PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

quarta-feira, 21 de junho de 2017

O(s) Filme(s) Achado(s) de Hoje: Mais 10 Founds Menos Famosinhos...

Dando continuidade a primeira lista compilada de found footages (indiferente de serem bons ou ruins) trago-vos-ei mais uma listinha, com mais 10 filmes que assisti recentemente.


Tentarei não spoilar muito, apesar de contar tudo o que eu lembrar.

Boa leitura!


Em ordem alfabética:

1 - Cropsey 


O primeiro filme é um documentário (sim, "documentário", não "mockumentario" pois ele é real) verdadeiro sobre uma lenda verdadeira.


Apesar de ser real, ele consegue intrigar o suficiente pra ser considerado um found de terror, que não assusta nem mostra nada muito intenso ou perturbador, na verdade ele apenas mostra como lendas podem nascer de verdades, e verdades nascerem das lendas. 


Em resumo, o documentário fala sobre uma lenda regional chamada "Cropsey", equivalente ao "homem do saco" em que crianças eram assustadas pela história do Cropsey. Ele pegava crianças malcriadas ou que se arriscavam muito, e era uma lenda feita pra deixar crianças longe do perigo, através do medo.


Mas ai crianças (com algum tipo de deficiência) começam a sumir de verdade e uma mega investigação e comoção social surge, pra descobrir o que aconteceu com elas.


Pois bem, o filme termina sem responder nada, ele apenas levanta várias questões, principalmente relacionadas com o cara que foi preso, acusado de ser o sequestrador e assassino dessas crianças, mesmo sem haver provas.


O documentário parece querer mostrar que ele era inocente, mas depois passa a mostrar que ele era o culpado, e no fim termina com uma dúvida estabelecida se ele era ou não o culpado. É um trabalho dissertativo muito bem feito alias...


Ele as sequestrou e matou para poupa-las de uma existência sofrida? Ele as sequestrou e matou pois era um louco que odiava crianças especiais? Ele foi incriminado por uma seita demoníaca, criminosos dispersos, ou alguém que o odiava muito? Ele foi possuído por alguma entidade que o fez matar crianças? A cidade escolheu ele pra depositar a culpa pra assim, se livrar de seus segredos? O cara é ou não um assassino? Nada é explicado, apenas mencionado. Várias verdades são mostradas, e só cabe a nós escolher 1.


O documentário é bom, e o fato de ser real só melhora ainda mais. Imagens reais do passado mescladas as do presente, o próprio criminoso é mostrado várias vezes, com seu envelhecimento ficando evidente. A edição é bem feita, tudo é bem contado, as entrevistas fluem bem, enfim, é um bom documentário.


2 - Desaparecidos 


O segundo filme é nacional! Sim, um filme brasileiro que eu mesmo evitei assistir por muito tempo, mas ai achei melhor enfrentar logo isso pois, isso tinha de ser feito. Preconceito a parte, eu não sou muito receptivo à filmes nacionais, justamente por não acreditar na qualidade geral deles. Mas pior que "Desaparecidos" não faz muito feio, apesar de ser extremamente clichê.


Antes de contar a história, adianto que é um filme com nudez gratuita (apenas uma parte, mas é o suficiente pra mostrar que o filme não se garante) e não assusta, não explica, não intriga, não convence e se passa boa parte no mesmo ponto, no meio do mato, com os personagens bem interpretados mas nada memoráveis, e por fim, todos morrem, mas nada é realmente mostrado.


Pra ser sincero eu nem sei se o filme falava de um espírito ou demônio da floresta, ou se os jovens foram atacados por macacos assassinos... eu acredito que sejam macacos assassinos, pois os sons são bem parecidos (SH4 mostra sons de macacos assassinos, por isso que eu sei).


Enfim, a história fala de um monte de jovens, meninas e meninos (dois deles eram irmão e irmã, só lembro disso porque é importante) que vão pra uma festa no meio de lugar nenhum, no mato, com uma ideia bem esquisita e cara de usar Câmeras Portáteis como ingressos pra festa. Eles recebem as câmeras de graça, via encomenda, e elas tem algum efeito maluco de desligar e ligar aleatoriamente, o que assistimos é o que foi resgatado, editado (imagina a trabalheira pra editar as filmagens tudo!) mas belê, justificativa pras filmagens aceita.


