PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

AnáliseMorte: Tomb Raider - Sob a perspectiva da Sobrevivente.

Tomb Raider


Bora falar desse jogo, desenvolvido pela Crystal Dynamics e lançado pela... Square Enix. 

Mas não se assuste, não é um RPG, então pode ler despreocupado que essa análise não será enormemente gigantesca, mas terá spoilers.

Boa leitura!


Tomb Raider é um título famoso, de uma franquia muito famosa no mundo dos vídeo games, onde a protagonista sempre é Lara Croft, uma caçadora de tesouros / historiadora / arqueóloga / ginasta. 

A franquia é enorme, mas eu só conheço a fundo 5 jogos, sendo da geração "Dynamics". Antes deles, existiram vários jogos feitos pela Core Designe pra consoles da Sony (PlayStation), Sega e Windows. Como nessa época (o primeiro TR da Core Designe saiu em 1996) eu era "nintendista", eu não tive o prazer de jogar com a moça de seios poligonais (eu jogava com a moça que virava bola), e a primeira vez que conheci a franquia, foi pelo PC, através do Remake do primeiro jogo, lançado pela Crystal Dynamics e intitulado "Anniversary". 



Eu até tentei jogar o original, e fazer análises numa ordem cronológica de lançamento, mas a versão de PC do primeiro Tomb Raider é um port bem mal feito, e difícil de engolir. Então, ao invés de fazer analises cronológicas, eu vou fazer algo randômico, parecido com as análises de The Legend of Zelda.



Há uma ordem cronológica real pra franquia, e eu irei falar dela um dia, depois é claro de me aprofundar individualmente nos games que a compõem, começando pelo início de tudo: Tomb Raider, de 2013.



O primeiro jogo, cronologicamente, seria este lançado para multiplataformas em 2013. Ele é atual, é diferente, foi um daqueles jogos vendidos como "reboot", mas na verdade ele é um início pra franquia, um início da personagem principal. Neste jogo é explicada a motivação da personagem, e é mostrado como ela começou a trilhar o caminho da "Tomb Raider" (algo traduzido livremente pra "Assaltante de Tumbas").

Apesar de eu não conhecer a franquia por inteiro (já joguei as versões da Core Designe, mas não até o fim) eu me sinto confortável em afirmar que este é o primeiro TB cronologicamente, não apenas por esta ter sido minha primeira impressão ao termina-lo, mas também por como foi desenvolvido. Os desenvolvedores fizeram de forma apaixonada a lição de casa, e nos créditos eles fazem questão de registrar isso, citando e agradecendo o suporte de dezenas de sites dedicados à Tomb Raider, de todo o mundo, todos eles vistos e estudados pela empresa. 



Eu sempre vejo os créditos de games quando zero (acredito que a experiência só se completa após assistir todas as letrinhas) mas nunca me atentei aos vários nomes, exceto dessa vez (e da vez do NieR Automata em que tive de matar um monte deles... e na vez do Undertale em que tive de esquivar de um monte deles) em que chamaram minha atenção mostrando fotos da equipe. Perto do fim, eu reparei um monte de nomes de sites e fan-sites de nacionalidades diferentes, todos dedicados à Tomb Raider, algo que evidencia o emprego e a dedicação dos caras pra criar um início digno e desprovido de incoerências cronológicas.



Lara Croft em TB 2013 não é uma ginasta ninja que luta contra dinossauros, monstros, zumbis, exércitos armados até os dentes, deuses, tubarões, ou qualquer criatura hostil e letal. Aqui ela não é uma exploradora de túmulos e templos misteriosos e repletos de armadilhas, aqui ela não é uma versão feminina e bem mais habilidosa do Indiana Jones. Aqui, ela é uma moça de berço de ouro que se sente atraída por mistérios, tem bons instintos herdados de seu pai, e está em sua primeira expedição rumo ao desconhecido, porém totalmente descrente.

Inocente e Cética, essa é a moça que, depois desse jogo, se converte em tudo que é visto nos demais jogos. Todo "Tomb Raider" mostra Lara lutando contra pessoas e animais no início, e mergulhando num furacão de lendas e mitos com criaturas surgindo. Os jogos são assim, com Lara fazendo o possível pra provar que determinado mito é real, ou ao menos descobrir o máximo sobre ele e separar o que é verídico e o que é falso. Curiosamente, tudo sempre começa de forma natural, com a maior a ameaça sendo animais violentos, pessoas armadas ou armadilhas de templos, e terminando com magia, monstros, criaturas sombrias ou antigas e muito sobrenatural. 



A fórmula é a mesma neste game, porém, as coisas se voltam mais pra própria Lara e sua formação como uma verdadeira Croft, explicando de forma totalmente plausível a razão dela ser tão astuta, forte, inteligente e dedicada, além de deixar claro a razão dela ser tão obcecada por seu pai, algo que é lembrado em todos os demais jogos da franquia.


Mas agora focarei apenas no TB (não vou falar 2013 o tempo todo afinal, a análise é sobre ele).


Jogabilidade


TB é um jogo de Ação, Exploração e Tiro. Há elementos de puzzle, mas são em grande escala, com mecanismos em templos, bloqueios de portas e afins, ou seja, enigmas ambientais que precisam ser solucionados pro mapa ficar acessível, como bolar um jeito de explodir uma porta, sem aqueles enigmas coloridos ou codificados. Há também um sistema de level, com habilidades físicas liberadas ao longo do jogo, mas não chega a ser uma referência ao RPG, e sim uma característica de desenvolvimento do personagem em um jogo de ação.

Também tem momentos de Quick Action, com botões aparecendo pra apertar rápido ou em sequência pra algum evento se consolidar, algo até bem comum em jogos de ação e aventura.



E há elementos Stealth, mas é opcional em boa parte do jogo (se você decide enfrentar geral, você acaba fazendo com que os inimigos convoquem reforços, e a luta fica mais difícil e com mais inimigos do que se fosse pelo modo stealh, na surdina. Mas tem momentos em que nem da pra lutar, pois é morte instantânea se for visto.)



A personagem, srta Lara, é uma aspirante à sobrevivente, perita em Escaladas, Primeiros Socorros, Manuseio de Armas de Fogo, Arco e Flechas e dotada de grandes Instintos, além de ter facilidade em se adaptar à situações extremas, podendo fazer os seguintes movimentos:



Andar, Correr, Esquivar, Abaixar, Pular, se Pendurar e se Equilibrar. 



Lara não pode cair de muito alto caso contrário morre na hora, e há vários momentos em que ela pode morrer por um simples deslize (com direito a cenas chocantes). 



Ainda assim, ela resiste bastante, e conta com uma regeneração automática de energia vital.



Não há "Barra de Energia", e a situação vital da personagem é ilustrada pelo estado da tela e vibração do controle (caso esteja jogando com controle). A tela escurece aos poucos, ficando totalmente acinzentada quando a personagem está prestes a morrer. Além disso, surgem marcas de ferimentos e manchas de sangue, e as vezes há desfoque de imagem. 



Só que por mais ferida que a garota esteja, ela se recupera aos poucos. Ela fica mais lenta e fraca quando machucada, mas em poucos segundos parada ela se regenera completamente. Porém, há momentos em que ela sofre danos grandes de mais (pelo enredo) e custa a se recuperar, exigindo repouso, medicamentos ou simplesmente muita paciência e força de vontade.



Ao longo da aventura, da pra recolher Artefatos e ganhar experiência analisando-os. Além disso da pra encontrar Documentos (que explicam melhor a história), Frutos pequenos e Carnes (após matar algum animal), tudo isso oferecendo experiência (o que serve pra desenvolver habilidades).




Também há caixas que dão fragmentos, que somam no inventário e podem ser utilizados pra aprimorar as armas.




Há também Flechas e Munições, expalhadas por toda parte, que Lara pode recolher mediante seu limite máximo. Esse limite pode ser expandindo ao aprimorar as armas e a personagem (as armas passam a suportar numeros maiores de munição e a moça aprende a otimizar os bolsos e suportes em sua vestimenta conforme ganha experiência).



Lara conta com um Instinto de Sobrevivência, que mostra pra ela enquanto ela ficar parada, todos os pontos com algum objeto pra recolher, inimigos, animais, ou interativos. Além disso, esse instinto mostra seu destino atual, o que facilita muito a navegação (nem há necessidade de olhar no mapa com isso).



Ela consegue equipamentos e armas importantes e muito úteis, que são essenciais para prosseguir na história. Cada um desses itens atribui movimentos extras pra Lara, alguns também servindo muito bem pra hora de lutar.

Arco



A primeira arma de Lara é o Arco e Flechas, que ela encontra no comecinho do jogo, tirando de um cara morto, e pode melhora-lo com o tempo. Ela também acha outros arcos, mas um substitui o outro automaticamente, mantendo os upgrades do anterior (isso ocorre com todas as armas, quando são substituídas por melhores).



