. Te dizer que... se tudo correr bem, isso pode ser uma oportunidade muito boa pra nós dois, e ao que parece, uma parceria bem promissora esta pra surgir.

      Eu, fico feliz. Mesmo que não dê em nada, mesmo se sei la, as coisas desandarem, eu to feliz, pois tipo, o sr me ouviu, e me respondeu.

      Enfim, me passa o link dos seus contos? São da Traveller?? Ou do site de RPG? (curriculo enorme o do sr kkkk).

      Eu vou fuçar tudo na dúvida rs.

      See yah sr Chaos... e parabéns!!!

      Excluir
    7. Muito obrigado, eu sou bastante orgulhoso por este casamento, principalmente pela minha história com ela. Eu conheci minha esposa pela internet!

      Sobre orgulho, você realmente tem o que se orgulhar de seus desenhos. Eu não tenho este talento natural mas acabei aprendendo um pouco enquanto estudo design e pintura digital.
      Eu achei muito dahora o DM representado pela foice e a morte. ficou muito simpático o desenho haha. Só que pelo formato deles, não se pesca de primeira que eles estão fazendo o D e o M, apesar do desenho realmente ter ficado legal.

      Entendi a questão das imagens, realmente você tem razão quanto ao descanço visual.
      E sobre o audio, bem eu já editei ele haha. Vou te enviar por e-mail daqui a pouco. Eu demorei or que só estava conseguindo editar uns 5 minutos de audio por dia e.e correria é tenso. Mas eu acho que ficou legal. Tentei manter a dinâmica original entre você e seu irmão mas, teve coisas que tive mesmo que cortar. Algumas falas repetidas sabe. Sei que o audio editado ficou em 46 minutos e pouco. As vezes ele ficou baixo demais, tentei corrigir mas o programa que eu usei não dava um efeito legal nisso, ficava estranho. Principalmente as falas do seu irmão. Ai acabei deixando baixo mesmo.
      Cara, sua voz é massa. Mais algo do que se orgulhar mesmo. Morri de rir sozinho imaginando você interpretando a policial agressiva kkkkk

      Relaxa quanto a isso, me dispus a fazer e ajudar por que são coisas que gosto de fazer. É bom para treinar e também quero ver teu blogue crescer. Mas sim, no momento estou focado no casamento. Maaano isso gasta demais.

      Eu joguei todos os ACs até o Unity, daí em diante meu pc não roda mais kkkk mas acho genial a saga. Quando tiver uma oportunidade, jogue que não vai se arrepender (depois de analisar Chono Trigger e Cross, por favor xD) Mas de longe meu favorito também é o Black Flag, dos piratas. e o 3, que jogamos com um índio na revolução americana.

      Eu estava esperando terminar a edição do audio e um novo post seu para dar as caras por aqui denovo. com esses 2 requisitos atendidos, cá estou. Também estou bastante feliz e empolgado em te ajudar e ao mesmo tempo fazer algo de útil que será visto por outras pessoas. Só de contribuir eu fico satisfeito. Mas como disse, só a partir de setembro kkk por enquanto, vou seguindo treinando.

      Eu sou bem cauteloso com meus contos, e ainda não postei nenhum deles em lugar nenhum kkk alguns é medo de plágio mesmo. Outros, por não achar ser bom o suficiente para ser lido por desconhecidos. Mas irei deixar aqui um de meus contos para o Sr comentar sobre. É um bem curto. Além disso gostaria de te enviar um maior via e-mail. Este eu prefiro não por em um lugar público ainda, por ser parte da minha história principal e ainda precisar de um certo refino.
      Posso estar te enviando hoje ainda, com a sua permissão é claro. e se tiver tempo para ler. dá umas 20 páginas do Word.

      Caso tenha fuçado tudo, fico curioso em saber o que pensou sobre o Traveller.

      Abraços!... e obrigado xD

      Excluir
    8. Segue o conto:

      Certa vez o Viajante foi ajudado por uma jovem que vivia sozinha em uma província abandonada e destruída pela guerra. Ela o acolheu e lhe deu de comer e beber, e reabasteceu-o para que continuasse sua viagem.

