PesquisaMorte:

ArquivoMorte

FeedMorte

CadastroMorte

Cadastre seu e-mail aqui:

Delivered by FeedBurner

sábado, 23 de novembro de 2013

A Lenda dos Sete

A Ordem Sete se tornou a principal organização da Terra.

Além de servir como exemplo da união, afinal era ela composta pelos Sete Honrados, cada um sendo de um dos povos, ela motivou e provou que era possível a convivência pacífica entre todas as raças.

Foi então, que os traidores, conhecidos como Bastardos da Terra, foram punidos com a pena máxima de seus respectivos reinos.

A sentença foi aplicada pelos próprios Sete Honrados, onde cada um, empunhando a arma mais letal contra sua própria raça, a utilizou contra seu respectivo traidor.

Os Vampiros, como os humanos os chamavam, receberam a Pena da Eternidade. Uma Estaca, forjada com madeira da vida, e banhada com sangue infectado, foi empalada nos dois Traidores Vampiros. Uma vez em contato com o organismo de um vampiro, tal estaca causa paralisia instantânea, onde todo o sangue existente no infeliz é completamente coagulado, em questão de segundos. Vampiros não podem ser mortos, mas uma pena dessas impossibilita que vivam. Eles então foram enterrados e duas torres foram edificadas como lápides em seus túmulos.

Os Gigantes, como os humanos os chamavam, receberam a Pena da Desintegração. Conhecida como Lummcono, no dialeto dos Gigantes, um ritual que invocava a Luz da Estrela Mãe foi iniciado como forma de castigar o Gigante traidor. Porém, como parte do tratado da Ordem Sete, uma arma foi criada com esse mesmo propósito. Um Espelho, foi abençoado e usado como forma de canalizar e reproduzir a Luz da Estrela Mãe, e em seguida, foi usado como o Lummcono, causando desintegração imediata do Gigante traidor, que por sua vez, voltou a sua forma natal, puro pó. Ele então foi enterrado na montanha mais alta e mais iluminada da Terra, impossibilitando que o Gigante se reerguesse, por toda a eternidade, ou até que a Estrela Mãe deixasse de iluminar a Terra.

Os Sereianos, como os humanos os chamavam, receberam a Pena da Agonia. Talvez a forma mais dolorosa e demorada de morte possível. Os quarenta e seis Sereianos considerados traidores foram castigados com o veneno proibido, criado apenas em ultimo caso, como forma de tortura, jamais morte. Um Arpão foi então banhado com esse veneno e usado para ferir todos os Sereianos traidores, e cada um foi jogado no mais profundo oceano, e deixado para a morte. Neste caso, os Sereianos não acreditam na morte como forma de punição, e culturalmente utilizam esse veneno que resseca o organismo sereiano em instantes, e impede que ele se reidrate até que o antídoto seja administrado. Então, um sereiano que recebeu essa pena permanece envenenado até que sua pena seja totalmente cumprida e então é liberado para que tenha uma nova vida, evitando errar novamente. Por respeito ao tratado da Ordem Sete, quarenta e cinco Sereianos foram lançados no mais profundo oceano, sem o antídoto, e deixados para morreram de forma lenta e dolorosa. Um destes Sereianos, que diferente dos demais, recebeu o antídoto, foi escolhido e convertido em um Ancião, que guardaria e passaria a história de seus irmãos para as futuras gerações. Sereianos tem uma vida que varia de anos à séculos, logo, a morte direta não é considerada por eles uma forma de punição justa, afinal, aqueles que erraram precisam se arrepender de seus pecados.

Os Reptilianos, como os humanos os chamavam, receberam a Pena da Amputação. Variando com o crime, um reptiliano que receba tal pena perde seu membro pecador. Os dois Reptilianos Traidores tiveram suas cabeças, braços e pernas decapitados com uma Espada. A espada foi banhada com ácido e o próprio sangue dos criminosos e em seguida, fincada em cada um de seus membros, como forma de simbolizar a justiça feita por eles contra eles. Só depois que os membros foram separados. Para concluir a punição, seus ossos foram removidos, derretidos com o mesmo ácido usado, e convertidos em uma Empunhadura e uma Bainha, para a mesma espada usada. Nas mesmas foram entalhados os nomes dos criminosos e seus respectivos crimes, juntamente com uma frase que amaldiçoava a alma dos mesmos, por toda a eternidade.

Os Anjos, como os humanos os chamavam, receberam a Pena da Exclusão. Simplesmente, suas asas foram arrancadas, e os cinco Anjos foram forçados a servir a humanidade, pelo resto de suas vidas. Anjos não acreditavam na morte como forma de punição mas sim, de purificação. E os cinco traidores foram considerados impuros de mais, até mesmo pra isso. Quando os cinco morreram, seus corpos foram santificados e suas asas devolvidas. Apesar da Ordem exigir, nenhuma arma foi criada, entretanto, a Tesoura usada foi também santificada, e considerada pura o suficiente para ferir qualquer Anjo.

Os Humanos, herdeiros da Terra, receberam a Pena de Morte. Os quinhentos e vinte seis humanos traidores foram fuzilados cinco vezes cada, com uma única Arma de Fogo. A Arma foi entalhada com o nome do Honrado que a utilizou nos fuzilamentos. A arma nunca mais foi usada, e quinhentas e vinte seis balas foram feitas com, cada uma, o sangue e o nome de um dos humanos mortos.

A Sétima Raça, como os humanos os chamavam, não divulgaram a forma de punição para o traidor. Porém, uma Carta foi criada e entregue a Ordem Sete, com os seguintes dizeres:

"Quando outro errar, queime."

Então, intitulou-se a pena como Pena do Silêncio.

Por fim, as sete penas foram registradas e as sete armas entregues, cada uma, ao seu respectivo líder. Cada um recebeu a ordem de guarda-la ou esconde-la, e nunca mais se ouviu falar delas.

Caso alguém ousasse desafiar ou rejeitar o Tratado de Paz novamente, as Sete Armas seriam liberadas para trazer justiça novamente ao mundo e salvar a Terra.




2 comentários:

  1. Interessante sua história. Você que criou ou isso eh resumo de um livro?

    Só não entendi qual foi o crime desses coitados que foram considerados traidores. tadinhos.

    by Criador

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores do Google+