Com o Arco ela pode Mirar e segurar o disparo por um tempo (esse tempo depende da qualidade e aprimoramento do arco, e a garota acaba soltando a corda quando não aguenta mais segurar, fazendo um disparo involuntário). Ao soltar, a flecha vai totalmente em linha reta, causando um grande dano, sendo inclusive letal caso acerte na cabeça do alvo.



Uma vantagem do arco é o fato dele não fazer barulho algum. Isso facilita na hora de atacar inimigos na surdina, mantendo-se escondido.

Machado



A segunda arma que ela consegue é o Machado, que inicialmente serve apenas pra arrombar fechaduras e baús, além de servir de Alavanca as vezes. Ela encontra em um "açougue" improvisado, e passa a usa-lo até substituir por um melhor com um amigo.



Quando ele é substituído pelo Machado de Escalada, mantém as mesmas funções, porém também serve pra escalar rochedos esbranquiçados.




Ele também pode ser usado de apoio pra descer em tirolesas, algo essencial pois Lara escala pra caramba, e tudo que sobe precisa descer.


Esse equipamento se converte em arma, só quando Lara aprende movimentos especiais, ao passar de level e distribuir seus pontos de experiência nas habilidades de Combate e Sobrevivência correspondentes a ele. Ele pode inclusive se converter na arma mais letal de seu arsenal, podendo matar inimigos em um único golpe.



É possível finalizar os alvos, chegando de fininho por trás e enforcando-os com o arco, mas isso leva tempo. Com o machado e a habilidade de finalização respectiva liberada, a moça chega degolando numa machadada só.


Pistola



A terceira arma obtida é a Pistola, que faz disparos precisos e rápidos, e dependendo do aprimoramento chegam a ser mortais. A moça consegue após matar o primeiro carinha, em auto-defesa. A galera que ela mata  depois disso é pra sobreviver...




Mas, a pistola consome munição e munição não pode ser recuperada. Com o arco por exemplo, é possível recolher as flechas de volta do corpo dos inimigos, isso se a habilidade de sobrevivência respectiva tiver sido liberada, mas com a Pistola isso já não é possível... em contra-partida, todo inimigo parece levar consigo alguns cartuxos extras de munição então, da praticamente na mesma (só que sempre é preciso ter a habilidade liberada pra surtir efeito).


Apesar de fazer barulho, a Pistola pode contar com um Silenciador (depende de aprimoramento) e ganha uma funcionalidade semelhante a do arco. Porém, a pistola faz disparos rápidos, o arco já tem todo o esquema de mira, puxar cordinha e disparar, o que faz dele melhor nas horas de stealth. Ela também tem a vantagem de poder ser usada paralelamente a Tocha, mas isso só vale a pena no inicio do jogo, onde tochas só podem ser acesas através de fogo produzido por terceiros, e é preciso manter o fogo aceso e vivo a todo custo, algo que torna-se indiferente pois Lara obtém logo no começo, um item que ajuda a fazer fogo nas tochas sem pré-requisitos.


Metralhadora 



A quarta arma é a Metralhadora (rifle na verdade, mas eu chamo de metralhadora), que faz disparos bem mais rápidos mas sem precisão alguma, com um recuo enorme. Mesmo quando aprimorada ao máximo, seus disparos comuns são bem difíceis de controlar, então ela não é uma boa arma pra lutas rápidas, sendo melhor pra momentos de guerra (e vira e mexe rola umas batalhas bem intensas, que são verdadeiras guerras). Lararecolhe a sua de um dos inimigos mortos.



Lança Granadas



Ela também serve como Lança Granadas em certa parte do jogo (a moça faz uma gambiarra encaixando um Lança Granadas com fita isolante no cano da metranca), o que faz dela uma excelente arma pra lutas contra hordas de inimigos. Ela pega essa arma ao acaso e a usa pra matar todo mundo.


Espingarda



Por fim, tem a Espingarda (na real é uma escopeta mas eu chamo de espingarda), que causa danos altíssimos, à curta distância. Ela consegue estraçalhar inimigos próximos, mas tem a desvantagem de só causar dano bom de perto. Ela consegue essa arma de um corpo, um soldado japonês que morreu num templo.



Ela também serve pra destruir barricadas, o que ajuda a passar por certos locais, principalmente nos momentos de "escorregador", em que o tempo corre até mais lento pra Lara dar seus tiros.




Alias, com todas as armas, as vezes o tempo entra em "bullet time", só pro jogador se adaptar ao estilo da arma.

Lara também encontra coisas que a ajudam a fabricar fogo, o que a ajuda a acender Tochas (pra queimar coisas e iluminar o caminho), e em certa parte do jogo, quando ela pega um isqueiro, ela aprende a colocar fogo nas flechas e fazer disparos incendiários.



Há as Cordas, que ela utiliza junto com o Arco e Flechas pra improvisar tirolesas (usando o machado pra se pendurar e descer rapidamente, porém de forma segura). 




E também, pra puxar objetos.



Tudo isso são os movimentos que Lara consegue fazer, e serve de resumo pro gameplay, onde é preciso usar a cabeça e descobrir quais movimentos devem ser utilizados nos momentos certos, pra superar obstáculos, eliminar ameaças, caçar ou obter experiência.

Durante sua aventura, Lara encontra vários acampamentos simples com fogueiras, as vezes acesas, as vezes não. É nestes acampamentos que ela se abriga, o que permite acessar o menu de upgrades, de habilidades (todas são passivas e ficam ativas na personagem permanentemente após liberar) e o Fast Travel (que permite viajar pra outros acampamentos já descobertos). 



É também nessa hora que o progresso é salvo, automaticamente (é criado salvamentos provisórios automaticamente só em avançar na história, mas esses acampamentos criam o save fixo). Além disso, Lara faz seu Diário, citando os eventos mais importantes em algumas fogueiras específicas.

Também há momentos em que Lara assiste vídeos em uma câmera digital que sobreviveu a tudo o que ocorreu, mas isso só serve pra explicar melhor o enredo e os personagens, e não há momento melhor do que agora, pra falar deles:

Personagens

Lara Croft





Estranho isso, geralmente não falo os sobrenomes pois nunca lembro, mas não da pra não lembrar o sobrenome dela. "Lara Croft" por várias vezes ao longo da franquia vem antes mesmo de "Tomb Raider", então a protagonista de fato intitula seu game, sempre.



Pois bem, Lara é uma moça de família rica, porém órfã. Como pode isso (Síndrome de Batman)? Bem, seus pais morreram e ela herdou a grana junto com o nome da família. Lady Lara Croft, a última Croft. Seu pai era um grande explorador, o "Tomb Raider" antes dela, e ele sempre acreditou em coisas místicas e em lendas, sendo taxado como louco por muita gente.

Isso fez com que sua filha o desaprovasse e enxergasse em sua crença, pura alienação. Lara passou a rejeitar o jeito de seu pai pensar e agir, e buscou por seus próprios métodos investigativos. Seu pai morreu investigando os mistérios que ele tanto acreditava, o que reforçou a raiva cética de Lara. Mas, ela era uma Croft, e Crofts são viciados em exploração, então ela decidiu ajudar uma colega de faculdade a encontrar terras perdidas e lendárias de seus ancestrais. 



Alias, Lara era inocente, cética, tinha medo de altura (sim, ela fica relutante quando muito alto) e pra variar, odiava Tumbas. 



E é ai que a história de TB entra. Lara está em uma expedição em busca de um reino perdido, algo financiado pela família dessa amiga de faculdade, e junto com uma enorme equipe de pesquisas, Lara praticamente lidera a expedição.

Só que, tudo da muito errado quando ela acerta. Basicamente, o reino estava perdido pois a galera que procurava ia pro lugar errado. Lara descobriu que no meio de um turbilhão não mapeado, haviam vários eventos que coincidiam com as lendas sobre o reino, então ela convenceu a maioria de seus colegas a visitar as águas turbulentas do tal local, resultando num naufrágio. 



E é ai que Lara começa a se transformar numa sobrevivente, pois logo de cara ela já é posta à prova, sendo sequestrada por um nativo, colocada pra morrer, ferida por um ferrinho que atravessa sua barriga, depois passando por desabamentos, explosões, entrando numa cova de lobos e os enfrentando. 

Ela até tenta conseguir ajuda externa, e é quando descobre que é impossível deixar a ilha, pois algo protege a  mesma, convoca tempestades e muda o clima esporadicamente.

Então Lara começa a enfrentar seres humanos, quase é estuprada mas mata seu primeiro homem, depois começa a matar geral, passa por escaladas aerofóbicas, assiste o fim de seus colegas de pesquisa, escala, pula, pendura, explode, derruba, metralha, mata, e no fim, ela enfrenta um fanático religioso, um samurai gigante zumbi, e uma rainha múmia que tentava possuir o corpo da sua colega de faculdade, tudo isso enquanto investiga a ilha (visitando tumbas inclusive, achando tesouros e afins) e busca alternativas pra sair de la.