      — Emily. Em gratidão pela sua ajuda, deixo este presente. — Falou o Viajante, enquanto estendia para a menina um globo de vidro perfeito e fosco, sem emendas. O vidro fosco impossibilitava de se enxergar o conteúdo, que emitia uma luz enfraquecida e parecia bastante frágil. A menina o segurou, com muito cuidado perguntando, curiosa. — O que tem dentro?

      O homem, vestindo sua capa e apoiando sua bolsa no ombro, respondeu enquanto se afastava — Ela é sua vida, guarde-a em um lugar seguro e não deixe que se quebre. Encontre um propósito para ela, que você será livre para viver por muitos dias. — e se foi.

      E assim ela o fez, levava o globo de vidro perfeito e fosco embalado no braço, o tempo inteiro.

      Um dia um jovem guerreiro apareceu na província, retornando da guerra que findara. Ferido.

      A menina bondosa, o acolheu e cuidou de suas feridas.

      O guerreiro ao ver o globo que a menina segurava, se interessou e a indagou.

      — O que é este globo mágico, menina? — Ele disse, enquanto se aproximava de Emily. Que receosa se afastou, apertando o globo em seus braços.

      — esta é minha vida, foi um presente de um mago viajante. — A menina afrouxou um pouco o aperto, para observar a esfera lisa melhor, e sua enfraquecida luz.

      O jovem guerreiro se aproximou curioso. Observou Emily que protegia a esfera a todo tempo
      — sua vida? É impossível guardar a vida de alguém em uma esfera. Quebre-a. Deve haver magia dentro, algo que possa trazer prosperidade a esta província devastada. Você vive aqui sozinha por todo esse tempo apenas para proteger esta bola? Este globo é apenas o embrulho... — Ele se aproximou ainda mais da menina, enquanto ela recuava até a parede oposta do aposento.
      - ...quebre-a, e verá o verdadeiro presente do mago, eles costumam ser enigmáticos assim.

      Emily ia recuando, e ao perceber que estava sendo encurralada, esquivou-se e se afastou ainda mais, desta vez em direção à saída. Apertou novamente a esfera nos braços.

      — vejo suas intenções, mas não permitirei que roube a minha vida. É uma questão de fé, acreditar que enquanto eu a tiver, não morrerei. Minha vida é meu presente, e está bem guardado. Agora vá, deixe-me em meu lugar seguro.

      E assim o jovem guerreiro o fez, prendeu sua espada as suas costas, agradeceu a menina, e se foi.

      Excluir
    9. Continuação:

      Os anos se passaram, outros visitaram a província e apenas encontraram uma residência decrépita e solitária, cheia de rachaduras, em uma terra devastada pela guerra. Alguns morreram ali mesmo, outros passaram sem imaginar quem vivia ali. E dentro daquela casa, Emily protegia sua vida, sozinha e sem dar ajuda a mais ninguém. Com medo que outros quisessem toma-la.

      Até que um dia, a menina, agora senhora de pele enrugada e cabelos brancos. Balançava-se em uma cadeira velha. Quando seus ossos não mais resistentes, fraquejaram e não suportaram o peso do globo de vidro perfeito, que escorregou e caiu ao chão rolando para longe.
      Uma pequena rachadura se fez, suficiente para que sua vida se esvaísse através da brecha, como uma pálida fumaça. Sua frágil e sem propósito, pequena luz da vida de Emily.

      Seu corpo, repousando na cadeira de balanço, deu seu ultimo suspiro.
      Naquele mesmo dia, alguém adentrou sua residência, sem ser convidado. O Viajante retornara, e com pesar caminhava em direção ao globo de vidro perfeito, caído em um canto escuro do aposento.