Os jovens se perdem na viagem (o que mostra o quão acessível estava) mas chegam nela, depois de dar carona pra um total estranho (talvez ele seja o assassino!) que fala umas paradas sobre ser uma floresta do mal, amaldiçoada, eu sei la, só sei que ele atua muito bem. 


Daí na festa, um dos caras sai pra ficar com uma mina que ele conhece na festa, e orientado por ela (sim, ela quem o arrasta) ambos vão pra uma cachoeira ali perto (super normal, ir de noite, pra uma cachoeira fazer bobagem) e ai, rola peitinhos, e o cara vai parar no meio do mato (eu não lembro a razão, acho que ele ficou curioso ou algo assim, só sei que ele se jogou nos arbustos) e fim de cara.


Depois a mina morre também, gritando pelo nome do cara, e a irmã do cara decide procura-lo, com o grupo de amigos, pois ele esqueceu a bombinha de asma. E ai os jovens tudo (acho que nessa parte eram 3 minas e 1 cara) vão pro meio do mato, desarmados, desequipados, sozinhos, e começam a procurar pelo irmão desaparecido, de noite, desarmados, desequipados, sozinhos...



Ai todo mundo morre... e rola jumpscary (num parece um macaco? eu acho que é um macaco.)



E no fim, rola cena durante os créditos, com os policiais encontrando as fitas e as roupas da galera... Destaque pro exagero de códigos que os polícia utilizam pra se comunicarem, onde a cada 2 palavras rola um código tipo QTI, 37-29, sei la, não manjo dos códigos.


Mas agora vem uma consideração final minha: Pelos muitos founds footages que já assisti, eu aprendi que florestas são sinônimos de morte, o que não é uma inverdade no final das contas. Porém, jamais vi em filme algum desses, alguém morrendo pros perigos reais encontrados nas florestas, como animais peçonhentos, predadores noturnos, aracnídeos extremamente venenosos, ou ursos. Mano, ninguém nunca morre pra ursos! Por isso, gosto de acreditar que "Desaparecidos" mostra eficientemente como um bando de jovens burros se matam atoa, invadindo território de macacos... 



3 - Invoked 



Esse filme é meio confuso, no sentido ruim, não conseguindo apresentar de forma coerente a situação em si. Eu me vi várias vezes questionando porque os caras tinham ido pra la, o que era la, quem era la, etc. E nem foi por falta de esforço pra captar o roteiro pois, eu vi o filme com legenda e tudo mais (uma legenda em espanhol em cima de outra em árabe, com áudio em inglês... vish... mas pode confiar que meu ouvido pra inglês é bom...).


Mesmo seguindo a explicação dos caras, que eu acho que era uma excursão pra uma casa numa ilha, não faz sentido o fato deles do nada invocarem um espírito através da manjada brincadeira do copo, algo totalmente improvisado, em um local que já era sinistro por si só. Em vários momentos parece que o elenco ta improvisando pra fazer a filmagem render, pois eles não tem uma razão pra estar la, eles apenas estão, e tentam se virar com o que tem. Eles planejam passeios, falam sobre explorar, mas nem saem do lugar, e quando saem é até a sala do lado e pronto. Eles ficam literalmente esperando algo ruim acontecer, pra então começar a pensar em tomar alguma atitude... e ainda assim... é estranho.


O filme conta com nudez, mas eu não diria que é gratuita pois é vinculada a uma cena de relações sexuais de um casal que interrompe as relações sexuais de outro casal... e nem da pra ver muita coisa (só costas... mas como eu piro em pele, pra mim é nudez).


Não tem como contar a história pois, são elementos bem dispersos que no conjunto, formam o filme. O que da pra dizer é que, os caras entram numa casa e morrem la, mesmo saindo as vezes, chega um momento que não conseguem mais sair e pra ajudar, pessoas do lado de fora ficam incapazes de ver quem ta dentro (é um esquema bem fantasmagórico). Sim, tinham outras pessoas, que aparecem no inicio do filme, encontrando os vídeos, e checando o local. É uma justificativa para metade das filmagens, pois o grupo de jovens tinha consigo 3 câmeras, mas também haviam câmeras de segurança por toda a residência que não são explicadas, mas tem a imagem muito bem cortada e editada paralelamente as imagens da galera.