No final da história, Lara passa a acreditar no místico e sobrenatural, e passa a ter a mesma visão de seu pai, acreditando que no mundo racional, as lendas são regadas por imaginação, porém tudo tem origem de alguma coisa, e ela se dedica a partir de então, a caçar as lendas, investigar os mistérios, descobrir o que é verdade e o que é mentira, e assim, chegar mais perto do que seu pai queria encontrar. Ela vira uma violadora de tumbas.

Sam



Essa garota é a tão mencionada colega de Lara. Ela ta no Endurance, a embarcação da expedição, fazendo um documentário sobre a mesma e sob o pretexto de encontrar as terras perdidas de seus ancestrais.



Ela não é completamente japonesa, com uma origem mista, mas ela acredita muito nas histórias que sua avó contava, e acredita que "Himiko", uma rainha antiga ligada a sua família, de fato existiu e está enterrada em algum lugar do mundo, em uma cidade antiga chamada Yamatai.

Lara a ajuda a chegar até esse reino perdido, mas por conta disso Sam acaba virando alvo dos nativos. Eles, auto-intitulados "Solaris" seguiam uma religião que cultuava Himiko, acreditando em seu poder sobre a ilha. No caso, Sam tinha sangue real, e é uma opção pra sacrifício à rainha/deusa. No fim, ela quase se transforma na nova deusa, mas depois falo disso...



Ela não aparece tanto, e quando aparece é pra ser sequestrada de novo, e é tipo "A princesa do jogo". Lara preza muito por ela, razão pela qual se arrisca tanto pra recupera-la.

Roth



Amigo próximo do falecido pai de Lara, esse cara é quase como um pai pra ela.



Ele acompanhou a moça em várias viagens e escaladas, e ensinou bastante coisa pra ela, pode-se dizer inclusive que ele é seu principal tutor. Ele faz parte da equipe de exploração formada para os fins da família de Sam, e ele é um dos líderes também.



Roth carregava consigo duas pistolas, e também era um ótimo franco atirador, algo que demonstra ao dar cobertura pra Lara, com um rifle que encontrou na ilha. Ele sobreviveu, com uma perna totalmente ferrada, a um ataque de lobos, e assassinos, mas no fim se sacrificou pra salvar a moça.



Roth morreu com uma machadada nas costas, protegendo Lara, e foi sepultado como herói, tendo seu corpo queimado. Detalhe: A morte poderia facilmente ter sido evitada se não fosse o maldito piloto do helicóptero que não deu ouvidos à Lara. Tipo, tem uma parte do jogo que Lara consegue entrar em contato com um helicóptero, logo após ter entrado em contato com um avião. 

O avião de resgate caiu pra uma tempestade que surgiu do nada e geral nele morreu, daí Lara percebeu que não dava pra sair da ilha, enquanto não descobrisse de onde as repentinas tempestades surgiam. Quando o helicóptero chega, ta rolando mó matança e tiroteio, e só Roth e Lara conseguem ir à bordo, e o piloto começa a ir pra fora da ilha, quando a tempestade surge do nada. Lara praticamente implora pra ele pousar o helicóptero pois ia dar tudo errado, mas ele ignora e ai, da tudo errado, o helicóptero cai, e esse maldito piloto morre. 



Apesar de Lara e Roth sobreviverem, um bando de assassinos Solaris aparecem e começam a atacar, e Roth mata a maioria, mas um deles joga um machado na direção de Lara e o cara pula na frente, abraçando e protegendo ela. É triste, uma morte desnecessária (como as demais, você verá) mas isso fortalece Lara.

Alex



O Nerd da expedição, provavelmente era o responsável pela eletrônica.



Ele era um cara tímido que tinha uma queda pela Lara mas, fazia questão de esconder.



Ele morre também, desnecessariamente, protegendo Lara com sua vida. Em resumo, ele foi buscar ferramentas pra mecânica do grupo, que ficaram nos destroços do Endurance. Mas, um monte de Solaris invadiram o barco e ele acabou preso em ferragens. Lara foi ajuda-lo, mas nos momentos finais, um monte de carinhas maus aparecem e atiram, e pra salvar a moça, ele da as ferramentas e pede pra ela fugir. Ele explode a câmara em que estava dando um tiro num escapamento de gás, matando os caras malvados e explodindo boa parte do navio.



É curioso que todas as mortes que ocorrem são de certa forma ligadas a Lara e sua reação lerda, algo que ela melhora justamente por esses traumas. Durante o gameplay, Lara é mó matadora, usa e abusa de armamentos pesados e derrota dezenas de carinhas numa tacada só e sozinha. Mas nas cutscenes ela sempre hesita ou acaba vacilando, e isso causa a morte da galera. Se fosse possível jogar nessa cena, Lara mataria os caras (eram só uns 4), pegaria Alex nas costas e sairia assoviando.

Grim



Outro amigo do pai de Lara, ele era o capitão do Endurance, que havia sobrevivido ao naufrágio.



Ele era idoso, mas era casca grossa, lutava até não restar mais energia e ainda assim, continuava lutando. Sozinho, ele peita um exército de solaris e vence, mas quando Lara chega, ele acaba se sacrificando por ela.



Resumindo, Lara encontra Grim encurralado numa favela improvisada na ilha, cheia de andaimes e elevadores de carga. Daí, ela precisa chegar até ele, e quando chega, um monte de inimigos aparecem e começam a atacar tanto ela quanto Grim. Mas, chega uma parte em que um deles pega Grim como refém e tenta desarmar Lara, que quase o faz, só que pra impedir que ela baixasse a guarda, Grim morde o cara, desarma ele, tenta lutar e acaba se jogando junto com ele da plataforma pra um abismo. 



Não é mostrado seu corpo, e tudo ocorre bem rápido, mas ele não tinha como sobreviver à altura. Ele é alias o primeiro membro do Endurance que Lara testemunha a morte, pelo menos alguém próximo dela, e logo em seguida, aparece Roth dando suporte de longe com o rifle. Se ele tivesse chegado 10 segundos antes, teria salvo Grim.

Reyes



Essa é a mecânica do Endurance, e é uma moça meio rude, que parece não gostar de Lara, só parece, pois na verdade ela só da uma de durona pra proteger e educar a garota.



Ela é mãe, e alias, sua filha é filha do Roth (ambos tinham um caso mas não era oficial), por isso ela fica extremamente abalada com a morte dele, chegando a culpar (por pouquíssimo tempo) Lara, e também, ela fica desesperada pra sair da ilha o quanto antes (mesmo contra os ideais e avisos de Lara, mas tudo muda depois, por causa de um evento ruim) pra voltar pra sua filha.



Reyes sobrevive à expedição, e no fim, ela se da bem com a Tomb Raider.

Whitman



O segundo pesquisador que estava no Endurance, tecnicamente o verdadeiro líder da expedição, porém ignorante que só. Whitman é um traidor, que visa tudo em benefício próprio. 



Ele sobrevive ao naufrágio e se junta aos demais tripulantes, porém em pouco tempo ele vê as inúmeras possibilidades arqueológicas na ilha e secretamente, se une ao vilão pra sequestrar Sam.

Ele fica agindo por trás dos panos, e engana todo mundo, exceto Lara que percebe de longe a falsidade dele, apesar disso não ajudar muito. Eles não se davam bem mesmo antes do acidente então, o grupo fica incerto sobre em quem acreditar e confiar. Mas bem, no final, é tecnicamente graças a Whitman que as coisas dão certo.



Whitman traiu Lara logo de cara, desarmando-a e entregando-a pros Solaris, só pra conseguir uma audiência com o manda chuva. Depois disso ele vira um vira-casaca geral, sumindo e reaparecendo sempre que é conveniente, como no final, onde Sam é resgatada, mas ele aparece fingindo estar fugindo e se une ao grupo.

Daí quando Lara sai pra vasculhar umas tumbas, ele convoca os Solaris secretamente e enquanto eles atacam o acampamento, ele foge com Sam, levando-a direto pro vilão do jogo.



Só que, graças a isso, Reyes é ferida no braço e fica abalada de mais, dando ouvidos à Lara. Antes disso, ela tava determinada a usar um barco que ela estava restaurando pra sair da ilha, mas depois desse evento, ela para de relutar e concorda com Lara em usar o barco pra ir até o centro da ilha, onde um templo com a fonte das tempestades se encontrava, e partindo dali, ela poderia desfazer a maldição da ilha, que prendia a galera la. Logo, se não fosse a traição de Whitman, Reyes dificilmente concordaria com essa viagem pro centro da ilha.



O cara morre por sua ignorância, pois acredita que os estranhos soldados do templo central da ilha eram nativos antigos, e tenta convence-los que Sam é sua nova rainha. Ele é esquartejado, servindo de mera distração pra que o vilão passasse com Sam pelos tais guardas, que na verdade eram zumbis.