      — Emily... A vida é preciosa demais para ser desperdiçada. Você deveria guarda-la em segurança, sim. Mas seu erro foi passar todo o seu tempo protegendo-a ao invés de sair por aí e vive-la. Sua natureza cautelosa foi mais forte que você. Sua vida é seu presente mais precioso, mas que deve ter um propósito e ser utilizado conforme seus desejos. Só assim ele poderá ser chamado de vida. De outra forma, é apenas... Prisão.
      Ele guardou o globo cuidadosamente, e foi caminhando até a cadeira de balanço. Ergueu uma de suas mãos e fechou os olhos do corpo que, até então, olhava em direção de onde havia caído a esfera de vidro.

      — Me perdoe Emily. Se tiver uma segunda chance, em algum outro lugar, viva.

      Excluir
    10. Hoo... que irado sr Chaos, eu desejo felicidades e tipo, que sorte hein! Achou sua cara-metade online... também tive minhas histórias mas nenhuma com final feliz, por essa razão desejo que tudo de certo pra vocês.

      Obrigado quanto aos desenhos e ao logo do blog. Eu ainda estou projetando ele, eu não consegui comprar meu tablet esse mês pois tive de ajudar aqui em casa... mas quando eu comprar vou fazer um desenho muito mais irado pro blog. Ideia é o que não falta, só falta equipamentos.

      Sobre as imagens, eu to dosando agora. Não sei se viu mas já postei a análise de Tomb Raider e eu maneirei nas fotos. Eu tava me deixando levar, a cada parágrafo queria ilustrar, e acabei exagerando. Seu toque me serviu pra ajudar a controlar melhor. Ainda assim to vendo novos formatos de post. Como disse, quero fazer uns desenhos legais e exclusivos pro blog... to pensando em fazer ilustrações próprias, tipo a capa de Unravel no vídeo que postei no youtube (sim, eu postei um vídeo novo e tipo, ta sem visualizações, mas eu gostei kkk... foi outro dos testes).

      Sr, n se preocupe tanto com detalhes, só o fato de ouvir e separar o óleo do shoyo (é assim que fala?) já significou bastante. Me manda tanto o áudio quanto o seu texto pra que eu leia. Eu vou adorar!

      Minha voz é interessante eu reconheço... se eu tivesse só mais alguns equipamentos eu conseguiria fazer uns bons vídeos. Eu acabei de fazer um do Obscure com meu irmão, vou postar no youtube e te mandar o link, daí se dá uma olhada. Fiz dinamizando com meu maninho, só que ele ta longo viu. Vou postar unica e exclusivamente pra sua avaliação (em tempos livres, não exijo nada sr, sei como ta corrido pra ti). Quem me dera ter futuro, principalmente com meu irmão, é algo pra se orgulhar ainda mais...

      O Blog é um sonho sendo realizado diariamente pra mim. Cada texto me deixa com um sorriso enorme e poxa, ver a recepção só me empolga cada vez mais. Eu to feliz com isso, e também quero que ele cresça e muito. Meu maior sonho, atual, é criar muito material.

      Sr, sejamos colegas então!!! Eu gostei dos seus textos, mas não fucei tanto seu site, ainda. Na verdade eu to correndo contra o tempo pra deixar as 6 analises previstas pra esse mês prontas... então não to fazendo muito além de jogar e digitar, mas vou te dar um feedback pode crer (desculpas a parte, eu também vacilei e esqueci de ler quando tive um baita tempo livre... foi falha grave minha... foquei a atenção nuns vídeos do Angry Video Game Nerd).

      Sobre os textos, agradeço a confiança, e ela é recíproca sr. Por favor me manda, lerei e direi o que achei. Não se preocupa, 20 páginas é sussa.

      See yah, e desculpe a resposta meio corrida, como eu disse to meio acelerado ultimamente kkk. Eu realmente quero bater meu recorde de postagens bigs. Mas também quero deixa-las impecáveis. A de Kingdom Hearts (a próxima) ta ficando incrível e completa.