E nem vale como justificativa dizer que, de alguma forma, o guardinha do começo/final checou as imagens pela "sala de controle" pois, tecnicamente, ele morre no final (sim, ele é atacado pelo fantasma).


Mas então... o filme é isso. Ele tem efeitos legais, não assusta, mas consegue intrigar, principalmente pelo tanto de coisas que ele deixa em aberto sem qualquer explicação. Infelizmente, tudo faz parecer que o que fica em aberto é por falta de roteiro mesmo, pois a história do filme em si não tem.


O filme acerta com a ausência de efeitos sonoros de suporte (os "Pam" de jumpscary, ou os anúncios de que tem algo ruim perto), o que deixa você bem mais atento e despreparado pro que vai acontecer, mas se considerar a qualidade em geral, eu diria que isso foi mais por falta de um editor de som, do que de percepção do produtor. Parece um acerto por acidente, mas deixou o filme melhor, pois eu mesmo me vi voltando várias cenas pra rever coisas que eu fiquei na dúvida se realmente estavam lá, e também tomei alguns sustinhos (sem contar que ele parece ter influência do terror nipônico com fantasmas ao estilo Samara)...



4 - Long Pigs 




Então chega um Mockumentario, um ótimo alias. Ele é bem editado e bem inquietante, principalmente por se tratar de um documentário sobre canibalismo, estrelado por um canibal em atividade.


Sim, a história do filme gira em torno desse cara, que come carne humana de forma natural, e se deixa ser filmado de boa, em seu dia-a-dia, tanto em suas caçadas, quanto em seus preparos e degustação.


Quem ta filmando são dois rapazes, que não são amigos dele nem nada, apenas pediram permissão pra filmar e ele não se importou. Eles testemunham assassinatos, e até ajudam, e ao longo do filme tudo que se espera é o momento que o canibal assassino perderá o controle e atacará os cineastas.


O cara é mó simpático, e trata com uma enorme naturalidade seu hobby, chegando ao cúmulo de convida-los pro jantar, várias vezes. Ele é calmo de mais, até quando envolve a mãe dele na história, ele parece bem controlado... mas desde o inicio o filme ele é apresentado como um psicopata, e apesar de não apresentar traços psicóticos em suas feições cotidianas, ele mostra isso por seus atos, então repito, o que nos faz assistir até o fim é principalmente a esperança de ver o cara surtar do nada e ser ele mesmo... e isso ocorre no final... e é daora.


Mas o final é bem estranho mesmo assim, pois o canibal meio que se da bem! É uma loucura, mas faz sentido... ou quase... é meio insano.


De toda forma, o mockumentario vale a pena ser acompanhado e tipo, convence, principalmente pelo realismo das cenas "gore", que não são sangrentas mas são meio pesadas. Rola nudez alias, mas não é nem de longe gratuita, afinal é preciso limpar a carne antes de preparar e degustar... e não da pra comer gente com roupa né. Detalhe: O cara prefere pessoas rechonchudas.


5 - Moth




Esse me enganou bonito. Eu comecei a assistir, e vi que era algo encenado, com edição e tudo mais, e o conteúdo pela sinopse não era de documentário ou mockumentario, era found footage mesmo, então eu saltei o filme até mais ou menos a metade e pareceu found footage, daí eu comecei de boa. 


Assisti tudinho, achei bem curioso apesar de ficar com o pensamento "Essa mina precisa de um aparelho" na cabeça o tempo todo, mas o filme tava bom, até chegar no final e abandonar o estilo found footage pra abraçar o estilo youtuber.


Mano, o grande plot twist de "Moth" é o fato de ser tudo encenado, como parte do roteiro, pra fazer fama em cima do estilo found. A ideia é até boa, onde após todo o mistério do filme, com gente perdida no mato, coisas barulhentas na floresta, bastante suspense, as coisas saem errado quando o cara que havia sido voluntário pra uma suposta pesquisa universitária (e era o único que não sabia do filme), inventou de tentar esfaquear "o monstro" e acabou esfaqueando a si mesmo. Daí o cara morre de verdade, e as pessoas param as filmagens pra socorrer e tal.