Jonah



Bem, por fim, no elenco dos sobreviventes, temos Jonah, um cozinheiro com pinta de surfista ao estilo havaiano, gordinho, forte, alto pacas, e supersticioso numa dosagem aceitável.



Ele é o primeiro a concordar com Lara sobre a situação "amaldiçoada" da ilha, e diz ter sentido energias estranhas. No fim, ele é o melhor aliado dela, apesar de mal andar com ela.



Jonah, Reyes e Alex haviam sido capturados durante um pequeno massacre que ocorre no início do jogo, e Lara os ajuda a fugir. Este é um dos poucos momento em que Jonah e ela interagem no meio da ação, e o cara tava o tempo todo enjaulado. Mas, tudo leva a crer que eles se davam bem, e alias, ele tinha um enorme respeito por ela, chamando ela de formas carinhosas como "Minha pequena princesa".



O Arco mais potente do jogo é dado por ele, e no final, ele é um dos sobreviventes à expedição.

Mathias



Mathias é um cara do mundo externo que acabou indo parar na ilha, ficou preso, e se converteu em um religioso fanático, o qual criou uma seita chamada "Os Solaris" com os sobreviventes de outros naufrágios. Ele fez lavagem cerebral em todos os homens que encontrou, colocando-os em processos de seleção cruéis que envolviam confinamentos, fratricídios, e tortura psicológica e física. Quem suportasse ficava ignorante e temente o suficiente para segui-lo em toda sua loucura.



As mulheres, ele oferecia de tributo a deusa, queimando-as vivas. Somente aquela que sobrevivesse ao fogo estaria apta a se converter na próxima encarnação da deusa. Isso ocorre com Sam, pois uma ventania (criada pela deusa) apaga o fogo antes de toca-la.



Enfim, Mathias até aparece no comecinho, conversando com Lara e Sam em um acampamento improvisado, mas Lara desmaia e quando acorda, descobre que o desgraçado sequestrou Sam. Depois disso ele só aparece em meio a seita, liderando seus fieis e seguidores, travestido de pastor, com cajado e capuz. 



Ele morre, na luta final contra Lara, que usa duas pistolas especialmente nessa hora (uma referência póstuma a Reith e ao mesmo tempo, à Lara Croft dos jogos anteriores, que usa duas pistolas, sua versão do futuro, mas depois falo disso).



O objetivo dele era simplesmente trazer a deusa Himiko de volta à vida, e usar seus poderes (domínio sobre o clima) para controlar o mundo, e sair da ilha. Os Solaris eram formados por caras de múltiplas nacionalidades, mas os "Russos" eram os mais temidos dentre eles, os quais eram violentos e ao mesmo tempo os mais fieis a ele. Curiosamente, foram os primeiros massacrados por Lara (um deles tentou estupra-la e foi a primeira morte humana dela).

Himiko



Por fim, temos a Himiko, uma rainha que reinou sobre Yamatai e trouxe prosperidade durante todo o seu reinado. A moça realmente existiu, e foi a primeira figura feminina poderosa na história do Japão, em meados de 180 DC à 250 DC. O que se sabe é que ela comandou no arquipélago hoje conhecido como Japão (na época, as ilhas eram países independentes uns dos outros, mas cerca de 100 deles adotaram Himiko como sua soberana), sendo Yamatai o reino mais bem sucedido dentre os demais, graças a ela.

Himiku conseguiu tal poder político graças ao seu lado espiritual renomado. Ela era uma xamã, conhecida e reconhecida por feitos espirituais como expulsar maus espíritos e demônios, alias, todo xamã era respeitadíssimo, afinal a base do xintoísmo (uma das religiões mais predominantes no Japão desde sua formação) é o espiritualismo. Sua influência religiosa facilitou sua assunção, mas foi sua forma de reinar que registrou seu nome na história. Ela era conhecida pela prosperidade e ordem que trouxe, junto à sua diplomacia e forma pacífica de lidar com os demais reinos.



Detalhe que ela presidiu meio que no anonimato, mantendo-se omissa e protegida por suas 1000 "irmãs" (assistentes) e seu "irmão" (assistente), que era sua voz pública. Se não fossem os títulos que ela recebeu pela china mediante sua notável diplomacia premiada, seria ainda mais difícil provar sua existência. Isso só atesta o quão icônica ela foi, ao ponto de resistir ao inevitável esquecimento pelo tempo.

Após sua morte, ela foi enterrada em um colossal mausoléu, e em seu lugar reinou uma figura masculina, que simplesmente não funcionou bem pra Yamatai. A prosperidade só retornou quando uma moça, com parentesco com Himiko (Iyo, jovem de 13 anos), assumiu o trono, e é dai que a lenda do jogo surge.

Tipo, Himiko é uma das pouquíssimas pessoas que sobreviveram às perdas do tempo e teve seu nome lembrado até os dias atuais. A maioria dos registros dos primeiros séculos do Japão se perderam com o tempo, mas Himiko e Yamatai se mantiveram presentes na história. O problema é que ninguém sabe onde ela foi enterrada, muito menos onde Yamatai ficava (pode ser qualquer uma ilhas do Japão). Sabe-se que existiu, há registros chineses e coreanos que coincidem uns com os outros, e também há artefatos arqueológico japoneses que reforçam sua existência, mas nada que indique onde as terras ficavam, ou onde o túmulo está.

Alias, apesar dela ser famosa e reconhecida atualmente, isso se deve aos historiadores, arqueólogos e estudiosos que descobriram sua existência. Por muito tempo, a elite política japonesa preferiu ignorar e rejeitar a ideia de que uma mulher, xamã ainda por cima, foi a primeira grande líder feminina japonesa, isso pois no Japão antigo, mulheres sempre tiveram um lugar abaixo dos homens e, até mesmo nos dias de hoje, a cultura trata as mulheres de uma forma bem inferior, sem contar que reconhecer um líder político justamente por sua religião, em um pais que adota o budismo tanto quanto o xintoísmo, não é algo bem visto.



O Reino Perdido de Yamatai e a Rainha Xamã Himiko é o foco da expedição de Lara, algo que ninguém jamais encontrou (isso no mundo real mesmo) e que ela achou, por ser esperta e procurar no lado oposto ao que todo mundo busca. Só que, ela não só encontra Yamatai, mas também a própria Himiko, em carne e osso, mumificada, porém ela permanecia viva em espirito. 

Himiko é praticamente uma deusa do tempo, pois pode invocar tempestades e alterar o clima a bel-prazer, essa característica no jogo tem como base o fato da rainha ter sido xamã. Eles tecnicamente exageraram um pouquinho, e deram um poder monstruoso em que ela, mesmo estando "morta", era capaz de bloquear qualquer entrada e saída de sua ilha, usando tempestades. Isso também é usado pra explicar toda a prosperidade histórica que a rainha trouxe ao seu povo, onde com o poder de controlar o clima, teria ela ganhado e provido o domínio sobre colheitas e controle territorial. Claro que isso ignorou totalmente o lado pacífico e diplomático da rainha, transformando-a num tipo de entidade maléfica egocêntrica, extremamente poderosa misticamente. 



E pra variar, a rainha-deusa-xamã meio que alcançou a vida eterna, através de transferência de consciência. Ela selecionava uma herdeira, e através de um ritual passava seu poder e espírito pro corpo da escolhida. Nesse processo, sua alma ia junto, e ela se rejuvenescia em um corpo novinho em folha, e à sua escolha. Tudo isso é pra explicar o fato de Yamatai ter falido quando um cara assumiu após Himiko, mas ter voltado a prosperar com o reinado de uma parente dela. Logo, é como se ela tivesse reencarnado em sua herdeira, pra assim continuar seu sábio e eficiente reinado. 



Pif... apenas a ideia de mulheres serem melhores na administração e mais sábias não basta, ou a possibilidade de sua herdeira ter seguido seus ensinamentos e conduta, recuperando assim a glória de Yamatai, não, explicações lógicas não bastariam, era preciso "insultar" a imagem da rainha, transformando-a em uma entidade vilanesca que toma vidas, para assegurar sua longevidade. Ta certo que ela foi enterrada com uma centena de suas serviçais, sacrificadas em seu nome... mas ainda assim, a personagem que conhecemos aqui é pura maldade, exigindo através de Mathias seus inúmeros sacrifícios femininos (em busca de um corpo novo) e também, causando centenas de mortes por pura raiva.



Meu, só pra ver o quão má ela era dentro da personificação de TB, um dos seus samurais guardiões (o general mano... o general!!!) cometeu seppuku (suicídio ritualístico e honrado) só pra não segui-la na eternidade (após descobrir que ela tava condenada... já explico), deixando seu próprio exército para servi-la como zumbis por toda a eternidade... pois é. Alias, bora falar deles...