      Excluir
    11. Hm... poética. Sempre que leio algo lindo assim, com um sentido tão, direto e profundo, apenas penso na palavra "poético". Invejo seu talento com as palavras sr chaos, parabéns. E a história, é interessante e bem articulada, difícil crer que estou falando diretamente com o escritor. É uma verdadeira honra!

      Mas agora em análise, pobre viajante mago, ele se arrependeu parcialmente pelo que fez... ele influenciou diretamente na vida da garota, que não soube interpretar a real mensagem do presente... vacilo... Ainda assim, acho que além de prisão, era uma verdadeira armadilha. Algo tão delicado e frágil, com tamanho significado e importância, seria bem difícil pra ela não se importar e exagerar na proteção... mas eu gostei da mensagem.

      Aqueles que vivem em função de preservar apenas e somente a própria vida, acabam por não viver realmente. O perfil de Emily mudou drasticamente quando se sentiu ameaçada, e isso é comum. Uma vez em risco, sempre em risco, esse é um pensamento que atrasa ou breca completamente a vida do pensador.

      Bem, eu curti sr.

      Excluir
    12. Vi sim, estou lendo a análise de Tomb Raider agora. Realmente ficou bem mais equilibrado. parabéns.

      Cara ainda não parei para ver seu canal no youtube por que aqui do trabalho não tenho como usar fones de ouvido kkk mas vou dar uma olhada amanhã, na hora do almoço. fiquei curioso para ver esta capa do Unravel e com certeza irei ver o video do Obscure também, e deixar minha opnião.

      Está certo kkk periodo complicado este do meio do ano em, para todos. Foque em suas análises, vi o post no face e estou muito muito empolgado em saber o que você irá falar sobre Megaman Legend. E quando puder, estarei no aguardo da sua opnião sobre o meu trabalho também.

      Cuidado com a análise de Kingdom Hearts, eita universo complicado viu. Quando conheci fiquei tão empolgado que comprei todos os mangás publicados até o ano passado kkkk sei que não considera esses materiais extras, mas apenas citei para ver o quanto sou fã. E ainda assim não sei tudo sobre pois não pude jogar todos os games (eles tem uma bobeira de ficar lançando games diferentes e exclusivos para cada plataforma)

      Quebrar recordes é sempre bom. Ultrapassar os limites que tinha-mos é evoluir. Boa sorte Sr!

      Sobre o conto, fico muito feliz mesmo que tenha gostado, além da minha esposa apenas o Sr leu este. Ele faz parte de uma série de contos que funciona como "Spin-offs" da minha história principal. Sempre procuro deixar uma mensagem e escrever de forma que quem não conheça os outros ou a história principal continue entendendo perfeitamente.

      O Sr pegou muito bem o propósito dele, inclusive sobre ser uma "armadilha"

      O Viajante é um personagem que criei a muito tempo atrás, e quase tudo gira em torno dele. Ele passa por vários lugares e tenta ajudar muita gente mas nem sempre o resultado de suas ações é positiva. E isso ocorre por que... bem, ele recebeu a missão de ser o destruidor, mesmo contra sua vontade pois ele tenta fazer o bem. Imagina um personagem do bem, mas destinado a fazer o mal? e ele sofre quando da merda, e ainda assim não pode ficar sem fazer nada por que sabe o que está por vir...

      Emily que representava o sentimento de Receio, se conseguisse escapar da armadilha teria uma vida incrível, já que ela não poderia morrer a menos que a bola fosse quebrada. Mas ela não conseguiu ir contra sua natureza.

      É isso, preciso me controlar para não falar muito sobre isso, pois me empolgo. O Sr sabe como é quando falamos do que gostamos de fazer.

      Eu te enviei o e-mail com o audio e com o conto maior. Foi mal a demora por algum motivo minha internet não queria anexar o arquivo ontem. Mas está lá.

      Agora, terminar a leitura de Tomb Rader.
      Até mais!!

      Excluir
    13. Sr Chaos, antes de tudo preciso dizer: "..."