O problema é que eles abandonam completamente o estilo found footage, passando do improviso pra algo coreografado e é algo tão forçado, que quase me fez chorar de vergonha. A produção é composta por 2 pessoas, uma mina e um cara, que ficaram assustando a moça que precisava de aparelho e o gordinho. Quando as coisas dão errado, a perspectiva do filme muda pra algo meio "hollywoodiano"... só que ao nível do YouTube, com os cara tentando atuar, mas falhando miseravelmente.


Pra se ter uma ideia, a atuação parecia bem melhor e convincente nas partes found footage, e elas nem eram tão boas. Ai tem a parte que mostra flashbacks dos caras planejando tudo, depois os nego explicando todo o roteiro e todos os sustos, com direito a explicação de como os sons foram feitos, e da razão pra eles terem pensado em fazer um filme nesse estilo, com eles debochando (pra mim aquilo foi deboche) dos Festivais de Filmes (onde pessoas apresentam seus filmes pra serem avaliados e premiados, e tipo, found footage faz bastante sucesso, por ser "fácil" de produzir).


Esse eu não recomendo que ninguém veja, pois é ruim viu... principalmente pelo fato de abandonar o estilo no final, e por forçar a barra e ironizar às custas do saudoso found footage. Se não fosse um filme tão ruim, eu até levaria como uma crítica... mas ele é péssimo.



6 - Phoenix Incident




Deixando de lado os filmes ruins, tem esse que é decente, convincente (apesar de meio forçado em alguns quesitos, na minha opinião) e muito bem feito, com boas atuações e excelentes efeitos especiais, além de um enredo de deixar qualquer ufólogo, ou teórico conspiratório de cabelos em pé.


Trata-se de um mockumentario sobre 4 jovens esportistas que desapareceram no deserto do Arizona, junto com um found footage desses mesmos jovens, mais teorias sobre ovnis e conspiração governamental. São tipo dois filmes conectados, pois os found footages não parecem um complemento do mockumentario, e sim um material a parte, que mal é mencionado pelo mockumentario, mas é mostrado paralelo ao que é dito no mockumentario. É um senhor trabalho de edição.


Mas, nem tudo é um mar de flores, pois existem furos de roteiro vinculados às câmeras encontradas, afinal já que muitas das filmagens são destruídas durante o filme, então como podemos estar assistindo as mesmas? E também há a conveniente soma de vários elementos ufológicos como as luzes de phoenix e o círculo de nuvens, colocados e apresentados em primeira mão, pelos próprios jovens, que não só testemunham, como gravam todos esses eventos, em uma mesma fita, sendo que as filmagens mais famosas, além de serem de qualidade ruim e duvidosa, são de testemunhas diferentes, em eventos diferentes. Mas ainda assim, o filme tem uma história razoável...


4 jovens testemunham e registram o exército lutando contra aliens, e quando uma nave cai eles vão verificar, mas ai eles dão de cara com aliens brutos que parecem aquele cachorro laranja do ben10, só que preto, e de metal, e começam a se dar muito mal.


O triste é que, os efeitos são bons, mas não são nada realistas, afinal, surgem tantos alienígenas, de uma única navezinha do tamanho de um jato militar, que não da pra acreditar. É sério, aparecem mais de 20 aliens mutantes gigante que atacam de forma muito selvagem. Liga-los às naves fica ainda mais estranho, considerando a selvageria dos monstros em contrapartida à tecnologia e destreza que eles demonstram quando voando em suas naves.


Fica meio subentendido que os aliens de verdade não aparecem, apenas influenciam as mentes da galera enquanto os bichões seriam como, animais de segurança... mas tanto faz,  se levar apenas pro lado do entretenimento, o filme é bacana que só.




Quanto a ser realista... ai ele passa longe... 


Tirando o final pós-crédito que mostra um cara pegando fogo, e convence kkk.