Inimigos

Guarda do Trovão

Os inimigos mais poderosos do jogo são sem a menor sombra de dúvidas a Guarda do Trovão, os eternos guardiões da Rainha Himiko, que por conta de seu juramento de eterna servidão, viraram zumbis samurais de armadura e tudo mais.



Eles usam armas antigas como Lanças, Katanas e Arcos&Flechas, mas ainda assim são mais fortes do que soldados russos armados até os dentes. Só que, pra Lara eles meio que são papeis, pois ela elimina praticamente qualquer coisa que ela desejar (ela é muito forte).



O último chefão, tecnicamente, é um Guarda do Trovão tamanho GG, que esmaga qualquer um com uma única marretada. Em uma parte do jogo, Lara testemunha um massacre provocado por ele, e se o jogador vacilar, pode ser uma das vítimas (esmagado numa tacada só). 



Ele quase é enfrentado por algumas vezes, mas Lara sempre da sorte e ele acaba saindo de campo, como na vez em que ele simplesmente voa por causa de um vendaval provocado por Himiko (alias, a rainha adora se auto-boicotar, pois muitos dos inimigos do jogo, servos dela, são mortos por causa dela, e suas constantes tempestades). 



Mas no fim, no meio de uma verdadeira guerra, o monstrengo reaparece e ai não tem como fugir. Mas ele é fácil de derrotar (nessa parte Lara já ta perita no abate) e ai, rola uma lutinha boba contra o carinha religioso e fim de jogo.

Solaris

Além desses personagens e vilões, há um monte de soldados (Os Solaris) mas, todos são praticamente a mesma coisa: carinhas armados do mal.



Existem tipos diferentes, como os Russos, que são os mais temidos porém os primeiros massacrados: Um tenta estuprar Lara, e ela o mata com um tiro no olho.



Os outros roubam as armas de Lara e a arremessam num lago de sangue (ela que se joga pra fugir mas belê), e quando ela os reencontra, recepciona com a morte.



E no fim, luta contra um grandão bombadão no navio naufragado, que ela mata da forma mais brutal que o jogador desejar, e toma pra si um equipamento que ajuda a puxar cordas.



Tem os Solaris em treinamento, que são uns coitados anoréxicos jogados na prisão, que também é uma caverna cheia de uns gases explosivos, local que ela chega depois de passar pelo lago de sangue, e onde ela encontra os amigos aprisionados. 



Esses carinhas nem deveriam contar como inimigos já que eles aparecem pra tentar matar, mas são mais fracos do que os animais... alias...

Animais

Tem animais, mas apenas os Lobos são agressivos (e depois que Lara entra na toca deles e mata um na facada, eles dão uma diminuída nos ataques). 



Tem Javalis, Veados, Coelhos, Ratazanas, Aves e até uns Caranguejos, mas só os Lobos são bravos. 



Tem uma parte em que Solaris adestram Lobos e é bem difícil enfrenta-los, mas se  o jogador for de modo oculto, no stealth, os lobos não chegam a ser soltos e da pra matar um a um nas jaulas mesmo (isso... é cruel... mas rende uma exp da boa!)



E bem, por fim... não, é só isso mesmo. Não há um número gritante de vilões ou inimigos, e o desafio mesmo fica pras escaladas e peripécias de Lara, passagens por armadilhas e enigmas, e as guerras contra as hordas de carinhas armados. 

No final, a fórmula é até que bem simples: Explora, Atira, Explora, Foge.

Então, bora pra história? Lembrando que eu já revelei bastante ao longo da análise então, vou resumir o máximo que der:

Tomb Raider


Primeiro Dia: Antes do Naufrágio



Lara e sua equipe estão preparando um documentário sobre "A Busca Por Yamatai", financiada pela família de Sam. Então, a aspirante a exploradora deduz por puro instinto, que a cidade de posição desconhecida provavelmente estava em um ponto do mar, conhecido por ser inavegável, devido constantes anomalias climáticas que derrubaram aviões e embarcações que ousaram passar por la, estilo Triângulo das Bermudas.



Porém ignorando de certa forma o unânime número de desaparecidos da região, Lara convence a equipe a ir justamente pra la, e acontece dela estar certa, Yamatai estava la. Porém, sua embarcação de nada tinha de especial, e ela vira mais um número nas estatísticas.



Praticamente todos sobreviveram, exceto é claro o Endurance que acaba partido ao meio e encalhado na bahia da ilha tão procurada. Lara por pouco não morre afogada, sendo a única que não fugiu pelo bote salva-vidas e foi jogada por pura sorte na praia. Ela até vê seus companheiros ao longe, chama por eles, mas é nocauteada por alguém.


Segundo Dia: Gel Super Forte



Lara acorda pendurada pra baixo, depois de ser arrastada pelo anônimo agressor. Ela é pendurada ao lado de outros corpos, o que mostra o quão sortuda ela é (afinal é a única que não foi morta). Daí, ela se balança e consegue escapar tacando fogo em tudo. Porém, na queda, ela tem a barriga perfurada por uma viga (e não pega tétano, nem perfura nenhum órgão vital, sorte não?).



Ferida, ensopada e assustada, ela tenta fugir da estranha gruta pra qual foi levada, e começa a ser perseguida por seu sequestrador, então, ela explode tudo pra fugir, esmagando o cara no processo.



Livre da caverna, ela se vê presa numa ilha paradisíaca, cercada por um cemitério de embarcações. Consigo, ela trazia a câmera de Sam (pela qual assiste os eventos que precederam o naufrágio) e um walkie-talkie (pelo qual recebe uma chamada de seus amigos, dando-lhe esperança para encontra-los), só isso. Então ela vai em busca de alimento, armamento, refúgio e em seguida, descansa. 



Segundo Dia (Noite): Primeiro Contato



Depois de entrar em contato por rádio com seus amigos, ela vai ao encontro deles, e após passar por um açougue ritualístico com toca discos e um clima indígena (onde ela encontra um machadinho), Lara encontra o acampamento, mas só Sam estava la, com um cara desconhecido (Mathias), enquanto os demais estavam procurando Roth. Eles conversam um pouco, Lara sempre hesitante e cautelosa, porém ela desmaia de cansaço e quando acorda, Sam e o estanho sumiram. E ai, o resto do grupo aparece, felizes pela moça que apareceu, preocupados pela que desapareceu e ainda sem o Roth.



Daí eles saem novamente, à procura de Sam e Roth, e Lara fica com o loirinho quatro olhos que ela não curtia. Depois de um tempo eles decidem explorar, e são atacados por um grupo de russos (o loirinho se entrega e Lara é rendida). Eles são levados pra um acampamento, cercados por esses caras totalmente armados e agressivos, e ai um cara aleatório tenta escapar, e começa um massacre. 



Fogo e brasa pra todo lado, Lara tenta escapar, se escondendo e esgueirando, porém um dos russos a encontra e tenta estupra-la. Ela escapa por pouco, tomando sua arma e dando um tiro em seu olho, e depois disso ela começa a matar todo mundo, com seu arco, pistola e machadinho.


Terceiro Dia (Manhã): Buscando Ajuda




Depois de matar um monte de caras malvados, ela foge e encontra Roth, que ela salva de uma alcateia que o havia ferido e tava tentando devorá-lo (mas o cara consegue se defender bem com suas pistolas). Só que, o cara desmaia por seu ferimento na perna, e os lobos tinham roubado os suprimentos e primeiros socorros dele, junto com a bolsa. Então, Lara deixa ele quentinho num refúgio improvisado e invade a toca dos bichos, mata o líder deles, e recupera a bolsa.



Quando amanhece, Roth tá melhor, eles tentam pedir ajuda via rádio pra alguém de fora da ilha, mas o sinal era péssimo, então, surge a ideia de ir até uma Torre de Rádio presente na ilha, e usar ela pra expandir o alcance do sinal e tentar mandar um S.O.S.. A ilha já havia sido habitada por vários outros grupos, incluindo exércitos durante as guerras mundiais e equipes de pesquisas, que tentavam descobrir a origem das tempestades únicas daquela região. Mas tudo estava abandonado, a anos, pelo menos era o que parecia.



No caminho até a torre, Lara encontra centenas de carinhas maus, os quais ela elimina da face da terra sem a menor piedade. Quando chega la, o painel de controle tava todo ferrado e ela precisava fazer uma gambiarra conectando o rádio diretamente na antena, no topo.




Então rola a escalada mais épica da sua vida, numa torre enferrujada e caindo aos pedaços. 



Ela consegue, no fim, pedir ajuda pra um avião que estava fazendo as buscas justamente pela galera do Endurance, e ai ele vai em direção às coordenadas de Lara.