      Foi como fiquei ao ler a parte em que o sr descreve a ideia de suas histórias... tipo, cara isso é surrealmente promissor! Tipo, eu compraria um livro com "contos interligados". Cada história com potencial individual mas, com uma conexão e background único. Sr... tome muito cuidado com essa história, você faz muito bem em protegê-la, isso é um material maravilhoso! Sério, eu vou ler a que você me mandou por e-mail e, se for exatamente como você sugere (e não duvido que seja), cara eu posso ser um dos poucos a ler um manuscrito de sucesso!!! Tipo, me sinto o ator do Severo Snape com relação a JK Howling kkk.

      Sério, parabéns sr... cara como eu tenho sorte!!!

      Bem, sobre MegaMan, já adianto que falar de Tomb Raider antes vai ajudar a explica-lo. É um tipo bem diferente de megaman, mas to curtindo. Só to pilhado com o esquema de equipar armas só pela Roll, e o tempo que o Data demora pra salvar, tipo, é muito chato. Mas tirando isso eu to adorando... e sim, já terminei a analise de Kingdom Hearts, to editando apenas xD... e sim, eu sei como o universo de KH é complexamente complexo kkkk... mas eu vou me esforçar pra explicar o quanto eu puder explicar. Mas eu tentei ser o mais "direto" possível, sem explicar as coisas muito a fundo, já que o post principal será o KH2, é nele que a história se desenvolve mesmo, mas não se preocupe. E bem, sobre mangá... nem grila, eu vou respeitar os detalhes.

      Kingdom Hearts tem menos "teorização" e mais "interpretação"... é só questão de juntar pontas... e a própria história parece ter sido estudada antes mesmo de ser pronta... é uma série incrível pra se analisar.

      To tentando renderizar a parte dois do Obscure... ficou mais curta (1 hora de trabalho bruto) e nessa parte, meu irmão que quis me matar. Foi interessante o resultado final, pois eu que fiquei atrapalhando ele sem querer, e ele que ficou irritado, foi o inverso do primeiro... e ficou bem engraçado. Eu sou um imbecil kkkk... sim, eu e meu mano assistimos e rimos de nós mesmos... enfim, eu to tentando renderizar pelo Vegas mas o programa ta travando quando chega la pra metade do vídeo, sei la porque. Se não der vou postar como tiver mesmo. Mas o áudio... no segundo vídeo ficou impecável. Eu consegui acertar a preparação dessa vez.

      Enfim... chegando o e-mail em 3... 2... 1...

      See yah! (minha net ta oscilando hoje...)

      Excluir
  3. Enfim...Ótima analise como sempre,isso já é chover no molhado kkkkk
    Esse jogo é mágico cara,um dos mais lindos que já joguei,direção de arte incrível,paisagens belíssimas,cores vibrantes,trilha sonora marcante(a música das fontes mágicas tá gravada na cabeça),gráficos muito bem feito pra época...Eu sempre fico com uma sensação estranha,quando lembro do final do jogo,de que tudo que se passou foi apagado e só o Prince lembra da aventura,nem a Farah sabe quem ele é,bate mó deprê...
    Eu terminei a trilogia,e certamente o Prince não terá sorte com as outras mulheres que farão parte de sua "vida",mas enfim...fazer o que?
    O Two Thrones eu gostei muito também,me marcou muito a corrida de bigas;e a luta contra um gigante sem maxilar,além da luta final contra um velho conhecido no final que é difícil pra porra kkkkkk,aliás tem outros momentos igualmente memoráveis no último jogo que não me recordo;mas que com certeza vc me fará lembrar né?
    Abraço cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr, yes sir. Farei questão de lembra-lo de todos os momentos marcantes do TT e WW, e pode ter certeza que não se decepcionará. Só vai levar um tempinho até eu terminar os projetos atuais, pra voltar meus olhos pra franquia PoP.

      Enfim, obrigado pela leitura sr Gabriel, e eu amo chuva... rs...