7 - RWD 




Esse filme é uma versão estendida de uma web-série (ou série) chamada Ghost Goofs (é fictícia pelo que parece, eu pelo menos não conheço) onde dois jovens caçam por eventos paranormais, e respondem dúvidas sobre espíritos. Mas, no meio do que seria o episódio de final de temporada, eles acabam descobrindo, em uma floresta, o poder de rebobinar a vida.


É basicamente isso, os caras começam a rebobinar os eventos apenas nessa floresta, e começam a encontrar versões paralelas e quase paradoxais deles mesmos, até que o negócio vira uma bagunça, e eles começam a matar uns aos outros.


É um filme bem confusão que usa e abusa de transições desfocadas (balança a câmera rápido, e junta um corte com outro, fazendo parecer um plano contínuo) pra dizer que os caras teletransportaram, e também utilizam bastante efeitos de sobreposição de imagem, com dublês de costas, e por ai vai, só pra dar a impressão que os dois rapazes realmente se "clonaram" através do tempo.


Tem edição sonora de suporte constantemente, e o filme é bagunçado, mas não confuso. Não há exploração sobre paradoxos, até começa a tentar mostrar algo assim, mas ocorre quebra de rotina, geral faz o que quer, e no fim o foco do filme é mostrar que é difícil pra caramba distinguir quem é o real e quem é a cópia, com todos sendo tecnicamente reais. Detalhe que não há consequências quânticas, onde matar seu eu do passado automaticamente faz seu eu do presente desaparecer... isso não existe. Matou, ta morto, era alguém de outra linha de realidade, e fim.


Os caras fizeram um final em aberto, mostrando que ainda há clones deles mesmos e que talvez eles tenham se misturado com cópias de outras realidades... 


Mas depois dos créditos rola uma cena mostrando que eles já mataram todo mundo e só sobrou eles mesmo.



8 - Savageland




Esse é um dos melhores que já vi, eu diria que é o melhor, se não fosse pelo final, que tem um pequeno furo desnecessário mas, ainda assim, é bem curioso e ensina bastante sobre o estilo found footage.


Eis um filme de zumbis, sem zumbis, e não to falando de algo como The Walking Dead, que só muda o nome dos negócio que volta a vida, mas sim de algo que não mostra zumbi algum de fato, até os segundos finais.


É um mockumentario sobre um serial killer que massacrou uma pequena cidade próxima à fronteira dos EUA com o México, matando cinquenta e poucas pessoas la, sozinho, sem ajuda de ninguém.


O cara foi preso pois foi o único sobrevivente ao massacre, encontrado por um caminhoneiro que ali passava, e também por ele ser imigrante. Rola preconceito quanto a isso então, o cara foi condenado e julgado, mesmo sem haverem provas.


Só que ai um rolinho de filme aparece, o qual pertencia ao suposto serial killer, que fotografou o evento que deu cabo a cidade, e teve a câmera surrupiada pelo caminhoneiro... então, as fotos são reveladas uma a uma enquanto o mockumentario rola e tipo... é assustador.


Na real, ele fotografou um tipo de mini-apocalipse zumbi, com as pessoas comendo umas as outra e no fim, ele sobreviveu, só pra ser julgado o culpado e ignorado por todas as autoridades quanto sua versão da história. Mesmo com as fotos, como elas eram meio desfocadas, elas não são consideradas provas e no fim, o cara é condenado à morte.


É triste, e tem uma sequência de fotos de uma menininha que o cara curtia muito fotografar, e era tipo sobrinha dele (filha do melhor amigo, pastor da igreja da cidade) que acaba se lascando, e da pra ver o medo estampado no rosto da tadinha.


Mas bem, depois que tudo termina, um vídeo amador é mostrado, de campistas, que são atacados por zumbis, e o primeiro que aparece é o tal imigrante condenado à morte. Esse finalzinho é meio solto e sem lógica, tanto pelo fato do cara aparecer usando o macacão de presidiário (tipo, creio que os bandidos não sejam enterrados com suas roupas de prisioneiros mesmo...) e também, isso desmerece todo o esforço que fizeram pra dar um realismo misterioso aos zumbis, de forma bem desnecessária. Esse é um daqueles filmes que eu acho que ficam melhor se cortar a última cena.