Terceiro Dia (Tarde): As Quedas



Pra ajudar o avião visualmente, Lara decide acender uma tocha gigante, e consegue, com seu jeito pirotécnico. O avião aparece, e bem na hora que vai pousar, uma nuvem negra surge, falando japonês, e derruba o avião na base do raio. A moça fica espantada, pois o céu tava limpo, e da mesma forma que a nuvem surgiu, ela sumiu, repentinamente. 




Daí ela foge do avião que vai pra sua direção... é um dos muitos momentos em que ela sai escorregando e acessa atalhos colossais. Nessa brincadeira ela quase morre, e encontra um dos pilotos ainda vivo.



Ela tenta resgatar ele, e começa uma corrida contra construções antigas desmanchando e desmoronamentos. Mas no fim, nada disso vale a pena pois o piloto acaba morto (assassinados pelos Solaris, os carinhas maus).



Então Lara mata os caras, e encontra Roth, que troca uma ideia e decide se juntar ao grupo, ou ao menos procura-los, mas Lara vê um sinalizador de fumaça do outro piloto, e decide tentar salva-lo, mesmo indo contra a recomendação de Roth.




Na busca ela vai parar num monastério de Yamatai, bem no território dos solaris, onde vê o piloto morrendo pra uma explosão provocada pelos caras maus, e bem na hora que é nocauteada por Solaris pra ser assassinada, surgem os samurais zumbis, matando geral.




Lara, em toda sua esplendorosa sorte, é a única recolhida e pendurada viva, pois havia desmaiado no massacre. Então quando acorda, em meio a vários outros corpos mortos e pendurados, ela se solta, machuca mais um cadinho na queda, e sai da câmara antes do gigante samurai zumbi entrar.




Ela passa a explorar por uma forma de sair de onde quer que ela estava, e descobre que se encontra dentro do monastério, inclusive acaba saindo no mausóleo do antigo corpo de Himiko, coroado e decomposto. Nessa tumba também haviam enormes pinturas nas paredes, descrevendo o ritual de passagem de Himiko.




Então ela encontra mais um monte de Solaris, que também estavam presos no monastério, mata geral, e sai do lugar antes dele se desintegrar por causa do vendaval que mais parecia um tornado.




Ela recebe então um chamado de Sam, por um radio roubado dos guardas que a mantinham prisioneira, e pede por socorro. Lara havia ouvido falar do ritual do fogo a essa altura, e ela estava desesperada pra encontrar sua amiga.




O caminho era longuíssimo, mas Lara da a sorte de quase morrer ao atravessar um rio. Ela confia em pilares de madeira pra se segurar contra a correnteza, mas a força da água faz tudo arrebentar na passagem, e Lara vai rio a baixo.




Pra ajudar ainda mais, ela cai direto na cabine de um avião, suspenso em um penhasco. O vidro começa a rachar e numa questão de segundos, ela pega um paraquedas próximo, equipa, e aciona. 




Pra aumentar a adrenalina o paraquedas falha, e ela é salva pelo emergencial. Daí é só passeio voando, tranquilo exceto pelas árvores no caminho. No fim a parte ruim é a aterrissagem.




O paraquedas fica preso na copa de uma árvore, e Lara solta ele pra poder descer, mas ela se choca com vários e vários galhos, que apesar de machucarem, amortecem a queda, e ela não morre.




Só que ela fica toda quebrada. Por sorte (deus ela é muito sortuda) todo esse evento serviu de atalho e ela sai na cara da Favela, justamente o local onde a base e comunidade dos Solaris ficava, e onde Sam estava sendo mantida. 




Depois de passar por esgotos, lutar um pouco, sofrer com dores, e buscar por algum suprimento medicinal, Lara encontra um isqueiro, esquenta a ponta de uma flecha, e cauteriza suas feridas (a da barriga principalmente).



É ai que ela encontra o velho Grim, o único que tinha escapado da captura (todos os outros amigos de Lara haviam sido capturados). Ele tava lutando contra o exército de malvados e no fim, acaba se sacrificando por ela, caindo num penhasco.



Com isso, Lara continua sua missão de resgate, com suporte de Roth, que havia encontrado um rifle e ainda não tinha achado o grupo, ficando no meio do caminho, dando uma de sniper e cobrindo Lara.




E aí rola a invasão, com Lara indo pela beirada da ponte de acesso ao castelo do chefão, e Roth metendo bala em geral que chegava perto.


Terceiro Dia (Anoitecer): Lago de Sangue



Lara não encontra seus amigos, mas alcança Mathias, e testemunha um ritual com Sam, onde ela quase é queimada viva, mas, como ela era parente de Himiko e a escolhida, o fogo apaga e ela é salva, só pra servir de recipiente depois. 




Então, Lara é rendida, desarmada, espancada, e na hora de ser eliminada, ela se joga de uma ponte, não antes de testemunhar o milagre que salvou sua amiga.



Por sorte, ela cai num lago sangrento repleto de corpos mutilados e ossos boiando, e também por sorte, apesar dela ter várias feridas abertas, incluindo o ferimento da barriga, ela não pega nenhuma infecção nem doença... 



Ela se vê numa verdadeira prisão subterrânea, onde os caras em treinamento pra serem malvados condecorados eram jogados, e faz todo o possível pra sair viva, mesmo desarmada (os caras tiraram as armas de fogo mas deixaram o arco, e o machado)



Lara não só escapa e mata uma galera, mas encontra seus amigos capturados, conta sobre Grim, e literalmente explode o chão! E por algum milagre, eles saem vivos, mas separados (como sempre, ela pega os atalhos na sorte).


Terceiro Dia (Noite): Ta Pegando Fogo Bicho



Faltava encontrar e resgatar Sam, e pra variar, tudo começa a explodir (afinal, Lara queimou o subterrâneo) rola muito tiroteio, com Lara na frente da batalha, e ela toca o terror, incendia tudo, pega um Lança Granadas e sai explodindo tudo que se move. Ela recupera suas armas alias, depois de matar um dos russos que a espancou, que tava com Sam sob custódia. Ela resgata sua amiga, depois elas acabam se separando, rola um incêndio muito intenso, o loirinho traíra aparece e some, e no final, Lara literalmente queima absolutamente tudo.



Ela se vê fugindo junto com os caras maus, tudo tentando sair do fogaréu, e ai surge Roth, num Helicóptero, que havia entrado na ilha em resposta aos chamados de Lara.



Só que Lara já tava ligada que ia dar merd4, mas ainda assim entra no Helicóptero, sem alternativas, justo na hora que a tempestade japonesa começa. 



O maldito piloto fica com frescura pra pousar e ignora os outros membros do grupo que ficaram pra trás, e tenta sair da ilha, mas como havia sido previsto por Lara, o helicóptero é atingido por um raio e cai. 



Por sorte, Lara e Roth saem vivos e com poucos ferimentos, mas ai um grupinho de Solaris ataca, e ocorre o sacrifício de Roth. 



Depois disso os amigos de Lara alcançam ela e o helicóptero caído, felizes pelo resgate de Sam, mas ficam chocados com a morte de Roth. Eles queimam seu corpo e seguem pra praia, onde montam acampamento, e começam a restaurar um barco pra sair da ilha.



Quarto Dia: Ferramentas



Apesar deles terem saído juntos, Lara ficou pra trás velando o corpo de Roth, e quando se deu conta, o grupo já tinha ido fazia tempo, então, ela pegou seus atalhos, dessa vez mais demorados, e acabou enfrentando alguns carinhas maus com lobos adestrados, que tavam procurando ela e sua turma. Ela mata geral, e passeia de teleférico neblinado (o clima da ilha fica variando muito, as vezes chove, as vezes neva, as vezes fica ensolarado, as vezes venta pra caramba, e as vezes fica com neblina, mó loucura).



Quando ela chega ao acampamento, de manhã, a galera já ta adiantada, e o Alex havia saído pra buscar ferramentas pra mina do falecido Roth. Lara tenta ajudar, e já sai em busca de uma rondana pra facilitar o conserto do barco, e depois de passar a tarde fora, e enfrentar uns solaris que estavam até que bem perto, ela cumpre a missão e percebe que Alex ainda não voltou. 



Daí um tiroteio ocorre e o loirinho traíra aparece, dizendo que tava correndo por horas, e tava sendo perseguido por carinhas maus, mas Lara já repara que é mentira, pelo fato dele não estar nem ofegante, e não ter nem sinal de qualquer solari atrás dele. Mas o grupo acaba por acolhe-lo e ele fica só de olho na Sam, sempre com ela, até o anoitecer.



Lara prefere não brigar, e decide ir ajudar o Alex, pois ele tava demorando muito. Então ela vai até o que sobrou do Endurance. La ela encontra um monte de caras maus, e Alex tava ferido e encurralado. 



Ela tenta ajuda-lo, mas ai ocorre seu sacrifício, tudo explode e só ela sai viva. Quando a moça sortuda retorna pro acampamento, com ferramentas, mas sem Alex, já tem sua companhia questionada, já que todo mundo que fica perto acaba morto.