      Excluir
    2. Obrigado à você.
      Eu tava querendo pegar o The Forgotten Sands pro PS3,mas tô com medo de ele não ser lá essas coisas,e arruinar minha visão sobre a trilogia rs...ainda tem o que é em cell shading de 2008;que eu acho bonito,mas não me atrai.
      Agora à respeito de futuras análises,vou listar uns jogos aqui,com sua permissão;é claro...
      Metal Gear Solid (saga):PENDENTE
      Resident Evil Dead Aim:PENDENTE
      Siren(saga):EM CURSO
      Fatal Frame (saga):EM CURSO
      Prince of Pérsia (saga):EM CURSO
      Max Payne 3:EM CURSO
      Agora eu tenho uns outros pedidos;que postarei com sua permissão na réplica de sua resposta.

      Excluir
    3. The Forgotten Sands é uma franquia a parte... acredita? Tem 4 jogos diferentes, completamente diferentes, não só em gráficos e jogabilidade, mas em enredo também. A versão de PS3 é a mesma do Xbox360 e PC, e não é um jogo ruim não. Ele é até bem bonito e divertido, e mostra Prince no meio de uma guerra em seu próprio castelo. A entidade mística desse jogo é uma jim da água, e esse é o que melhor se encaixa na trilogia.

      Eu recomendo que jogue sem medo, você não se arrependerá. Sobre o 2008, ele é lindo visualmente, super colorido e também, é muito engraçado. Ele faz sátiras com a trilogia e conta uma história sem vínculo algum com os demais PoP, focando-se em uma realidade alternativa e exclusiva. É legal até, mas é quase uma outra franquia de tão diferente, porém... ele faz muita referência humorística.

      Bem... bora pra lista que o sr montou...

      Megal Gear Solid - Comecei a jogar o 3, mas o emulador zoou o jogo e perdi o ânimo. Pretendo jogar no console, pra aproveitar bem, mas faz meses que não encosto num video game, pois me acostumei a praticidade de fotografar e gravar, algo que eu tentei fazer nos consoles no passado e por melhor e mais esforçado que tenha sido, não ficou tão incrível e lapidado quanto o que faço direto pelo PC...

      Resident Evil Dead Aim: A iso que eu usava parou de funcionar do nada. Eu tinha adorado os gráficos e tinha reservado um fim de semana pra zerar, mas deu problema, tentei baixar outras imagens mas, não funcionaram. Provavelmente ocorreu erro por causa da configuração que fiz pra jogar Final Fantasy 12, e acabei deixando ele de lado pra focar em jogos com menos dificuldade de configuração.

      Siren, eu comecei a jogar, mas meu controle de PS2 (um hibrido de 2 players, eu chamo de "Siamês") deu ruim no analógico e tava difícil controlar a câmera. Fiquei uma tarde configurando e comecei a jogar, mas perdi o ânimo. O game é interessante, mas merece mais atenção do que eu ofereceria por hora. Ele ta como Fatal Frame...

      Fatal Frame (2 pra frente): Pretendo analisa-los, isso é um fato previsto na legislação mortenha... mas pra jogar FF, preciso ter inspiração. Preciso sentir que se não jogar irei morrer, e isso ocorre muito quando eu começo a sentir falta de terror... então, acredite, com base nas análises que estão por vir, a ausência de terror já ta começando a me cutucar. Questão de tempo sr... e poxa, eu to te deixando mó na mão. Olha o tanto de game que o sr aguarda e eu aqui analisando zelda e prototype... mó vacilo... vou me corrigir.

      Prince of Persia: Yep, ta em curso pra valer. O próximo saira em novembro.

      Max Payne 3: Dezembro.

      E bem, manda ai, as vezes um dos pedidos extras entra no consenso com algum game que to ansioso pra analisar, daí já reforça a ansiedade.

      See yah sr Gabriel.