Mas, essa última cena também é boa, pois ela mostra de forma realista como uma fita fica ao ser "recuperada". A imagem fica distorcida, com muitos defeitos e  áudio falhado. Não são apenas interferências randômica como vistas em todo found footage, são erros de decodificação do que foi gravado, problemas sérios e até imagens irrecuperáveis, que postas juntas mostram algo acontecendo, mas sem grande definição. Isso foi um acerto, dentro do erro... o filme é bom.



9 - The Lair of Beast/Chupacabra Territory



Na onda de filmes com tema mexicano, vem o filme que não decide qual nome tem, sendo Chupacabra Territory em alguns cantos, e The Lair of Beast em outros. Além disso, o filme não sabe bem se vai abordar o Chupacabra (criatura folclórica de origem mexicana que se assemelha a vampiros, mas voltados a animais) ou demônios. Na real, fica parecendo que os chupacabras são demônios invocados pelas pessoas.


Mas o pior, é que eu vi neste filme uma semelhança gritante com Bruxa de Blair 2 - O Livro das Sombras, e alias, até me pareceu uma refilmagem dele, só que dessa vez dando  espaço pro tal livro (algo que no original foi ignorado, mesmo fazendo parte do título). Nele tem uma moça meio bruxa que serve pra invocar as maldição tudo, tem os jovens que investigam a paranormalidade paralelo ao grupo principal e por ai vai, com direito a acontecimentos paranormais aleatórios. Esses elemento são presentes tanto no Territory of Chupacabra, quanto no Bruxa de Blair 2, mas acho que é só coincidência mesmo, afinal os diretores, atores, produtores, geral é diferente.


Ainda assim, a sensação ruim que sobra ao assistir a continuação mal feita do clássico dos found footage, se repete neste que é um found footage bem genérico por assim dizer.


Tem floresta? Tem. Tem monstro que mata todo mundo? Tem. Tem efeitos sonoros forçados? Tem. Tem um policial bigodudo? Tem. Tem nudez gratuíta? Tem. Tem tudo o que se pode esperar num found footage ruim. Ainda assim, pelo menos mantém o estilo até o fim, e isso merece um desconto.


O filme fala de jovens que invadem uma floresta proibida pra caçar o chupacabra, mas eles levam livros demoníacos e uma mina que tem orgasmos com a floresta, e no final invocam uma legião de chupacabras que matam todo mundo.


Um destaque especial pra falta de lógica dos personagens: As vezes eles correm em direção ao mato, gritando e ameaçando o Chupacabra, daí quando ele para de se esconder e vai na direção deles, todo mundo corre pra longe. Ou seja, os caras provocam o bicho e depois não aguentam o tranco. As vezes o Chupacabra nem era mal, só tava querendo ficar em paz, as vezes soltar um barro, e os caras encheram tanto o saco que ele decidiu chamar a família e matar os invasores. Eu faria o mesmo.


10 - The Dark Tapes


E por fim, um filme que eu esperei feito louco pra assistir, com mó hype, e no final fiquei muito decepcionado. Trata-se de um filme que junta vários curtas no estilo found footage, parecido com o que V-H-S fez.


A premissa é boa, e inicialmente as coisas parecem caminharem bem, até começarem os malditos erros de composição. Sabe quando quebra o realismo? É, isso ocorre pacas, além de nada fazer sentido, não como um todo.


São 3 histórias ligadas por uma história fragmentada entre cada um dos curtas. O primeiro vídeo é bem interessante e bem executado, que mostra um casal testemunhando e registrando eventos paranormais na nova casa, e pedindo ajuda pra qualquer investigador paranormal na internet. Daí quando chega um grupo pra ajudar, todos são massacrados, com a revelação de que os eventos eram forjados e que era um tipo de armadilha pra charlatões. Surge até a filha do casal que mata sua primeira vítima, feliz da vida (e era ela quem fazia os barulhos e coisas aparentemente sobrenaturais).