 Quarto Dia (Noite): Traíra Conveniente




Lara resolve sair pra pesquisar mais sobre o que mantinha a ilha "trancada", já ciente que não era nada normal, e pede pro grupo não tentar sair com o barco, ou eles acabariam tendo o mesmo fim do avião e do helicóptero. Mas, a Reyes fica relutante e diz que se bobear nem vai esperar ela voltar, pois não ligava pra bobagens supersticiosas e queria dar o fora dali o quanto antes. Sem convencê-la, Lara opta por descobrir a origem das tempestades e como encerra-las. 



Ai ela vai até um templo buscar informações. Ela encontra o antigo general dos soldados de Himiko, com um documento afirmando que ele se matou, pois percebeu que o reinado de Himiko estava amaldiçoado. Em resumo, a garota que iria ser possuída pela alma de Himiko, desistiu no último momento, durante a transferência, e se matou com uma adaga que ela levou escondida. Isso resultou em uma transferência de corpo bem sucedida, porém Himiko permaneceu presa num corpo morto, eternamente mumificado, irada pela sua condição, dedicada a manter todos presos na ilha, com ela, pra sempre. A única forma de desfazer a maldição, seria matando a múmia de Himiko.



Quando ela volta pra dar as boas novas, e pedir autorização pra usar o barco restaurado pra ir até o centro da ilha (pelo lago) e invadir o templo principal de Yamatai, a moça recebe um pedido de socorro do rádio, de seus amigos, no meio de um tiroteio. Ela corre, e quando chega, as coisas já haviam se acalmado, mas Whitman, o loirinho traíra, havia sequestrado Sam, de novo, e todo o tiroteio era só uma distração. Isso o desmascarou perante o grupo, e serviu de incentivo pra Reyes confiasse nas tramas de Lara.


Quinto Dia: Saidera Estilosa



Sobraram três pessoas: A Mãe, o Cara Fortão e a Sortuda. Os três numa viagem de barco pro templo do chefão, pra resgatar a Princesa. Um típico final de jogo de aventura, mas assim que o barco atracou, só a sortuda avançou. Ela pediu pros outro protegerem o barco, e disse que eles só a atrasariam. Essa moça só acerta...



Ela passou não por um, nem dois da Guarda do Trovão , mas por TODOS, numa tacada só. Ela até tenta passar despercebida, mas eles percebem, e começa uma guerra.



Só que ela tava armada até os dentes, e já 100% segura que sua sorte era garantida, ela matou tudo quanto é zumbi samurai, e quase enfrentou o gigantão, mas ele saiu voando, junto com a ponte e todo resto. 



Então, Lara testemunhou a morte do loirinho dando uma de trouxa, e quase resgatou Sam, se Mathias não tivesse apelado pra uma parede de fogo... e Lara não atravessa fogo.



Mas ela escalou mais um pouco, lutou contra o tempo (em ambos os sentidos) e chegou ao topo do templo, onde lutou com um exército de carinhas do mau (o que ainda tinha sobrado), depois um exército de Guardas do Trovão (mais uma leva) e ainda peitou o chefão deles, o bombadão de quem Lara tanto escapou. Só que agora ela mata ele.



Depois, surge Mathias, que vem na bala, na faca... 


E no fim tenta usar uma dose mas é metralhado por Lara, e é fim do fanático religioso. 


Durante todo esse processo, Himiko eletrocutava Sam com sua alma em transferência, e o evento todo dura mais de 10 minutos. Tempo este que não adiantou de nada pra múmia se transferir, e só ficou na gritaria mesmo. 




No fim, Lara explode a múmia ao esfaqueá-la no peito... 


E tira a mina do templo todo ferrado, nos braços.



A ilha perde o efeito mágico climático, a rainha múmia vai pro além de uma vez, todos os Solaris foram morto por Lara, todos os Guardas do Trovão foram mortos por Lara, até mais da metade do grupo de sobreviventes foi morto por Lara (tecnicamente, morreram por ela). 




E assim nasceu a Sobrevivente.



Eles são eventualmente resgatados por uma embarcação maior, e sua história é contada ao mundo. Mas Lara estava pronta para começar sua jornada em busca da verdade, e explorar os segredos do mundo, igual seu pai. 




A verdadeira Tomb Raider ainda estava por vir.


Moral da História

Se você ficar preso numa ilha, mate todo mundo, busque uma múmia, mate-a, mesmo se já estiver morta, e faça todo o possível pra sobreviver, mas o principal e mais importante é: Tenha Sorte.

Se você não for sortudo, provavelmente vai morrer na primeira queda rumo a uma viga de aço, ou vai agonizar muito por conta da hemorragia, ou vai pegar alguma doença como tétano ou infecções, ou vai ser morto por algum animal enraivecido, ou por tiros e flechadas, ou pedradas mesmo, ou quedas, afogamentos, esmagamentos, perfurações, incinerações, e por ai vai. O truque pra sobreviver é ser sortudo, ou conhecer e conviver com alguém sortudo... exceto se chegar num momento em que a sobrevivência precisa escolher entre você e o sortudo, nesse caso, o sortudo vence.

Pois é, essa é a história do jogo.

Considerações Finais


Pirofobia?


Dava pra passar pelo fogo e salvar Sam nos instantes finais, mas Lara prefere dar a volta no templo, escalar, arriscar ser morta em quedas de pontes, empurrada pelo vento ou simplesmente assassinada pelos zumbis samurais. Ela preferiu isso, à pular por uma parede de fogo que na boa, não creio que mataria, se pa nem queimaria... eu precisava falar isso, pois é um cúmulo inaceitável, uma mina tão bad-ass ter medo de pular uma fogueirinha!


Trilha Sonora

A trilha sonora é muito bem orquestrada, imersiva, e muito presente. A música principal é marcante e bem, TB é ainda mais valorizado por sua trilha, que consegue embalar os grandes momentos. Os sons de descobertas (baús e templos secretos por exemplo) são característicos da franquia, e alias, a música tema é a original, melhorada. Durante lutas, a música fica agitada, da mesma forma que fica calma em momentos de sigilo. Mas, ela consegue se misturar bem com o som ambiente, também muito bem feito, e a música parece acompanhar quase como num dueto, os sons das ondas, dos pássaros, do vento, dás árvores, dos tiros, dos gritos de horror, do sangue jorrando e dos monstros falando em japonês com voz de demônio... é lindo.


Achados Perdidos

Lara encontra vários templos e tumbas antigas com baús repletos de tesouros, e também acha muitos artefatos antigos de civilizações que passaram por Yamatai, mas ela nem recolhe tudo, geralmente ela pega uma amostra e guarda no bolso, e fim. São tantas descobertas infrutíferas que da até dó. Considerando que ela não sabia se sairia da ilha, ou se poderia acabar voltando posteriormente, deduz-se que ela estava disposta a sacrificar as descobertas de bom grado, sem se preocupar em fazer coleta, registros arqueológicos ou qualquer coisa do tipo. É meio triste... mas okay, pelo menos ela gravou no GPS as coordenadas de tudo.


Alias, poxa, depois de séculos de mortes provocadas pelas tempestades, cientistas, guerrilheiros, soldados, exploradores, um monte de gente que acabou passando e morrendo na ilha, ninguém descobriu sobre a Rainha Deusa Xamã Múmia, alias, o único que descobriu (antes da Tomb Raider chegar) passou de professor à fanático religioso com desejo por dominar o mundo. Cara, é muita conveniência pra pouca história. Não me entenda mal, eu gostei de TB, gostei de ver Lara sofrendo e crescendo como sobrevivente, mas ao mesmo tempo que tentaram dar mais realismo pra ela, exageraram em suas qualidades, tonando ela na mina mais sortuda, esperta, inteligente e habilidosa do universo.


Dose de Realidade

Eu gostei do que fizeram com a Lara, transformando-a em uma personagem mais realista e humana. Por exemplo, quando ela sobe nas coisas, ela faz esforço, é desengonçado, e ela realmente parece sentir o peso do próprio corpo. Nos jogos anteriores, ela chegava a zombar da gravidade, fazendo altas peripécias acrobatas, isso só pra subir um murinho...


Vacinas em Dia


Lara ficou dias com uma ferida aberta e vários outros ferimentos pelo corpo, tomou chuva, neve, ficou submersa em esgoto e sangue, comeu animais de procedência duvidosa, ficando exposta a todo tipo de doença, mas no final ela não pegou nem mesmo uma gripe! Sei que elogiei o realismo dos movimentos dela, mas os caras exageraram na resistência da heroína nesse sentido.