      Excluir
  4. Relaxa man,tudo tem seu tempo...
    Aqui vai uns jogos muito bons.
    Hitman(saga):stealth/action
    Extermination:survival horror
    Onimusha(saga):survival horror/hack slash
    The Warriors:beat em up
    The suffering(saga):survival horror
    Primal:survival horror/adventure
    The getaway(saga):sandbox que se passa em uma Londres real(me senti no submundo do crime inglês nesse jogo rs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hitman, sim. Tenho todos, até comprei o novo, aquele episódico (dificilmente compro jogos) e achei muito louco. Pode ter certeza que haverá espaço pro stealth no blog, e será estreado pelo Hitman... qual deles que não sei dizer rs.

      Onimusha. Lembra que eu mencionei que tinha alguns jogos que to ansioso e um pedido me empolgaria? Eu to muito afim de jogar Onimusha, principalmente o 3, e falar daquele ator francês... meu deus é uma franquia linda. Pode ter certeza que agora que sei que tem gente esperando, vou por ele no cronograma.

      The Warriors eu vi, não me chamou tanta atenção por hora então, por enquanto, não vai rolar... mas é um jogo legal.

      The Suffering, Extermination e Primal, irei ver.

      The Gateway, pelo vídeo me pareceu GTA, e agora veio uma dúvida: Sandbox?

      O que significa? Seria um jogo estilo simulador? Ou tipo, estrategia? Ou todo game que é mundo aberto ou livre de mais entra nessa categoria? Digo isso pois o game que to analisando nesse exato momento segue um estilo assim, e se é "sandbox" eu não sei, pois to começando a me aventurar em games assim.

      Enfim, see... yah.

      Excluir
    2. Que bom que vc gostou da minha recomendação...
      Hitman é uma das sagas que eu mais gosto,tá no top 5 com certeza...Man pra Hitman vc não precisa seguir uma trilogia,a história se encerra nele msm,mas pra entender melhor o universo eu te recomendaria começar assim...
      Hitman Contracts,Hitman Silent Assassin,Hitman Blood Money,Hitman Absolution,Hitman (2016)...o Hitman Agent 47 (2000) que só lançou pra PC teve fragmentos mais importantes colocados no Contracts que adicionou novas fases,sendo considerado assim tipo um remake e um origins ao mesmo tempo;misturado,mas se quiser analisar o Hitman (2000) tbm será uma boa,mas não é extremamente necessário...
      Onimusha é sem comentários...belo jogo.
      The Warriors,eu te recomendo como amigo dos últimos 3 anos...Vai por mim,é um jogo único,lindo,jogabilidade e história muito boa,nunca te recomendei jogo meia boca,confie em mim...
      The Getaway é um jogo foda tbm,ele é sandbox,mas quando vc joga o modo história,o jogo te limita um pouco à seguir a história;não te dá tanta liberdade como em Gta,história sórdida,triste,com um lindo sotaque britânico e gráficos muito bons pra época...Vc explora uma Londres real,com direito à restaurantes,mercados,joalheria,metrô,estádio do Chelsea...Único jogo sandbox a ter todos os carros de montadoras reais,Renault,Chevrolet,Mercedes,Jaguar,TVR,Peugeot,Citroën,aqueles táxis e ônibus londrinos famosos...Exemplos de marcas famosas no game:Burger King,MC Donalds,Rolex,Puma,Adidas...enfim jogo lindo também,mas resta a vc querer jogar ou não.

      Excluir
    3. Sr, irei jogar The Warriors, mas acho que só depois de Hitman rs... eu quero muito matar a galera na surdina, principalmente depois de Prototype.

      Vou ver o Gateway também... não me atraí pelos carros (eu sou péssimo com carros) e espero que não tenha de analisar essas empresas tudo (imagina a bíblia)... mas vou jogar sr. Obrigado pela recomendação e, consideração.

      Até mais sr... acho que vou conhecer Londres também!!!

      Excluir
    4. Pra mim Hitman é o melhor jogo stealth já feito,ele é um Stealth puro e cru na essência.
      Não precisa analisar as empresas;e os carros são usados mais pra se locomover pela cidade,às vezes você tem que perseguir alguém né,mas treinando resolve,você pode andar à pé também mas demorar 10 anos pra chegar ao destino kkkkkk.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+