O segundo vídeo mostra duas moças com o demônio no corpo que vendem performances sexuais via web-cam. Elas meio que sorteiam alguém dentre seus espectadores pra fazerem uma apresentação em particular, e ai elas pedem pra pessoa fazer favores, que vão de se cortar a se matar. No fim, elas aparecem do lado do cara morto, como se estivessem o tempo todo no quarto dele, e tipo... é isso. A história é legal, meio bizarra, mas é estranha de forma absurda. Tipo, existem momentos em que o cara escolhido vira o rosto e as minas da web-cam ficam endemoniadas, arrancando a pele, fazendo caras e bocas, até ele olhar de novo e elas voltarem ao normal. É algo bem interessante na teoria, mas muito tosco na prática.


O terceiro vídeo é mais complexo, fala de uma mina que após ser abusada em uma festa, passa a receber visitas de outra dimensão enquanto dorme, e é "abduzida" periodicamente. Daí ela faz todo o possível pra descobrir o que ta havendo, e até se isola do mundo, mas pede ajuda de seus amigos e só um deles permanece ao lado dela até o fim. Nesse momento, ela descobre que câmeras normais não são capazes de filmar as entidades de outras dimensões que surgem durante a Paralisia do Sono, por serem dispositivos digitais e eletrônicos, daí ela faz uma gambiarra entre uma filmadora bem antiga, que funciona na base de filmes, e uma vitrola pra registrar os sons. Como tudo foi editado em um único arquivo não é explicado, mas funciona e registra os monstrinhos não só chegando, mas caindo numa armadilha que a mina criou. Depois disso eles param de assombra-la, mas passam a perturbar o amigo que a ajudou.


Pois é, histórias legais e tal, mas são bem bobinhas se você assistir... e bem, a história que conecta todas elas é bem legal, bem curiosa, bem promissora, mas desbanca a edição em si. Diferente de V-H-S, a conexão não tenta explicar como os vídeos foram achados, mas sim tenta mostrar que há uma conexão entre os 3 vídeos. Mas sei la, o foco dos 3 vídeos no final era demônios de outra dimensão e o quanto podem influenciar na psique das pessoas. 


Daí, via testes para acessar a outra dimensão ou registrar a mesma, mesmo que por alguns milésimos de segundos, os caras conseguem acessar e adentrar a outra dimensão, mas ai eles ficam presos la. 


Pela explicação do filme, durante o sono chegamos a um estado de total vulnerabilidade e entramos numa frequência diferente, que nos permite perceber rapidamente a existência de outras dimensões. Daí pode rolar as paralisias do sono, com as pessoas sentido que estão acordadas mas não conseguindo se mexer. A explicação que o filme dá é que nesses momentos, a mente e corpo da pessoa estão presos numa outra realidade, por um curtíssimo período, mas que é duradouro suficiente para entidades paralelas perceberem e de alguma forma influenciarem, atacando, atiçando, incomodando, aterrorizando ou coisas assim. 


Eles usam o sono ren de um dos caras pra acessar a outra dimensão com dispositivos eletromagnéticos, é uma baboseira cientifica, e no fim, todo mundo se da mal. Um cara morre, mas mesmo morto continua ajudando, o outro é partido ao meio pois fica entre duas realidades, e a mina acaba saindo andando pelo mundo, paralisado no tempo (na verdade extremamente lento pra ela) e deixa a câmera pra trás, que coincidentemente é encontrada por pessoas que foram vasculhar o local onde a galera tava fazendo as pesquisas. 


Agora, o que não faz sentido é que, as câmeras eram digitais e eletrônicas. O próprio filme diz que não é possível utiliza-las em outras dimensões ou pra filmar criaturas, mas elas funcionam perfeitamente bem nas mãos desses caras. O fim desbanca todas as histórias anteriores e toda a mitologia com a qual o filme trabalha. E apesar de usar o estilo até o último segundo, nada é convincente. 



Prontinho.


Eu sei, eu sei, filme é algo fictício e cobrar pelo realismo é meio bobo, mas tipo, o que faz um found footage ser assustador, é justamente o realismo, o mistério com um toque de tenebrosidade. 

Ainda estou procurando os melhores found footages ou mockumentarios do mundo... e um dia eu vou achar e assistir. Eu queria pacas ir em festivais americanos de cinema só pra ver em primeira mão... poxa seria demais. Mas vou me contentar com as pesquisas malucas que faço. 


Bem, obrigado pela leitura, espero que tenha curtido... e até... acho que vou jogar Half Life 2 agora.

See yah.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+