Gel Super Forte


Em um dos pseudo-capítulos da minha resenha eu dei esse título, pois no inicio Lara aparece pendurada de cabeça pra baixo, mas só o rabo de cavalo dela que é afetado pela gravidade. A franja nem se move, ficando acima dos olhos, sendo que deveria cair. Isso é só um detalhe, as vezes não conseguiram renderizar esse movimento (apesar de ter pré-renderização de fio por fio do cabelo), mas tem outra parte no jogo (na favela) que Lara é pega por uma armadilha e fica de cabeça pra baixo. São só alguns poucos segundos pois ela se solta logo em seguida, só que, repare que agora nem mesmo o rabo de cavalo se moveu pela gravidade. Ou seja, o cabelo dela tem vida própria, ou o gel que ela usa é extremamente forte e à prova d'água, ou os caras ficaram bem preguiçosos nessa parte.


Fim e Começo


Nos eventos finais, Lara faz sua pose clássica de Tomb Raider, com direito às duas pistolas. Essa e uma forma singela de dizer, talvez para os fans que ficaram desgostosos com o novo formato da franquia, que ela é a mesma Lara, só que em processo de aprendizado. Então, paciência...


No final ela mostra um livro, e diz que vai seguir os passos do pai. Tecnicamente, esse é o mesmo enredo de background da saga anterior, então, é só esperar que, um dia, Lara volta a ser o que era, só que mais definida, em absolutamente todos os sentidos (física, psica, moral e objetivamente)


E os Filmes?

Tem filmes de Tomb Raider... mas isso vai ficar pra uma análise especial que to preparando... 

Bem, se faltou algo eu adiciono com o tempo. Por hora, é isso. Dentro do cronograma que postei na página do facebook, uma das previsões já foi, bora pra próxima... ta na hora de mexer com corações e chaves... e cartas pra variar.


Obrigado pela leitura, fico feliz por me ceder sua atenção, e bem... See yah!


4 comentários:

  1. Boa tarde Sr Morte!
    Faz muito tempo que joguei este game, foi no meu primeiro notebook e lembro de ter ficado de queixo caído com os gráficos na época. Eu achava incrível toda a parte gráfica e jogabilidade. Lembro de minha mãe passar e falar "Que filme é esse? essa guria só se ferra!" haha

    Por falar nisso, exageraram nas habilidades de sobrevivência dela. Eu teria morrido na primeira queda. kkk Mas você encontrou a explicação perfeita: Sorte. Ela deveria jogar na loteria. Mas talvez só funcione se a vida dela estiver em risco. sei lá.

    Adorei a parte do "Moral da história". Tomarei como guia definitivo para ilhas desertas.

    Parabéns pela análise. Eu não sabia que Yamatai é um fato histórico. Fiquei curioso e vou atrás de mais informações sobre. Tem muito tempo em que joguei, mas lembro de ter curtido a história a pesar de as descobertas históricas acabarem ficando meio de lado neste jogo, que é mais focado em tiroteio, eu gostei.

    Aproveitando a oportunidade, gostaria de perguntar. Por que o Blog se chama "Divulgante Morte"?

    e... o Sr viu um game que saiu recentemente, Hellblade Senua's Sacrifice? Estou jogando ele nos tempos livres, e te digo que é um jogo muito, mas muito interessante. Te daria brecha para falar sobre problemas psicológicos e mitologia Nórdica, caso se interesse em analisá-lo. É dos mesmos criadores do ultimo DMC.

    Abraços!

    Chaos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu joguei 4 vezes pra analisar. Tipo, joguei no xbox e no pc. Eu tinha o jogo original no xbox360, mas meus irmãos danificaram, e na época acabei arquivando o game em analises. Quando peguei pro pc, foi antes da 4° configuração então os gráficos ficaram muito feios (cheguei a tirar todas as fotos necessárias, mas a resolução tava ruim ai, arquivei de novo). Depois foi na 4° configuração, mas acabei analisando outros jogos, e outra vez arquivei. Recentemente, na configuração atual do pc, eu joguei e ai decidi "Agora chega, bora analisar!" foi quando criei as metas. Eu sempre paguei um pal pro gráfico dele, e agora pude jogar com tudo no ultra (o de xbox 360 não tem gráficos tão bons quanto no pc após os filtros). Enfim, eu nem mencionei isso pois, as fotos falam por si só. O esquema de sombras é surrealmente detalhado, apesar de falho (as vezes, por exemplo, uma sombra de uma árvore cobre metade da testa da personagem por um ângulo, daí quando é dado o close na personagem por outro ângulo, a sombra some, como se tivesse movido o cenário, daí volta pro ângulo anterior e a sombra ainda ta la. Isso eu achei bem falho), mas ainda assim, é lindo. A próxima que farei será do Rises, que é melhor ainda... em gráficos.

      Bem, antes de qualquer viagem que cruze o oceano, irei preparado com um trevo de 4 folhas. Aprendi muito com TB.

      Referente a sorte de Lara, eu acredito que seja algo relacionado aos Crofts. Talvez algo que o pai dela descobriu... ou um tipo de benção... mas eu ainda preciso achar alguma prova disso.

      Obrigado sr Chaos, eu também não fazia ideia que Yamatai existia de fato, nem da rainha. Inventei de pesquisar e por acaso, vi que era "baseado" em fatos reais. Detalhe que, eu vi em vários sites, mas tem um americano que achei perfeito, e fala inclusive do impacto cultural que a rainha Himiko causou no japão https://www.tofugu.com/japan/queen-himiko/

      Tem muito item achado, objetos com histórias por trás, mas nada de fato se destaca, o jogo realmente foca só no tiroteio e isso distrai... mas o jogo é bom de toda forma, e eu fico feliz por ter curtido a análise. Como eu disse, tentei economizar nas imagens e resumir um pouco mais... viajei menos rs...

      Sobre o nome do blog: Tentei ser original... eu queria criar algo com "Morte" no fim, e na época queria divulgar um trabalho meu, então decidi chamar de DivulgadorMorte... mas ai vi que parecia um site focado na divulgação alheia, e eu queria divulgar meu trabalho também, então decidi colocar o "divulgante" como um adjetivo, não um verbo... ai gostei de como ficou. Só que em pesquisas vi que no nosso idioma essa palavra nem existe, porém tem base no latim. Lembro que fiz um monte de pesquisas na época e no fim, deixei assim.

      Vi o gameplay do Zangado, o jogo demora uns 300 anos pra começar... quase n vi o vídeo todo... e apesar de curtir o estilo, achei a linearidade um problema. Mas vou jogar, fiquei curioso pra ver o desfecho.

      Sr, obrigado pela leitura. Cheque seus e-mails, mandei uma resposta do anterior.

      See yah!

      Excluir
    2. O gráfico do Rises é realmente impressionante, a cena inicial nas geleiras é incrível. Mas ele já veio em uma época em que gráficos lindos não é tão novidade, eu acho. Mas merece o mérito.

      É interessante este pensamento sobre a família Croft, mas ainda acho muito para um ser humano fazer. Mas é confuso, o jogo não busca realismo total mesmo, então dá para passar (veja pelos próprios saltos exagerados da Lara)

      Irei ler o site que me indicou.
      Entendi a origem do nome, sabia que tinha algo no "divulgante" que me incomodava rs

      Sobre Hellblade, assiti os vídeos do Zangado (primeira e segunda meia hora) e apesar de admirá-lo, fiquei um tanto decepcionado com os vídeos. De fato o game não possui um "tutorial", mas basta pausar o game que ja se é jogado na cara todos os movimentos que a protagonista pode fazer. Inclusive ela pode se defender e rebater projéteis com a espada, coisa que o Zangado não fez em nenhum momento rs Esses dois movimentos deixam o combate muito mais interessante. Inclusive pois existem ataques que não podem ser esquivados, mas podem ser defendidos. Por isso ele apanhou um pouco no boss. E logo após este trecho, aparece uma boa variedade de inimigos.

      Enfim... ele é linear sim, totalmente. Mas não acho que seja um problema pois seu foco não é em lhe dar liberdade ou te permitir fazer escolhas. Ele foi feito para contar uma história, e enquanto isso, te poem para resolver puzzles e enfrentar batalhas interessantes. e ah, não se engane. Existe um limite do quanto se pode morrer no game, ultrapassado este limite o salve é mesmo deletado.

      Enfim, eu chequei e respondi, eu agradeço pela atenção. Espero não estar tomando muito do tempo do Sr rs

      Chaos.

      Excluir
    3. Eu comecei a jogar, não posso muito pois tenho alguns textos para terminar o quanto antes... mas eu imaginei que o jogo ia além do que o Zangado conseguiu mostrar. Futuramente vou me focar nele...

      Eu li a resposta, ainda não respondi pois quero anexar o desenho. Porém, vou conseguir desenhar amanhã somente.

      Sr, eu gosto de ler suas respostas e compensa-las, isso não toma meu tempo de forma alguma, nem me incomoda. Eu to terminando megaman legends... e to começando a achar que vou postar 3 analises de game no mesmo dia... louco né?!

      See yah sr Chaos.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+